Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

A terceirização no Brasil

Entenda mais sobre a evolução histórica da terceirização e por que ela configura uma estratégia que pode ter perigosas consequências.

Logo após a Segunda Grande Guerra Mundial (1939-1945), surgiu a expressiva necessidade de se aumentar a produtividade da indústria bélica, com o fito de manter a oferta de armamento dos países envolvidos no conflito. A verdade é que as grandes fábricas e principais produtores não conseguiam adequadamente suprir a demanda por armas e a saída fora remodelar a forma de produção, transferindo e delegando atividades não essenciais para outras empresas. A indústria da época percebeu que era importante se empenhar no sentido de aumentar a produção bélica e delegando as demais atividades consideradas como secundárias para terceiros.

Terminado o conflito mundial que teve proporções arrasadoras, os países vencedores apresentaram substanciais conquistas no plano econômico, e naquele momento, surgira o modelo de produção taylorista que propunha a minuciosa separação de tarefas e sua consequente rotinização no processo laborativo interno da empresa. Assim reduziria a necessidade de sofisticada especialização do trabalho, que passou a ser composto de procedimento basicamente simples. Com esta gerência científica de trabalho, se multiplicava a produtividade laborativa e viabilizava a explosão da produção de massa tão característica da sistemática capitalista.

Foi o modelo taylorista aliado ao fordista que conduziram o crescimento da planta industrial capitalista que dotada de grandes massas de trabalhadores, vinculados a funções pouco especializadas e que se conectavam facilmente pela esteira rolante da linha de produção.

No entanto, devido à grande acumulação de capital durante duas décadas, nos anos de 1970, ocorreu uma das crises estruturais do capitalismo vigente, instaurando um retrocesso e limitação de direitos cujos impactos afetaram o sistema capitalista de produção.

Tal crise atingira tanto os países principais quanto também os países emergentes, já que a economia destes estava sempre vinculada às oscilações bipolares do capitalismo central.

Entre as transformações trazidas destaca-se o surgimento de novo modelo de produção, a partir do paradigma do Estado neoliberal[1], conhecido como modelo toyotista. Visa, em síntese, elevar a produtividade do trabalho e propor a maior adaptabilidade da empresa aos contextos de alta competitividade no sistema econômico e de insuficiente demanda no mercado consumidor.

Tal modelo se implementa através da ideia de horizontalização da empresa, em oposição ao método utilizado pelo taylorismo/fordismo[2] que tem manifesta organização verticalizada.

O toyotismo[3] propõe explicitamente a subcontratação de empresas, a fim de delegar as tarefas instrumentais ao produto final da empresa polo. Defende-se a noção de empresa enxuta, disposta a concentrar em seu bojo apenas as atividades essenciais ao seu objetivo principal, repassando para as empresas menores, suas subcontratadas, o cumprimento das demais atividades necessárias à obtenção do produto finalmente almejado.

Assim concomitantemente ao processo de descentralização das etapas periféricas de produção criado pelas grandes empresas, surgem as empresas de pequeno e médio portes, que foram instituídas para subsidiar as de grande potencial, mediante a produção de atividades-meio, o que possibilita a complementação do ciclo de processo produtivo.

Conclui-se que a terceirização trabalhista fora efetivamente implementada no seio do Estado neoliberal e partir do modelo toyotista. A terceirização trabalhista recebe também outras denominações, tais como: focalização, horizontalização, outsourcing, externalização de atividades, parceria, contrato de fornecimento, subcontratação, entre outras.

Mas, é importante ressaltar que em relação ao termo subcontratação[4], este somente deve ser usado para definir situações onde a terceirização revestiu-se de ilicitudes.

A real intenção do empresariado brasileiro em repassar a terceiro, no sentido de ser o "outro", da posição de empregador na relação laboral e, consequentemente da responsabilidade sobre os encargos e direitos trabalhistas com seus empregados, muitas vezes se reveste em ser mera estratégia[5] para se ganhar tempo, tomando serviços e pagando-se bem depois.

De fato, a terceirização é um triângulo posto que a relação jurídica se desenvolva com o interesse de três partes. Daquela que contrata os serviços de uma empresa especializada em determinado serviço, a fim de poder concentrar seus recursos materiais e humanos em sua atividade principal, chamada tomadora. E, por sua vez, a empresa especializada de serviços, que contratada é chamada de prestadora. E, por derradeiro, o empregado contratado pela prestadora, que desempenha suas funções beneficiando-se secundariamente a empresa tomadora.

Vige a flexibilização da relação de empresa pois há a possibilidade de contratar terceiro para a realização de atividades que não constituem o objeto principal da empresa. Assim, a empresa beneficiária poderá delegar à empresa prestadora de serviços a realização de atividades que não correspondam às suas atividades principais.

Atualmente a terceirização é realidade estratégica cujo objetivos são aumentar a produtividade e reduzir os custos com o pessoal e encargos sociais, em curtos intervalos de tempo. A priori, apresenta-se como prática muito vantajosa principalmente por que possibilita transformar custos fixos em variáveis, e eliminar boa parte das operações não essenciais, liberando o capital para a aplicação na melhoria do processo produtivo, em novas tecnologias e em novos produtos.

Também, há o aumento de qualidade dos serviços realizados, em face da especialização das empresas prestadoras. E, nesse sentido, a terceirização foi responsável por criar a possível competição entre empresas, onde se incrementa a produtividade ao lado da qualidade na produção, o que pode resultar no barateamento do preço dos produtos e gerando assim benefícios gerais para a sociedade.

Mas existem desvantagens explícitas à prática terceirizante principalmente no que se refere à pessoa do obreiro. A terceirização não é capaz de proporcionar rendimentos exorbitantes, pois tende a ampliar o desemprego, reduz, simultaneamente, o mercado consumidor, gerando queda nas vendas e, consequentemente dos lucros.

Enfim, acaba com a noção de emprego, entendida como relação tradicional de trabalho, estável e dependente entre empregado e empregador, criando uma demanda por trabalho sem o vínculo estável.

A verdade que o trabalhador contemporâneo não mais se enquadra no modelo fordista. A especialização é substituída pela generalização. E, a relação laboral tradicional tende a se reduzir, bem como o desemprego aumentar. Essa situação traz a contradição implícita de ao reduzir o emprego e o número de empregados, também reduz a renda disponível para o consumo.

Assim, desemprega-se para diminuir custos e aumentar produtividade e lucro, mas a consequência é a redução de consumo, a queda das vendas e as perdas de lucratividade.

O mecanismo terceirizante também estimula processos de alta rotatividade da mão de obra, sobretudo no que concerne às empresas tomadoras de serviços, causando insegurança no emprego e insuflando sentimentos de extremo individualismo nas relações de trabalho.

O mito criado pela terceirização referente à redução de custos através da delegação de atividades periféricas às prestadoras de serviços é inverídico pois o fato é que não haverá mitigação de gastos com empregados, posto que a empresa terceirizante os terá efetivamente, com relação à contratação, ao treinamento pessoal, aos encargos trabalhistas, entre outros.

Assim, todos os valores investidos serão repassados à beneficiária, não existindo de fato uma efetiva redução de custos. A terceirização acarreta a precarização das relações de trabalho, onde o empregado tem seus direitos fragmentados. E geralmente desrespeitados.

Projeto de lei que propõe regular a terceirização no país, o PL 4.330 cujo relator é o deputado Arthur Oliveira Maia do PMDB-BA não há menção expressa a um dos pontos de maior polêmica que é o definir ou proibir a contratação de terceiros na chamada atividade-fim, que é aquela considerada a atividade principal da empresa.

No fundo, o projeto pretende liberar irrestritamente a terceirização para todas as atividades. Assim numa fábrica de aparelhos eletrônicos, numa empresa de segurança, vigilância ou alimentação poderão contratar terceirizadas.

Em verdade não há no país sobre a terceirização no setor privado uma proibição legal, embora a Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho proíba a prática para as chamadas atividades-fim.

Segundo o Dieese e ainda o Ministério do Trabalho quase um quarto da força laboral brasileira é composta de terceirizados, o que nos remete a algo em torno de doze a treze milhões de trabalhadores terceirizados.

O art. 4º do referido projeto alude que é lícito a todo contrato de prestação de serviços terceirizados, relacionados ao conjunto de atividades das contratantes. A redação não incluiu o termo "meio" depois de atividades, dando azo de que poderá ser atividade-meio e atividade-fim.

O texto define que a contratada é a pessoa jurídica especializada na prestação de determinados serviços e específicos. Um dos principais pontos da polêmica reside na representação sindical dos terceirizados pois o texto do PL favorece as centrais ao propor que quando as terceirizadas e contratantes forem da mesma categoria, os trabalhadores serão representados pelo sindicato dos funcionários da contratante.

Mas, se não forem da mesma atividade econômica, o PL prevê a negociação coletiva feita de forma conjunto pelos sindicatos de trabalhadores quando existir mais de um para mesma classe.

Desta forma, será viável participar das negociações coletivas havidas entre bancários e bancos os sindicatos representantes dos funcionários de outras categorias tais como a dos vigilantes ou aqueles que atuam no setor de limpeza e conservação.

Segundo o relator do projeto, a proposta vai aumentar a carga tributária sobre o empresariado. Atualmente as empresas intensivas de mão de obra pagam onze por cento sobre o faturamento. E, as demais pagam vinte por cento sobre a folha de pagamento.

Outra polêmica cinge-se Pa responsabilidade das empresas no recolhimento tributário e ainda dos direitos trabalhistas. Hoje entende-se pela responsabilidade subsidiária. Assim, o empregado só pode acionar a empresa que contrata a mão de obra depois de processar a terceirizada.

Pelo Projeto de Lei a responsabilidade só permanecerá subsidiária quando a empresa contratante fiscalizar o recolhimento de tributos da empresa contratada (a terceirizada). Do contrário, poderá mesmo ser acionada antes da terceirizada, instituindo claramente a responsabilidade solidária.

A jurisprudência pátria a partir da Súmula 331 do TST[6] expôs quais são as hipóteses em que a terceirização será permitida. E, é composta por quatro grandes grupos, a saber: trabalho temporário, serviços de vigilância, serviços de conservação e limpeza, serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador.

Percebe-se que foram definidas situações onde a terceirização é transitória, e também onde é permanente. É bom frisar que as atividades-meio consistem, segundo Maurício Godinho Delgado naquelas "funções e tarefas empresariais e laborais que não se ajustam ao núcleo da dinâmica empresarial do tomador dos serviços, nem compõe a essência dessa dinâmica ou contribuem para a definição de seu posicionamento no contexto empresarial e econômico mais amplo. São, portanto, atividades periféricas à essência da dinâmica empresarial do tomador de serviços."

Sublinhe-se que a ausência de subordinação e de pessoalidade que são elementos fáticos-jurídicos da relação laboral, em relação à tomadora para a caracterização de terceirização lícita, de forma permanente. Por outro lado, no caso de trabalho temporário não existe tal previsão, excetuada pela própria Súmula 331 do TST, conferindo ao empregado o poder de exercer suas atividades com pessoalidade e subordinação em relação à empresa beneficiária.

Essa ausência de pessoalidade caracteriza-se, portanto, pela ausência de ligação pessoal entre o trabalhador (da prestadora de serviços) e a tomadora. A prestadora poderá substituir seu empregado sempre lhe convier, estando obrigada, por força de contrato que celebrou com a tomadora, apenas a manter a execução dos serviços contratados.

Cumpre destacar ainda que estando presentes os elementos fáticos-jurídicos da relação laboral, quais sejam, a pessoalidade e a subordinação direta, encontrar-se-á uma hipótese de terceirização ilícita. E, caso o trabalhador esteja executando tarefa relacionada com alguma atividade-fim da empresa tomadora de serviços, resta caracterizado mais uma situação de terceirização ilícita.

Referências

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2007.

_________________________. Capitalismo, trabalho e emprego: entre o paradigma da destruição, e os caminhos de reconstrução. São Paulo: LTr, 2005.

MARTINS, Sérgio Pinto. A Terceirização e o Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, 1997.

DA CRUZ, Luiz Guilherme Ribeiro.  A terceirização trabalhista no Brasil: aspectos gerais de uma flexibilização sem limite. Disponível em: http://www2.direito.ufmg.br/revistadocaap/index.php/revista/article/viewFile/32/31 Acesso em 16.04.2015.


[1] O neoliberalismo como um conjunto de ideias políticas e econômicas capitalistas que defende a não participação do Estado na economia.  Segundo essa doutrina, deve viger total liberdade de comércio (livre mercado), pois este princípio garante o crescimento econômico e o desenvolvimento social de um país.  A ideia do Estado neoliberal surgiu na década de 1970 através da Escola Monetarista do economista Milton Friedman, como uma solução para a crise da economia mundial vivenciada em 1973 e provocada pelo aumento excessivo do preço do petróleo.

[2] Fordismo é o nome dado ao modelo de produção automobilística em massa, instituído pelo norte-americano Henry Ford. Esse método consistia em aumentar a produção através do aumento de eficiência e baixar o preço do produto, resultando no aumento das vendas que, por sua vez, iria permitir manter baixo o preço do produto. É utilizado até hoje na fabricação de automóveis. Foi e continua sendo o único modelo de produção capaz de atender a demanda exigida pela sociedade atual. Com a crise econômica de 2008 e 2009 no sistema imobiliário dos EUA e sua consequência no mercado global, inúmeras montadoras sofreram uma enorme queda nas vendas e tiveram de demitir seus funcionários pela repercussão da crise também no mercado de automóveis.

[3] Toyotismo é o modelo japonês de produção, criado pelo japonês Taiichi Ohno e implantado nas fábricas de automóveis Toyota, após o fim da Segunda Guerra Mundial. Nessa época, o novo modelo era ideal para o cenário japonês, ou seja, um mercado menor, bem diferente dos mercados americano e europeu, que utilizavam os modelos de produção Fordista e Taylorista. Espalhou-se pelo mundo na década de setenta e sua ideia principal era produzir somente o necessário, reduzindo estoques (flexibilização da produção), produzindo em pequenos lotes, com a máxima qualidade e trocando a padronização pela diversificação e produtividade. Também as relações laborais sofreram modificações pois o trabalhador deveria ser mais qualificado, participativo e polivalente, ou seja, deveria ser hábil a se adaptar a trabalhar em mais de uma função.

[4] Terceirização em concessionárias de serviços públicos. Vide a decisão disponível em: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI81064,11049 Decisao+trata+da+legalidade+da+terceirizacao+em+concessionarias+de

[5] A terceirização a partir da década de 1990 ainda visava a redução de custos, com a diferença de que passaram a ser delegadas as chamadas atividades-meio. Assim a contratação passa a ser considerada como prestação de serviços, sendo delegado à terceirizada o gerenciamento de suas próprias atividades, porém, ainda sob o controle da empresa contratantes.  De fato, contemporaneamente sendo vista como estratégia, não mais como mera contratação, procura igualmente majorar receita, mirando seu foco no cliente, na fidelização da clientela e no maior investimento da infraestrutura de qualidade.

[6] A Súmula 331 do TST foi aprovada pela Resolução Administrativa nº 23/93, de 17 de dezembro de 1993, de acordo com a orientação do órgão Especial do Tribunal Superior -Diário da Justiça da União de 21 de dezembro de 1993 (...).

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre a autora
Imagem do autor Gisele Leite
Gisele Leite

Professora universitária por mais de duas décadas. Mestre em Direito, mestre em Filosofia. Doutora em Direito. Pesquisadora-Chefe do Instituto Nacional de Pesquisas Jurídicas. Articulista das revistas e sites jurídicos renomados. Consultora do IPAE.<br>

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!