Iogurte e o marketing jurídico

Parece surreal o título, mas em fato se justifica por uma ação do iogurte natural da Danone.

Vamos pensar: O que é que você faz em primeiro lugar ao abrir um iogurte para saboreá-lo?

Come? Não!!! Você lambe a tampa… Tanto faz isto no automático que nem lembra que faz isto…

Numa estratégia de marketing, a Danone escreveu mensagens na tampa do iogurte, surpreendendo quem lambe com uma mensagem bem humorada.

Uma sacada genial, não é?

Mais do que isto, é a estratégia por trás desta ação.

Como assim?

A informação não é nova, aliás muito velha: Todos lambem a tampa do iogurte. Mas, o diferencial foi transformar este ato corriqueiro em uma lembrança permanente na cabeça do consumidor.

E o que isto tem a ver com o marketing jurídico?

Tudo. Qual a premissa para a ação do iogurte?

Conhecer o público alvo.

Então, devolvo a pergunta: Você conhece o seu cliente?

Sabe o que ele faz? Sabe o que realmente interessa para ele além de supor que é o seu processo judicial?

Lembre-se primeiro: Quem é o seu cliente?

Depois, qual a realidade dele?

E ainda: E o que você pode fazer por ele? Eu disse: Por ele!

Houve um tempo que importava a advocacia, o advogado, a lei, a justiça. Hoje, importa o cliente. Parece surreal, mas é verdadeiro.

Como afirmou J.P.Morgan: “Não pago advogados para me dizer o que fazer, mas sim para me dizer como fazer o que quero fazer”. Se você não concorda com esta frase, a advocacia pode estar distante da realidade que você vive.

E, aliás, o que você tem feito em prol do cliente ultimamente? Não nos últimos anos, mas sim, nos últimos 2 meses?

Você informa o cliente? Conversa com ele? Está presente nos momentos importante do negócio e do mercado dele?

Afinal, ele importa ou não?

Tão óbvio quanto lamber a tampa do iogurte é o que o seu cliente faz ou deixa de fazer. A diferença é a ação que você vai fazer a respeito.

E aí? Bora criar diferenciais?

#FicaaDica


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria