Não basta apenas reformar a política, é preciso fazer uma reforma geral no Judiciário.

Na última década o STF deu um exemplo de como a atividade jurisdicional pode ser corrompida. Além de considerar válida a Lei de Anistia julgada inválida pela OEA, o Tribunal concedeu um HC com supressão de instância para livrar um banqueiro tucano da cadeia. E seu presidente, Gilmar Mendes, passou a perseguir o Delegado Federal que efetuou a prisão e o Juiz que a determinou.

Durante o julgamento do Mensalão, a maioria do STF condenou José Dirceu porque ele não provou sua inocência, com base na literatura usando uma versão distorcida da teoria do “domínio do fato”. A referida teoria não foi aplicada no caso Trensalão tucano para mandar José Serra e Geraldo Alckmin para a prisão. Os réus sem foro privilegiado do Mensalão petista foram julgados no STF, os réus do Mensalão tucano que estavam na mesma situação tiveram o privilégio de ver o processo enviado para a primeira instância onde o mesmo será prescrito.

O STF tem considerado válida a delação premiada para os envolvidos no Petrolão. No caso da roubalheira tucana no Metrô/SP o Tribunal premiou os delatados rejeitando premiar os delatores.

Não há dúvidas de que o STF não distribui a mesma justiça de maneira igual para todos os réus. Alguns são severamente condenados ao arrepio da constituição, outros são liberados, inocentados ou protegidos apesar do que consta na CF/88. Igualdade perante a Lei é um princípio ignorado pela mais alta Corte do país, como se aqui houvessem dois regimes jurídicos: o rigor da Lei para os inimigos da maioria dos Ministros do STF, privilégios inconstitucionais para os amigos deles.

Em algum momento a população brasileira vai notar a sobrevivência do ancien regime imperial, com suas distinções nobiliárquicas e escravocratas, sob o verniz do capenga regime republicano sabotado diariamente pelo STF. Quando isto ocorrer, alguns cidadãos inevitavelmente começarão a exigir que os privilégios aristocráticos concedidos aos tucanos sejam abolidos, que eles também comecem a ser encarcerados. Se o STF não atender aos reclamos de igualdade abaixo da mesma Lei, a população pode se revoltar e a fazer nas ruas a justiça que não tem sido feita naquele Tribunal.

Um órgão que distribui desigualmente a justiça entre cidadãos tratados como se fossem juridicamente desiguais, que protege os privilégios de alguns criminosos e condena pessoas que deveriam ser inocentadas por falta de provas não merece nem mesmo ser chamado de Tribunal. O STF é uma Corte de Exceções e sua própria existência deveria começar a ser discutida.  



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria