Uma ideia sobre a produção do direito no século XXI e experimentalismo.

A era das codificações surge com Napoleão em 1804 quando promulgou o código civil e franceses, que embora não seja o primeiro, é o mais famoso dessa época. A ideia era reunir num único diploma legal exaustivamente TODAS as questões pertinentes a vida civil. Com isso, cria-se também a escola da exegese, onde dizia-se que não ensinavam direito nas faculdades, mas o código napoleônico.

Evidente que está toda uma produção engessada do direito. Onde a mudança é quase inexistente, portanto o direito não evolui. Os códigos por si só, fazem tábula rasa de toda a tradição anterior a sua criação e passa a determinar o direito.

Obviamente, o pensamento jurídico com o passar do tempo acarreta uma certa mudança dos valores, passando a rejeitar algumas cláusulas do código e até mesmo encontrar lacunas para resolver problemas que o legislador não observara, dada a sua impossibilidade. Movimentos intelectuais diversos, passaram a reinvidicar o fim dos códigos ou a extração de algumas matérias. Dos quais, gostaria de destacar o jurista italiano Natalino Irti que afirmara vivermos a era da descodificação.

Ora, minha visão de direito que coaduna com os pensamentos de Friedrich Hayek e da escola austríaca, mais ensinamentos de Bruno Leoni; deveria concordar com a descodificação. No entanto, a proposta de Irti é que em vez dos código deveríamos adotar legislações específicas para cada matéria por ele regulada para atender a diversos grupos de interesse , como descreve Luciano Timm:

“[Para Irti] a lei deixou de ser aquele comando genérico e abstrato do século XVIII, para se tornar estatutos privilegiados de determinados segmentos sociais ou grupos políticos. Nesse sentido, a lei já não expressa a vontade do povo, nem a soberania estatal, mas o resultado do jogo político, isto é, da luta entre o poder público e os grupos de pressão. ‘A lei assume já as características de concretude e individualidade, que eram próprios do negócio privado resposta a específico e determinado problema”.

Nesse cenário, a emenda sairia pior que o soneto. A solução é adotar estatutos, como se fez no Brasil: Estatuto da Criança e do Adolescente; Código de Defesa do Consumidor; Lei da Locação predial urbana (e antes disso a questão do direito do trabalho que foi totalmente apartado do direito comum e do direito de família que também ganhou diversos estatutos); esses estatutos regulariam a questão material pertinentee também normas processuais, ou seja, cria-se princípios específicos para cada sub-ramo do direito privado.

O experimentalismo é coerente com o liberalismo jurídico. Todavia, se a crítica a codificação é justamente que ela cria um engessamento na produção do direito, centralizando-a e perdendo o espaço para uma produção mais aberta e espontânea. A legislação para grupo de interesses daria um aspecto muito pior ao direito privado, atentado para os perigos que foram denunciado por Bruno Leoni em Liberdade e a Lei, onde as minorias seriam esmagadas por grupos de pressão através do aparato estatal, de tal monta que as normas vão cada vez mais perdendo o caráter de generalidade e abstração, e obedecendo à propósitos particulares e específicos, desses grupos.

É certo que uma sociedade aberta requer liberdade individual para através participar de interações humanas voluntárias que conduzem uma ordem espontânea. Esse é o caráter da produção aberta do direito. A ação humana é dinâmica, portanto as regras para evitar os conflitos existentes na vida em sociedade também o devem ser.

REFERÊNCIAS:

http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/GTepedino2001.pdf

http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/Timm.pdf

http://www.mises.org.br/files/literature/Liberdade%20e%20a%20Lei.pdf



Informações sobre o texto

Uma nova concepção sobre a produção aberta do direito.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria