O seguro desemprego é um benefício que integra a seguridade social. Tem como finalidade prover uma assistência financeira temporária ao trabalhador dispensado involuntariamente.

O seguro desemprego é um beneficio que integra a seguridade social. Tem como finalidade prover uma assistência financeira temporária ao trabalhador dispensado involuntariamente. O benefício permite uma assistência financeira temporária, conforme o valor do último salário do trabalhador até um determinado limite a ser calculado.

Recentemente foi realizada uma alteração na Lei nº13.134 do seguro desemprego, sancionada pela presidente Dilma Rousseff e publicada no dia 17 de Junho de 2015. Essa alteração faz com que a lei passe a ser mais rígida, pois foram alteradas as normas de acesso ao beneficio. As novas normas foram propostas por meio de Medida Provisória pelo Governo Federal e aprovadas pelo Congresso Nacional.

Antes da alteração, o trabalhador poderia solicitar o seguro-desemprego após trabalhar 6 meses, o trabalhador recebia três parcelas se estivesse trabalhado entre 6 e 11 meses. Para receber quatro, ele teria que ter trabalhado entre 12 e 23 meses e para receber cinco parcelas teria que ter trabalhado pelo menos 24 meses.

          Atualmente para ter direito a primeira solicitação do benefício o trabalhador deve comprovar o recebimento de salários de pessoa física ou jurídica a ela equiparada em pelo menos 12 meses consecutivos ou não, nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à data da dispensa, para receber quatro parcelas o trabalhador deve ter trabalhado de 12 a 23 meses consecutivos ou não, nos últimos 36 meses; para receber cinco parcelas deve-se ter trabalhado no mínimo 24 meses consecutivos ou não nos últimos 36 meses.

           Na segunda solicitação, o trabalhador deve comprovar o recebimento de salários de pessoa física ou jurídica a ela equiparada a 9 meses consecutivos ou não, nos últimos 12 meses imediatamente anteriores à data da dispensa. Já em relação as parcelas terá direito a 3 parcelas o trabalhador que comprovar vínculo empregatício de 9 a 11 meses consecutivos ou não, nos últimos 36 meses; Para receber 4 parcelas do benefício o trabalhador deve comprovar ter trabalhado de 12 a 23 meses consecutivos ou não, nos últimos 36 meses; Para receber 5 parcelas o trabalhador deverá ter trabalhado no mínimo 24 meses consecutivos ou não nos últimos 36 meses.

     A partir da terceira solicitação do seguro desemprego o trabalhador deve comprovar o recebimento de salários de pessoa física ou jurídica a ela equiparada em pelo menos 6 meses imediatamente anteriores à data da dispensa. Terá direito a 3 parcelas o trabalhador que comprovar ter trabalhado no min 6 meses e no máximo 11 consecutivos ou não, nos últimos 36 meses; para o recebimento de 4 ou 5 parcelas fica valido o mesmo tempo de trabalho necessário na segunda solicitação do benefício.

            O governo também aumentou a carência do tempo de carteira assinada do trabalhador que tem direito a receber o abono salarial. Antes, quem trabalhava somente um mês e recebia até dois salários mínimos tinha acesso ao benefício. Hoje, o tempo é de, no mínimo, seis meses ininterruptos. Outra mudança é o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorria antes com o décimo terceiro salário, já que, pela regra atual, o benefício era pago igualmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado.

Também foram alteradas as regras para a concessão do seguro-desemprego do pescador artesanal, conhecido como seguro-defeso. Agora o governo impede o acúmulo de benefícios assistenciais e previdenciários com o seguro. O benefício de um salário mínimo é pago aos pescadores que exercem a atividade de forma exclusiva durante o período em que a pesca é proibida, visando à reprodução dos peixes.

Segundo a medida, para receber o benefício haverá uma carência de três anos a partir da obtenção do registro de pescador. Hoje a carência é um ano. O beneficiário também terá que ter contribuído pelo período mínimo de um ano para a Previdência Social.

Além disso, a concessão do benefício não será extensível às atividades de apoio à pesca e nem aos familiares do pescador profissional que não satisfaçam os requisitos e as condições estabelecidos na MP. O pescador profissional artesanal também não fará jus a mais de um benefício de seguro-desemprego no mesmo ano decorrente de defesos relativos a espécies distintas.

Para analisar se essas mudanças trazem benefícios ou malefícios, vamos abordar de modo geral (sociedade) e não somente os desempregados, que obviamente são prejudicados por ter um acesso mais difícil ao beneficio.

            As mudanças possuem pontos positivos e negativos, sendo assim não são vantajosas e nem desvantajosas, pois, a o mesmo tempo que é uma maneira do governo fazer ajustes para equilíbrio financeiro, também é uma maneira de fazer que muitos trabalhadores ao serem demitidos não consigam se beneficiar do seguro-desemprego.  

 Um ponto positivo é que com essa alteração o governo cortara uma boa parte dos gastos com esse beneficio, pois haverá uma grande diminuição na quantidade de beneficiários, segundo a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho emprego (MTE) a expectativa do governo é que seja reduzido R$ 6,4 bilhões de gastos com o seguro desemprego, isso possibilitará que o governo consiga seu objetivo que é garantir o equilíbrio do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT);

Outro ponto positivo é que inibira a ação de muitos trabalhadores que visam somente o recebimento do beneficio, que optam por trabalhar apenas seis meses e solicitar o seguro desemprego usando de uma certa “malandragem” para com o governo;

O ponto negativo é que nem todos trabalhadores usam essa “malandragem” citada acima, e são prejudicados quando são demitidos sem terem alcançado o prazo necessário para que possa solicitar o beneficio e ficam sem renda nenhuma até que consigam encontrar outro trabalho;

Também há como ponto positivo o veto do artigo 4º da MP 665, pois dificultava o acesso ao abono salarial, sendo necessário que o trabalhador houvesse trabalhado 90 dias no ano-base, agora com o veto o trabalhador precisa ter trabalhado apenas 30 dias no ano-base, como era antes.

Segundo o Advogado trabalhista Danilo Pieri Pereira em entrevista para a revista Dedução, essa mudança poderá acarretar consequências como: aumento da informalidade, precarização dos direitos trabalhistas e crescimento da crise econômica, em razão da diminuição do poder de compra de boa parte da população.

A diminuição do poder de compra citada por Danilo se deve ao fato de boa parte do dinheiro que seria destinado ao trabalhador assalariado por meio do beneficio do seguro-desemprego agora fica nas mãos do governo que se tudo ocorrer bem, ira ser usado para equilibrar o FAT.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso