Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Atual legitimidade ativa do empresário individual perante os Juizados Especiais Cíveis (pós LC 147/14)

Com o advento da Lei Complementar 147 de 2014, o rol de legitimados a propor ação perante os juizados foi, de certa forma, restringido. Sendo assim, atualmente não há mais espaço para a propositura de ação por qualquer empresário individual.

Com o advento da Lei Complementar 147 de 2014, o rol de legitimados a propor ação perante os juizados foi, de certa forma, restringido, isso porque infligiu-se ao art. 8º, da Lei 9.099/95, alteração para que passasse a finalmente elencar taxativamente todas pessoas capazes de deflagrar a jurisdição nos juizados especiais cíveis. A corrente, outrora aceita por parte da doutrina e da jurisprudência, no sentido de que qualquer empresário individual é autorizado a litigar nos JEC como autor da demanda hoje está superada e sepultada pela LC 147, a saber:

É o inciso II do referido artigo que nos interessa neste momento:


           Art. 8º, § 1º - Somente serão admitidas a propor ação perante o Juizado Especial:


II - as pessoas enquadradas como microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte na forma da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006; (Redação dada pela Lei Complementar nº 147, de 2014)

Interpretando este dispositivo, obtemos que somente os microempreendedores individuais, as microempresas e as empresas de pequeno porte são legitimados à propositura de ação perante os juizados; a contrario sensu, quem não se emoldura nesses conceitos não possui autorização legal para aqui demandar como autor.


Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. É, em outras palavras, o pequeno empresário individual (v. art. 18-A da LC 123/06).


Consideram-se microempresas ou empresas de pequeno porte, a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresário a que se refere o art. 966 do Código Civil (empresário individual), devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas, conforme o caso, desde que, no caso da microempresa, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais); e, no caso da empresa de pequeno porte, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) – v. art. 3º da lei complementar 123/06. 

O empresário ou a sociedade se enquadra numa dessas situações mediante arquivamento de declaração procedida, junto à Junta Comercial, pelo empresário ou sociedade, em instrumento específico para essa finalidade. Feito o arquivamento, a qualificação passa a ser indicada nas fichas cadastrais públicas da pessoa.

Percebe-se hoje que efetivamente a lei 9.099/95 não foi criada para favorecer titulares de atividade empresarial de grande porte, ainda que individuais. Não podemos desvirtuar a finalidade da lei.

Destarte, o pleito de requerentes empresários individuais que não sejam qualificados como microempreendedores, ME ou EPP encontra óbice no art. 8º, II, da lei 9.099/95, devendo ser extinto sem julgamento de mérito, nos termos do art. 51, IV, da mesma lei.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!