Diferenças entre posse e detenção em Direito Civil. Teoria Objetiva de Ihering

Diferenças entre posse e detenção em Direito Civil

Conceito de posse: é o estado de fato que corresponde ao direito de propriedade.

Conceito de detenção: estado de fato que não corresponde a nenhum direito.

A posse não é um direito, mas precisa ser estudada e protegida para evitar violência e manter a paz social.

Faz-se necessário ressaltar a importância de se observar a diferença entre detenção e  posse, pois só com o direito de posse que o agente também terá direito a uma proteção por parte do Estado.

A detenção é aquela situação em que alguém conserva a posse em nome de outro e em cumprimento às suas ordens e instruções.

Os fundamentos em que se baseiam a posse devem ser estudados para que se consiga distinguir a posse da detenção.

Basicamente são utilizados como critérios para as teorias do fundamento da posse as teorias relativas ou absolutas.

As teorias absolutas são aquelas onde se afirmam que a proteção da posse se da por si mesma, considerando ser um fenômeno social, porém essas não são suficientes para entendermos as peculiaridades da posse e da detenção.

Já as teorias relativas são as mais indicadas para entendermos a distinção de posse e detenção.

Para se saber o que é posse, é mister analisar este instituto à luz das teorias  desenvolvidas por dois grandes jurista alemães , a teoria objetiva (Teoria de Ihering) e da teoria subjetiva (Teoria de Savigny).

A Teoria de Savigny definia que a posse era uma era uma forma especial da detenção, sendo esta um fato físico que tem a propriedade, apreensão física, enquanto a posse era definida por um elemento subjetivo, o animus.

Defende a idéia de que a detenção é o fato físico ligado a propriedade, já a posse é a intenção que o indivíduo possui de exercer o direito de propriedade.

Podemos ter o caso de um indivíduo que não possui a detenção, mas quando há vontade de exercer poder de fato sobre a coisa, estaremos diante de um caso de posse, mesmo que este tenha ciência de que não seja o proprietário dessa coisa.

E a partir dessa ideia defendida por Savgny, que iremos entender a Teoria de Ihering, que contesta a primeira teoria.

Defende Rudolf Von Ihering que o exercício fático da propriedade é caracterizado pela posse.

Entende que na maioria dos casos, o possuidor de uma coisa é também o proprietário desta. Ou seja, ao contrário do que defende Savigny, aqui considera-se que poder jurídico da propriedade, fisicamente, é a posse e não a figura detenção.

Define nesta teoria que para estarmos diante da posse, o requisito que se deve ter é o poder do agente sobre a coisa no mundo fático, e não a intenção, o animus do indivíduo que possui a coisa como se fosse sua, mesmo sabendo que não é.

 * corpus: é a relação exterior que há normalmente entre o proprietário e a coisa, ou a aparência da propriedade;

 *animus: é o fato de exercer de uma maneira consciente o próprio corpus; vontade de proceder como procede habitualmente o proprietário, independentemente de querer ser dono.

Portanto, em nosso sistema jurídico, a posse apresenta dois elementos – corpus e animus o primeiro se traduz no comportamento semelhante ao do proprietário e o segundo se resume na vontade de ter esse comportamento.

Pode-se concluir que a posse e a detenção não se distinguem pela presença (ou ausência) de um animus específico. O que as distingue seria um elemento externo, objetivo. Mais especificamente, a diferença entre posse e detenção estaria no dispositivo legal que, em certas situações que preenchem os requisitos da posse, retira delas os efeitos possessórios.

Vê-se que Ihering parte da posse para chegar à detenção. Para ele, a detenção é “uma posse degradada”.

Sendo assim podemos afirmar que nosso ordenamento jurídico, interpretando nosso atual Código Civil Brasileiro, é uma legislação que trata a Posse de acordo com os ensinamentos da teoria objetiva, especificamente de acordo com a Teoria Objetiva da Posse de Ihering.

             


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria