A aprovação da nova lei da guarda compartilhada demonstra, tão somente, o desconhecimento do legislador acerca da situação fática dos processos em trâmite.

Entrou em vigor, em 22 de dezembro de 2014, a Lei nº 13.053/2014 que altera os arts. 1.583, 1.584 e 1.634 do Código Civil, a fim de estabelecer o significado da guarda compartilhada e dispor acerca de sua aplicação.

A partir de então, a nova redação do §2º do art. 1.584 é a seguinte: “Quando não houver acordo entre a mãe e o pai quanto à guarda do filho, encontrando-se ambos os genitores aptos a exercer o poder familiar, será aplicada a guarda compartilhada, salvo se um dos genitores declarar ao magistrado que não deseja a guarda do menor”

O artigo, por si só, é contraditório. Isto porque, dispõe que em caso de não concordância entre os genitores, será aplicada a guarda compartilhada. Quanto a este ponto, há algumas críticas a serem tecidas, e a principal delas, é o desconhecimento dos casos concretos por parte do legislador. 

Não obstante o estado de beligerância que se encontram os genitores com o término da relação, o vínculo afetivo entre ascendente e descendente deve se manter incólume com a separação do casal, razão pela qual nas ações de divórcio são regulamentadas as visitas e a guarda.

A prática forense tem demonstrado que a guarda compartilhada apenas é exitosa quando os genitores possuem um bom relacionamento, caso contrário, o compartilhamento da guarda está fadado ao fracasso.

Dispõe o art 1.583, §1º, do Código Civil, que a guarda compartilhada é a “responsabilização conjunta e o exercício de direitos e deveres do pai e da mãe que não vivam sob o mesmo teto, concernentes ao poder familiar dos filhos comuns.”

Por sua vez, o §2º do referido artigo dispõe que na guarda compartilhada “o tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, sempre tendo em vista as condições fáticas e os interesses dos filhos.”

Ora, se os genitores não têm consenso nem mesmo a respeito da guarda (razão pela qual, supostamente, será aplicada seu compartilhamento), como entrarão em acordo para dividir o tempo de forma equilibrada, ou para se responsabilizarem conjuntamente pelas decisões, a fim de resguardar o melhor interesse da prole?

O legislador, bem intencionado, olvidou-se de analisar a situação fática dos processos em trâmite. Esqueceu-se de que quando não há concordância, os pais discutem por assuntos mínimos, como o genitor que, quando exerceu seu direito de visitas, atrasou o filho em 10 minutos ao devolvê-lo na residência da mãe.

Obrigar o compartilhamento da guarda quando não existe consenso é forçar a criança a viver em uma situação instável, conflituosa, e suscetível de maior incidência de alienação parental. Forçar a guarda compartilhada é ir contra o princípio do melhor interesse do menor, constitucionalmente garantido.

Presumir que a guarda compartilhada irá priorizar o superior interesse da criança é ignorar a necessidade de estudos sociais, avaliações psicológicas e a produção de prova técnica, a fim de se verificar qual a melhor situação a se adequar ao caso concreto, apontando-se as mais diversas peculiaridades.

Em muitas hipóteses, a guarda unilateral ainda continua sendo a mais vantajosa para salvaguardar os direitos das crianças e dos adolescentes. Se o legislador comparecesse por uma semana nas audiências de uma vara da família, talvez também teria notado isto. 

Embora os poderes sejam independentes, também são harmônicos entre si. Neste caso, a desarmonia foi flagrante.


Autor


Informações sobre o texto

A realidade do cotidiano.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria