Neste artigo defendo a tese de que os abusos reiterados cometidos pelo presidente Câmara dos Deputados podem ter um fim mediante uma decisão do STF.

O presidente da Câmara dos Deputados se comporta como um verdadeiro imperador. Ele submeteu a questão do financiamento privado das eleições a uma segunda votação depois que a matéria foi rejeitada. Quando sua manobra foi impugnada no STF – a mesma matéria não pode ser votada duas vezes no mesmo ano legislativo - ele ameaçou publicamente o Tribunal. Ontem Eduardo Cunha empregou novamente a estratégia. Após a rejeição da redução da maioridade penal, ele fez votar novamente a matéria articulando sua aprovação.

As malevolências de Eduardo Cunha precisam ter um fim. O respeito do presidente da Câmara dos Deputados pela CF/88 é nenhum. Num dia ele ameaça o MPF porque foi denunciado por crime do qual quer ficar impune, no outro fala em banir o Presidencialismo como se ele mesmo tivesse poder para revogar o Plebiscito de 1993 que rejeitou o Parlamentarismo. Quem seria o chefe de governo no regime desejado por Eduardo Cunha senão ele próprio?

O Parlamento do nosso Estado laico não está mais em condições de funcionar de acordo com os parâmetros definidos pela CF/88. O presidente da Câmara o transformou num Templo ao permitir que o mesmo fosse invadido por pastores evangélicos. Em razão da conivência de uma maioria parlamentar inspirada pelo temor ao pastor que pode usurpar a presidência (empregando o art. 80, da CF/88), pelo ódio irracional à presidenta Dilma Rousseff (instigado diariamente por jornalistas e por políticos inescrupulosos como Aloysio Nunes, Aécio Neves, José Serra, FHC etc...) e pela ambição de lucro pessoal daqueles que prometem entregar o Pré-Sal à exploração de companhias norte-americanas em troca de propinas, o presidente da Câmara está destruindo o Estado de Direito.

A vontade de domínio de Eduardo Cunha não encontra limite no regimento da Câmara dos Deputados nem na CF/88. De fato ele não teme nem mesmo o STF ou o MPF, dois órgãos que já ameaçou. O perigo da tirania cresce à cada dia, quer porque a oposição quer governar sem ter ganho a presidência, quer porque o presidente da Câmara dos Deputados prefere destruir o regime presidencialista à responder pelos crimes que cometeu.

A CF/88 não permite a prisão de um Deputado senão em flagrante delito (art. 53, §2º, da CF/88). Eduardo Cunha sabe disto e usa a Constituição como um escudo para poder rasgá-la sempre que desejar impor sua vontade. Dia após dia ele tenta limitar o poder da Presidenta eleita pelos brasileiros, expandir seu poder pessoal na Câmara dos Deputados, impedir o MPF de agir contra ele e liquidar o poder/dever que o STF tem para julgá-lo e para mandá-lo cumprir a Constituição.

O Estado sou eu! – diz Eduardo Cunha a cada ato que pratica. É preciso dar um basta à aleivosia deste homem não hesitará em jogar o país numa guerra civil somente para se salvar da prisão. O bem estar da população brasileira e a saúde do regime constitucional não podem ser comprometidos por ele ou por causa dele. Na verdade o atual presidente da Câmara dos Deputados é um tirano e não merece ficar ao abrigo da CF/88 que ele mesmo se esforça para rasgar. Eduardo Cunha pode e deve ser recolhido preventivamente à prisão a pedido do MPF. Ao julgar o HC dele o STF deverá ser tão lento quanto tem sido para findar o julgamento da ADI 4650.  



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    MARCO ANTONIO BORELLI

    Apoio integralmente os dizeres do autor, e reforço que não vejo nenhum problema em ver Eduardo Cunha em prisão preventiva tendo como companhia uma Brahma!!!

Livraria