O texto apresenta alguns traços importantes e algumas diferenças entre a recuperação judicial e a recuperação extrajudicial.

1. Introdução.

A Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro 2005, disciplina sobre a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial e ainda sobre a falência. A recuperação judicial e a extrajudicial tem intuito de preservar a atividade empresarial e evitar a falência, com fulcro no princípio da preservação da empresa. A atividade empresarial entendida como fonte de postos de trabalho, contribuinte de tributos e incentivadora da economia, obtém através desta legislação uma proteção contra a falência que demonstra ser um meio maléfico a sociedade como um todo.

A falência pode ser requerida por qualquer credor do empresário devedor, portanto, demonstra que um empresário em situação de dificuldade econômico-financeira ou patrimonial pode estar a mercê dos efeitos da decretação da falência dentre os quais pode ser a exigibilidade antecipada dos créditos contra o devedor, a perda da administração, a disponibilidade de seus bens e ainda a inabilitação temporária para a prática da atividade empresarial que pode durar até a sentença extintiva de suas obrigações.

Os efeitos relatados no parágrafo anterior são apenas alguns dentre outros que também podem ser bastante prejudiciais a atividade empresarial e ao empresário, mas este último não tem a proteção da lei em questão e sim a atividade empresarial. Por estes motivos a recuperação judicial e a recuperação extrajudicial pode ser a saída mais benéfica para a reorganização da empresa, a manutenção da de postos de trabalho, arrecadação de impostos, ou seja, a continuação da atividade produtiva que é o que mais interessa a sociedade.

 

2. Controvérsia a respeito do juízo competente.

            O art. 03º da Lei nº 11.101/05, estabelece o juízo competente para homologar a recuperação extrajudicial, ajuizar a ação de recuperação e a decretação da falência, como está transcrito a seguir:

Art. 3o É competente para homologar o plano de recuperação extrajudicial, deferir a recuperação judicial ou decretar a falência o juízo do local do principal estabelecimento do devedor ou da filial de empresa que tenha sede fora do Brasil.

Existem algumas correntes que divergem sobre o juízo competente, a primeira aduz que o principal estabelecimento é a sede estatutária ou contratual que é conhecido popularmente como matriz; a segunda corrente disciplina que o principal estabelecimento é a sede administrativa onde ocorre organização, o planejamento e as tomadas de decisões que regem a atividade comercial; a terceira e majoritária corrente leva em consideração a perspectiva material do termo estabelecimento principal, tendo em vista a sua importância econômica disciplinando que o estabelecimento principal é o que é composto pelo mais complexo de bens conjuntamente com o maior volume de negócios. Saliento que o entendimento do STJ e STF segue harmoniosamente de acordo com a terceira corrente.

 

3. Requisitos para promover a recuperação judicial.

O art. 48 da Lei nº 11.101/05 estipula os requisitos para a ação em questão, em que aduz:

“Poderá requerer recuperação judicial o devedor que, no momento do pedido, exerça regularmente suas atividades há mais de 02 (dois) anos e que atenda aos seguintes requisitos, cumulativamente: I - não ser falido e, se o foi, estejam declaradas extintas, por sentença transitada em julgado, as responsabilidades daí decorrentes; II - não ter, há menos de 05 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial; III – revogado; III - não ter, há menos de 05 (cinco) anos, obtido concessão de recuperação judicial com base no plano especial de que trata a Seção V deste Capítulo; IV - não ter sido condenado ou não ter, como administrador ou sócio controlador, pessoa condenada por qualquer dos crimes previstos nesta Lei”.

O § 1º do referido artigo disciplina quem pode, além do devedor, requerer a recuperação judicial, “também poderá ser requerida pelo cônjuge sobrevivente, herdeiros do devedor, inventariante ou sócio remanescente”.

           

4. Recuperação judicial x Recuperação extrajudicial.

            No item anterior destacamos os requisitos e quem pode promover a recuperação judicial, de antemão ressalto que esta é a primeira diferença entre recuperação judicial e a extrajudicial, tendo em vista que esta última é iniciada fora do judiciário.

            Na recuperação judicial o empresário devedor ou as pessoas elencadas no § 1º do art. 48 da Lei nº 11.101/05, peticionam ao juízo competente apresentado os documentos listados no art. 51 da mesma lei, em caso de todos os documentos estiverem corretos o juiz poderá deferir o processamento da recuperação judicial, mas apenas se o mesmo entender pela viabilidade da recuperação da empresa e caso entenda pela inviabilidade da recuperação, poderá o juiz decretar desde logo a falência.

            Na recuperação extrajudicial o devedor convocará e negociará diretamente com os credores, podendo organizar um planejamento para superação da crise econômico-financeira o qual deverá ser aprovado por no mínimo 3/5 dos credores, essa negociação deverá ser reduzida a termo de acordo, o qual deverá ser apreciado pelo juízo para decisão que pode versar sobre a homologação ou não homologação do acordo, ou seja, o juiz não está obrigado a homologar a negociação, assim como, na recuperação judicial o juiz poderá decretar a falência caso entenda pela inviabilidade da recuperação extrajudicial.

            Uma segunda diferença entre os dois procedimentos é o custo do procedimento judicial muito mais elevado, como exemplo destes custos temos a remuneração do administrador judicial, figura esta não necessária à recuperação extrajudicial. Outro fator importante é a celeridade do procedimento extrajudicial, como exemplo, desta celeridade, tem o fato da não obrigatoriedade da participação do Ministério Público.

            Dentre outras, eis uma das diferenças que acredito ser uma vantagem, que é a falta de penalidade de descumprimento do acordo extrajudicial, ou seja, se a empresa recuperanda não cumprir com o disposto no plano de recuperação judicial, o juiz poderá decretar a falência o que não acontecerá se o mesmo ocorrer no plano de recuperação extrajudicial, trazendo uma maior tranquilidade ao empresário que tenta uma superação de crise.

            O pedido de homologação do plano de recuperação extrajudicial não acarreta suspensão de direitos, ações ou execuções, visto que tal disposição foi destinada apenas a recuperação judicial diferentemente do que acontece na recuperação judicial.

            Embora este ponto seja uma semelhança e não uma diferença convém relatar que a legitimidade ativa é a mesma da recuperação judicial, e que por falta de previsão legal, podemos também, por analogia ao art. 48 da Lei nº 11.101/05, avaliar como legítimos as pessoas elencadas no § 1º do mesmo artigo.

 

5. O plano de recuperação judicial e o plano de recuperação extrajudicial

Conforme o caput e incisos I, II e III do art. 53 da Lei nº 11.101/05, o plano de recuperação judicial deverá ser apresentado no prazo de 60 (sessenta) dias a partir da data do deferimento do processamento da recuperação judicial e deverá conter; discriminação pormenorizada dos meios de recuperação a ser empregados; demonstração de sua viabilidade econômica; laudo econômico-financeiro e de avaliação dos bens e ativos do devedor, subscrito por profissional legalmente habilitado ou empresa especializada.

Antes da apresentação do plano de recuperação extrajudicial é necessário escolher a modalidade pelo qual o procedimento irá acontecer, podendo ser compulsória ou voluntária. Escolhido a modalidade e após a conclusão do acordo, o plano de recuperação extrajudicial deverá ser apresentado contendo todos os termos e condições, assim como, especificar os meios de consecução que serão utilizados na recuperação, o plano também obrigará as partes ao seu cumprimento e para que algumas das partes sejam desvinculadas será necessária a anuência dos demais signatários, sendo que produzirá efeitos após a homologação.

 

6. Conclusão.

Entendo que a Lei 11.101 de 09 de fevereiro de 2005 trouxe grandes avanços para o Direito Brasileiro, principalmente para o empresariado que hoje tem a disposição uma ferramenta mais eficiente e mais benéfica que a falência e concordata, esta ferramenta ainda pode ser dividida em duas modalidades que são a judicial e a extrajudicial. Esta última parece ser a mais vantajosa entre todas que relatei aqui, pois, visa a resolução de um conflito de interesses sem causar maiores custos ao empresário e com uma economia processual que favorece o judiciário como um todo.

 

 

Referências

BAUTZER, Tatiana. Poucas empresas em recuperação judicial se salvam no Brasil. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1056/noticias/a-intencao-era-boa> Acesso em 26 de maio de 2015.

 

COELHO, Fábio Ulhoa. Comentários à lei de falências e de recuperação de empresas. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

CRUZ, Renato Schenkel da. Da recuperação extrajudicial. Disponível em: < http://www.garrastazu.adv.br/direito-civel-e-empresarial/2013/06/da-recuperacao-extrajudicial/> Acesso em 28 de agosto de 2015.

 

FERREIRA, Gecivaldo Vasconcelos. A polêmica conceituação de principal estabelecimento para fins de falência e recuperação de empresas. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 726, 1 jul. 2005. Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/6941>. Acesso em: 31 ago. 2015.

 

GUIMARÃES, M. C. M. Entraves à eficácia da lei de recuperação de empresas em crise. Como superá-los? Revista da Faculdade de Direito da UFMG, Belo Horizonte, nº 50, p. 265-280, 2007.

 

LIMA, Renata Albuquerque. A atuação do estado brasileiro e a crise empresarial na perspectiva da lei de falências e de recuperação de empresas. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2014.

 

MATOS, Daniel Oliveira. Recuperação extrajudicial de empresas. Disponível em: < http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=10243>. Acesso em: 28 de agosto de 2015.

 

RAMOS, André Luiz Santa Cruz. Direito empresarial esquematizado. 3. ed. São Paulo: Método, 2013.

 

TADDEI, Marcelo Gazzi. Alguns aspectos polêmicos da recuperação judicial. Disponível em: < http://ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=7690> Acesso em 28 de agosto de 2015.

 

TOMAZETTE, Marlon. Curso de direito empresarial. Falência e recuperação de empresas. Vol. 3. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0