Vamos tratar neste artigo do lançamento tributário, por meio do seu conceito, finalidade e modalidades.

Toda vez que ocorre um fato gerador que consta na hipótese de incidência, nasce a obrigação tributária.
A relação tributária é composta de uma relação jurídica entre o particular (sujeito passivo) e o Estado (sujeito ativo).
Não basta o nascimento da obrigação tributária para que autoridade administrativa possa cobrar o sujeito passivo, o CTN determina o que a administração pública deve fazer para que a obrigação se materialize, formalizando os elementos da obrigação tributária e formando o crédito tributário.

Diante disso a primeira regra, diz que autoridade administrativa, quando tem ciência do fato gerador, tem de constituir o crédito tributário por meio do lançamento.
O lançamento é um procedimento administrativo tendente a cumprir as finalidades de verificar a ocorrência do fato gerador descrito na norma, e que enseja o nascimento da obrigação tributária.
Havendo a constituição do liame obrigacional é possível se falar em quantificação e qualificação da obrigação tributária, por meio do lançamento transforma a obrigação em crédito tributário.

Finalidades ou funções do lançamento


O artigo 142 do CTN verifica as finalidades ou funções do lançamento:

- a ocorrência da obrigação tributária, reproduz o espectro material de incidência, que permite a verificação do na debeatur (o “se devido);
- quantificar o montante a ser pago, permite a aferição do quanto devido, assim o lançamento torna o crédito tributário, antes inexigível e iíquido, em crédito exigível e liquido;
- identificar o sujeito passivo;
- propor quando for o caso,a aplicação da penalidade cabível, como veiculo hábil à exigibilidade das sanções cobradas em virtude do desdobramento da obrigação tributária.
 

Quando o lançamento é feito e notificado ao sujeito passivo, este deve pagar o tributo no prazo legalmente assinalado, sob pena de o sujeito ativo prosseguir com as medidas legais tendentes à satisfação de seu direito, inclusive mediante coerção judicial.


Existe também outra situação em que a lei cria ao sujeito passivo o dever de efetuar o pagamento, e independente de o sujeito ativo proceder ao lançamento, a omissão do sujeito passivo já o coloca em mora.
Nessas hipóteses, o sujeito passivo, além do tributo, sofre a aplicação das penalidades que a lei comine para sancionar sua omissão.
Diante das palavras do autor Luciano Amaro “O CTN assumiu a premissa de que o lançamento é sempre necessário. Por isso, mesmo nos casos em que o sujeito passivo, atento ao seu dever legal, efetue corretamente antes o pagamento de qualquer providencia do sujeito ativo, o Código exige a prática do lançamento a posteriori, mediante homologação expressa, por parte do sujeito ativo. Prevendo a alta probabilidade de omissão do sujeito ativo, no que respeita a pratica desse ato de homologação , o Código criou a homologação tácita, pelo mero decurso de certo prazo “.

O lançamento
De acordo com o autor Eduardo Sabbag “o lançamento é um procedimento adminstrativo “.
Ainda para o mencionado autor “é defensável a natureza jurídica mista ou dúplice para o lançamento, isto é, constitutiva do crédito tributário e declaratória da obrigação tributária “. A doutrina se divide quanto ao lançamento ser um ato ou procedimento administrativo.
O ato administrativo tem como características a presunção de legalidade, obrigatório ( o particular deve obedecer), exigível (a administração publica deve exigir) e executável.
De fato a autoridade administrativa tem o dever de lançar, e não o mero “poder”, assim deve-se fiar as imposições da lei, não cabendo a autoridade furtar-se à realização do ato de cobrança.
Por exemplo, se recebo um carnê do IPTU e considero que o valor está errado, sou obrigada a pagar aquele valor. Caso contrário, devo tomar alguma providência, pois a administração pode exigir aquele valor e executar.  Portanto, devo fazer algo para aquela exigibilidade não produza efeitos.
Porém, o lançamento deve ser notificado.  O lançamento não notificado não produz qualquer efeito.O crédito nasceu, a obrigação nasceu, mas a exigibilidade só nasce com o lançamento regularmente notificado.

Modalidades de lançamento

Segundo Eduardo Sabbag “ O lançamento é procedimento privativo do Fisco. O que pode ocorrer, em seu processamento, é um auxilio maior ou menor do contribuinte no ato de constituição do crédito tributário”

Há três espécies de lançamento em que o CTN e a doutrina tratam :

  1. Direito ou de ofício – É apenas o ato da autoridade administrativa.
    A matéria está disciplinada no artigo 149 do CTN.
    O fisco dispondo de dados suficientes em seus registros para efetuar a cobrança do tributo, realiza-o, dispensando o auxilio do contribuinte.

É de ofício por imposição legal (IPTU e IPVA) ou ele é de ofício por omissão do contribuinte.
De acordo com Eduardo Sabbag “ o lançamento direto ou de ofício é procedimento constitutivo do crédito de iniciativa da Administração”

2- POR DECLARAÇÃO : ocorre quando a legislação estabelece que o contribuinte deve prestar informações para que o Fisco conclua o lançamento com base na declaração dada pelo sujeito passivo, a qual presta informações necessárias para a fatura do lançamento proporcionalmente dito.
Configura a constituição do crédito tributário, e ocorre a partir das informações prestadas pelo devedor quanto ao fato gerador.
Nas palavras de Eduardo Sabbag “ se o sujeito passivo tem que prestar declaração com informações sobre matéria de fato, indispensáveis à sua efetivação, para só então o Fisco proceder ao lançamento, notificando o sujeito passivo, está se diante da modalidade de “lançamento por declaração “ .

Neste tipo de lançamento, é adequado mencionar a possibilidade de retificação da declaração, por iniciativa do próprio declarante. Quando visa reduzir ou excluir o tributo, só será possível por meio de comprovação por erro, ou antes de notificado o lançamento.
Quando for para retificar a declaração visando aumentar o tributo, poderá fazê-lo após a notificação.
Portanto o lançamento misto é um procedimento constitutivo do crédito de iniciativa da Administração.

Necessariamente tem a configuração de que o contribuinte presta a informação, mas ele não conclui o lançamento. Por isso também é chamado de lançamento misto, conta com a participação necessária do Fisco e do contribuinte.

 Ex: declaração de bagagem acompanhada (nos aviões). Tem dados pessoais, perguntas, relação de bens (quantidade, descrição e valor). Faz isso para que incida tributo. Quando ingressou com produto no outro país, praticou o fato gerador do imposto de importação. Porque declara isso? Está formalizando o surgimento de uma obrigação tributária quando ingressou no território nacional com uma mercadoria adquirida no exterior.

E no campo de “Para uso oficial” vai analisar a sua declaração e verificar as compras, o valor declarado (fiscaliza) e aí vai colocar o cálculo do imposto que tem que pagar, paga e sai com a mercadoria. Somente não paga imposto de importação de mercadoria estrangeira se estiver dentro da faixa de isenção, que é 500 dólares.

Para Luciano Amaro “ a declaração, configura uma obrigação formal ou instrumental (obrigação acessória), do sujeito passivo (ou de terceiro, por exemplo).

3- Autolançamento ou por homologação De acordo com Luciano Amaro “Esse lançamento, logra aplicação nas hipóteses em que a lei tributária determine ao sujeito passivo que antecipe o pagamento, sem prévio exame do credor. Ora, nas outras modalidades de lançamento não já prévio exame; o que há é prévio lançamento. Aqui, portanto, o que se deveria dizer que é que o pagamento se faz sem prévio lançamento”

Está previsto no artigo 150 CTN.
O próprio contribuinte identifica o fato gerador, quantifica quanto tem que pagar, declara e paga.
O artigo diz que a lei pode atribuir ao sujeito passivo o dever de pagar antecipadamente o tributo.
Esse dever depende de que o sujeito passivo confesse qual foi o fato gerador, qual foi a obrigação que nasceu, e que quantifique. Então, o sujeito passivo preenche uma declaração, uma guia qualquer, mas acompanha essa declaração o pagamento.
A autoridade administrativa tem a obrigação de conferir se o valor está certo. Assim a autoridade tem o dever de lançar, porém o lançamento que a autoridade faz é de ofício.
Caso o contribuinte tenha pago corretamente, a autoridade administrativa irá homologar o pagamento. A homologação portanto é quanto ao pagamento, e não quanto ao lançamento.
A autoridade efetua o ato da legalidade, e quando efetuado através de um ato administrativo, se chama ato de homologação, que pode ser expressa ou tácita.
Por outro lado, ao efetuar o controle de legalidade, se a autoridade administrativa verificar que o sujeito passivo não fez tudo certo, a autoridade administrativa deverá lançar. Porém esse lançamento não é por homologação, e sim lançamento de oficio. Aquilo que não foi declarado, que não foi pago, tem de ser objeto de outro ato da autoridade administrativa, no caso, o lançamento de ofício.
 

A jurisprudência entende que uma vez declarado pelo sujeito passivo, essa declaração é uma confissão.
 

A homologação é condição para se extinguir o crédito, se não houver a homologação, o crédito não se extingue.
 

Se a lei não disser o prazo para homologação, será de 5 anos a contar da ocorrência do fato gerador. Expirado o prazo, sem que a fazenda tenha se pronunciado, considera-se homologado e extinto o crédito, salvo se comprovada a ocorrência do dolo, fraude ou a simulação.Trata-se de prazo decadencial, não podendo mais lançar após o prazo de 5 anos, o fisco não pode mais exigir.
 

Por isso, o lançamento por homologação é um procedimento constitutivo do crédito de iniciativa do contribuinte.

Pelos ensinamentos de Eduardo Sabbag “a semelhança do lançamento misto ou por declaração, com o lançamento por homologação, tem-se a primeira providencia tomada pelo sujeito passivo. Entretanto, enquanto naquele lançamento tal ato tem cunho informativo (declaração), neste a ação preambular tem cunha pecuniário (pagamento) “.

Não dá para diferenciar o lançamento por declaração e o por homologação pelo momento da declaração, porque ambos fazem. Só vai diferenciar no momento da APURAÇÃO.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0