O oferecimento de um paradigma alternativo à exploração econômica da criatividade.

Os recursos físicos de que a sociedade dispõe são limitados (escassos). Logo, a propriedade privada serve para evitar os conflitos sobre o uso desses bens demarcando o que pertence a cada um, facilitando, assim, as trocas e dando mais eficiência sobre a sua utilização, pois cuidamos melhor daquilo que nos pertence (nunca vi nenhum hóspede limpando quarto de hotel para devolvê-lo como recebeu). Essa constatação rendeu a Ronald Coase, o prêmio Nobel de economia.

No entanto, o mesmo não ocorre bens não materiais. Ideias não são bens escassos. Já que começamos na economia, vejamos: a revolução marginalista, marco teórico que mudou o paradigma da ciência econômica, se deu com a descoberta da lei da utilidade marginal. Nada de extraordinário até aqui, não fosse o simples fato de que essa lei foi “descoberta” simultaneamente por três pesquisadores que realizavam trabalhos independentemente uns dos outros, Carl Menger; Jevons e Walras. O mesmo ocorreu com Charles Darwin e Wallace na descoberta da teoria da evolução pela seleção natural. Há quem diga que se algum desses cientistas não tivesse vivido, a descoberta deles teria sido feita por outros, diferente da arte, cujo produto é unicamente decorrente de uma mente ímpar. Será mesmo?

O ouvido humano apenas consegue distinguir um determinado número de notas musicais e, apesar da gigantesca quantidade de possibilidades de combinações possíveis entre elas, o resultado dessa “matemática musical” é um número finito, por volta de  2211.000.000 de possibilidades diferentes para combinar os bits e criar melodias distintas.

Imagine o quanto de conhecimento acumulado de gerações foi necessários para que nossos cientistas chegassem as suas descobertas, imaginem o quanto de influências um artista tem para compor um música. Milhares de mentes pensaram antes deles, empreenderam pesquisas, feitos científicos, obras de arte, livros publicados: será que cada um desses antecessores teria o direito de cobrar royalties dessas inovações¿

A propriedade intelectual não é exatamente PROPRIEDADE no sentido abordado no início do texto, pois não se refere a bens escassos e únicos, mas sim uma propriedade artificial, criada por decreto. Uma ideia que eu tive aqui e agora não é fruto apenas de minha imaginação, mas um produto de minha observação, pesquisa e experimento de anos (talvez décadas) e de inúmeras fontes. Mas isso não quer dizer que essas ideias não são inovações ou originais. Essa conjugação de diversos fatores cria um produto novo.

Também não significa que não é possível lucrar com suas ideias, mas apenas que a melhor maneira de se lucrar com elas é pondo-a no mercado. Pondo em prática, vendendo-a, criando valor para as pessoas. Essa é a postura de protagonismo, de um empreendedor, ao total revés de se esconder atrás de uma legislação protecionista de P.I.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria