Trata-se de um artigo que fala sobre as teorias da posse.

Duas são as teorias principais que versam sobre a posse, a teoria subjetiva de Savigny e a teoria objetiva de Ihering.

Para a teoria subjetiva, a posse é a conjugação de dois elementos, representado pela seguinte fórmula: “posse = corpus + animus”. Logo, só haverá posse quando, ao elemento material (poder físico sobre a coisa ou a mera possibilidade de exercer esse contato), vem a juntar-se o elemento espiritual ou anímico (intenção de tê-la como sua).

Por sua vez a teoria objetiva contenta-se com o “corpus”, pois o “animus” já está incluso naquele. A posse é a exteriorização do domínio, a conduta de dono, a visibilidade da propriedade, e não o poder físico sobre a coisa.

O elemento psíquico não se situa na intenção do dono, mas no agir habitualmente como proprietário (affectio tenendi), independentemente de querer ser dono (animus domini). Para a teoria objetiva, um obstáculo legal, uma vedação decorrente de lei, torna a posse mera detenção.

A detenção, assim, é a posse degradada.

Para a teoria subjetiva, os elementos “corpus” e “animus” são indispensáveis, pois, se faltar um deles, inexiste posse, mas há apenas mera detenção.

Por conseguinte, a posse não se confunde com a detenção, e a teoria objetiva não os equivale. Consequentemente, o detentor não é possuidor. Pela inteligência do art. 1.198, do Código Civil, “Considera-se detentor aquele que achando-se em relação de dependência para com outro, conserva a posse em nome deste e em cumprimento de ordens ou instruções suas. Parágrafo único. Aquele que começou a comportar-se do modo como prescreve este artigo, em relação ao bem e à outra pessoa, presume-se detentor, até que prove em contrário.”

Nas lições de Maria Helena Diniz, o detentor, fâmulo da posse, gestor da posse, detentor dependente ou servidor da posse, tem a coisa apenas em virtude de uma situação de dependência econômica ou de um vínculo de subordinação (ato de mera custódia). O detentor exerce a coisa não uma posse própria, mas uma posse em nome de outrem. Como não tem posse, não lhe assiste o direito de invocar em nome próprio, as ações possessórias.

Contudo é possível que o detentor defenda a posse alheia por meio da auto defesa, disciplina o art. 1.210, §1º, CC, pois tem a posse natural, que se baseia na simples detenção ou mera custódia. A respeito, diz o Enunciado 493, do CJF: “O detentor (art. 1.198 do Código Civil) pode, no interesse do possuidor, exercer a autodefesa do bem sob seu poder.” 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria