Deploro o sionismo, tanto quanto o antissemitismo.

Adotei o lema “Sou Charlie”, após o massacre no jornal francês Charlie Hebdo. E escreverei sempre que a liberdade for assassinada. Não gosto do humor praticado pelo pasquim, com escárnio e pura violência contra ideias e crenças divergentes. Essa intolerância também ameaça a liberdade. Mas, daí a autorizar o que vimos vai uma enorme distância.

Como escrevi tantas vezes, repito mais uma: “deploro o sionismo, tanto quanto o antissemitismo”. Alguns alegam mil razões para os ataques, invocando todas as guerras santas – antes de Cristo – e as atuais guerras pelo petróleo. Seria uma reação às ações agressivas do passado e do presente. Conheço todas essas ações. O que não reconheço é a lógica empregada no raciocínio. Porque, se seguisse o pensamento maquínico, teria de concordar com o PCC e a violência imposta contra o povo paulista.

O PCC (Primeiro Comando da Capital) foi criado em 1992, após o massacre de 111 pessoas no Carandiru – alguns trancados nas celas –, como organismo informal de defesa dos presos. Depois se tornou um sindicato e um partido do crime, organizados nacional e internacionalmente. Em 2006 houve um levante que paralisou o Estado, com verdadeira caça a policiais, bombeiros e agentes penitenciários. Novamente, em 2012, 112 policiais teriam sido “encomendados” pela facção criminosa – era um lembrete ao ocorrido em 1992. Uma comemoração mórbida e revoltosa. Contudo, lembremo-nos de que as masmorras, a total desídia e o terror do Poder Público criaram uma medusa do Mal. Aliás, o Mal sempre nasce assim, quando os “de bem” nada fazem. Pois bem, aplicando-se a lei de ação e reação, cegamente, teríamos de atribuir legitimidade ao crime organizado que, diga-se de passagem, só se organizou porque o Estado foi corrupto e seletivo, enclausurando e condenando à morte alguns cidadãos considerados indesejáveis. Ação e reação: o Estado me condena à morte, na masmorra medieval que é o presídio, e me vingo matando seus policiais.

Além do PCC, será que mais alguém concorda com isso? É de se supor que não. Então, por que devemos achar normal decretar a morte de jornalistas e de cartunistas? A ditadura militar de 1964, na caça aos comunistas e democratas, fez o mesmo no Brasil. Não podemos entortar a lógica, se queremos manter a coerência, para satisfazer um determinado pensamento político ou ideológico. Por mais que seja racista, antiquado, estúpido e virulento, o humor do Charlie Hebdo não pode ser calado como fizeram os universitários nazistas na queima de 20 mil livros “judeus”, em 1933. Sobretudo na universidade e dentre formadores de opinião, a defesa do povo palestino, por exemplo, não nos dá o direito de eliminar a opinião contrária. Para isso existe o Judiciário.

O PCC não representa o Povo, de Michelet, mas sim a Ralé, de Máximo Gorki. Porém, sabedores disso, não estamos autorizados a atacar qualquer povo. O combate ao crime organizado não aprova o preconceito, a discriminação e a perseguição violenta do Estado contra as populações pobres.

O fato de haver jihadistas ensandecidos não nos permite concluir que o islamismo é “psiquicamente violento”. Esse racismo com ares de psiquiatria forense definiria os jesuítas como colecionadores de ossos. O que nos compete é combater o fundamentalismo, seja ele qual for. E isto leva a concluir que a premissa precisa ser corrigida.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    oswaldo moreira antunes

    Li o trabalho do Professor Martinez e achei muito esclarecedor. Em nome da liberdade não aprovo o massacre ocorrido na França, ressaltando que com religião não se brinca. A imprensa deve respeitar a escolha feita individuo no tocante o seu sentimento religioso, em nome da própria liberdade, como ressaltou o PAPA FRANCISCO, sem sua recente viagem.

Livraria