Comentário à decisão da Justiça do Trabalho, que ganhou destaque no meio jurídico, ao reputar como grave o ato de um funcionário que “curtiu” no Facebook comentários feitos por outra pessoa, ofensivos à empresa em que laborava.

Em decisão proferida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, que ganhou destaque no meio jurídico, a Justiça do Trabalho reputou como grave o ato de um funcionário que “curtiu” no Facebook comentários feitos por outra pessoa, considerados ofensivos à empresa em que laborava, confirmando a validade da justa causa que lhe foi aplicada.

No entender daquele Tribunal Regional, a conduta do trabalhador caracteriza ato lesivo da honra e da boa fama contra o empregador, nos termos da letra “k” do artigo 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ainda, nos termos do voto da Juíza Relatora (autos nº 0000656-55.2013.5.15.0002), a liberdade de expressão não autoriza o empregado a promover conversas públicas, em redes sociais, que sejam consideradas ofensivas à figura do empregador e/ou de seus superiores hierárquicos.

Destarte, a partir do citado precedente judicial, cumpre salientar a importância da forma pela qual as redes sociais são utilizadas pelos empregados, sobretudo diante da dispobilidade hoje existente dos aparelhos de telefonia móveis. Isso porque o artigo 482 da CLT também traz a figura do mau procedimento (alínea “b”), que, nas palavras do Ministro do Tribunal Superior do Trabalho, Maurício Godinho Delgado, “(…) trata-se de conduta culposa do empregado que atinja a moral, sob o ponto de vista geral, excluído o sexual, prejudicando o ambiente laborativo ou as obrigações contratuais do obreiro (…)" (Curso de Direito do Trabalho, 7ª edição, Ltr, São Paulo: 2008, p. 1194).

Nesse sentido, mesmo que fora das dependências da empresa, e/ou não havendo efetiva prestação de serviços em seu proveito, o trabalhador deve respeitar os chamados “deveres anexos de conduta” decorrentes do princípio da boa-fé objetiva. Logo, como a justa causa representa a quebra da fidúcia inerente às relações trabalhistas - o que representa dizer, em última análise, a violação da própria boa-fé, que se encontra expressamente prevista no artigo 113 do Código Civil -, é certo que o mau uso das redes sociais pelos funcionários autoriza, na análise de cada caso em concreto, a rescisão do contrato de trabalho pelo empregador por justo motivo.

Em derradeiro, se configurada a justa causa, o empregado não terá direito ao aviso prévio, às férias proporcionais, ao 13º salário proporcional, ao soerguimento dos depósitos do FGTS acrescidos da indenização de 40% e aos valores referentes ao seguro-desemprego. Fará jus o trabalhador, contudo, ao saldo de salário e à indenização de férias não gozadas, simples ou em dobro, acrescidas do terço constitucional, conforme for o caso.


Autor

  • Ricardo Souza Calcini

    Professor de Direito do Trabalho em Cursos Jurídicos e de Pós-Graduação. Instrutor de Treinamentos “In Company”. Palestrante em Eventos Corporativos. Mestrando em Direito do Trabalho pela PUC/SP. Pós-Graduado em Direito Processual Civil pela EPM do TJ/SP. Especialista em Direito Social pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Assessor de Desembargador e Professor da Escola Judicial no TRT/SP da 2ª Região. Membro do IBDSCJ, da ABDPC, do CEAPRO, da ABDPro, da ABDConst, do IDA e do IBDD.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria