O que significa "liberdade provisória"?

A Constituição Federal, em seu art. 5º, inciso LXVI, prevê que “ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança”. Otávio José Machado (Jus Navigandi, 2012) esclarece que “nossa Constituição, sob um prisma literal, estabelece que se a lei admitir a liberdade provisória com ou sem fiança ninguém será mantido preso”.

         A liberdade provisória, segundo Priscilla Moura Nogueira (Jus Navigandi, 2010), é “o instituto que livrará do cárcere (resultado da prisão cautelar) o suposto agente de um crime antes do trânsito em julgado de sentença que o julgue culpado”. O termo “provisório” exprime que o agente, apesar de ficar em liberdade, está sujeito a vínculos processuais”, de modo que, “se esses forem descumpridos, acarretará a restrição da liberdade do réu’, explica Suellen da Costa Gonçalves (Jus Navigandi, 2014).

         De acordo com o Dicionário Compacto Jurídico (2006), liberdade provisória é aquela “concedida pelo juiz ao indivíduo, para que este possa defender-se solto, com ou sem pagamento de fiança”. Dessa forma, Gonçalves (Jus Navigandi, 2014) explica que se trata de “uma medida intermediária entre a liberdade completa e a prisão provisória, bem como um substitutivo dessa prisão”.

         O professor Jeferson Moreira de Carvalho explica que "liberdade provisória é o estado de liberdade de quem se encontrava preso provisoriamente, ficando vinculado ao processo penal até sua decisão. Sua concessão importa a substituição da prisão provisória pelo estado de liberdade, ante a existência de previsão legal".

Dessa forma, o Código de Processo Penal estabelece as possíveis condutas do juiz, ao receber um auto de prisão em flagrante, conforme art. 310, in verbis:

Art. 310.  Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente:        

I - relaxar a prisão ilegal; ou        

II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art. 312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão; ou        

III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança.        

Parágrafo único.  Se o juiz verificar, pelo auto de prisão em flagrante, que o agente praticou o fato nas condições constantes dos incisos I a III do caput do art. 23 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, poderá, fundamentadamente, conceder ao acusado liberdade provisória, mediante termo de comparecimento a todos os atos processuais, sob pena de revogação. 


Texto elaborado por Bruna Ibiapina



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria