Ainda cabe suspensão do processo e do curso do prazo prescricional previsto no art. 366 do Código de Processo Penal após a edição da Lei n. 11.719/2008?

Os tribunais superiores ainda reconhecem a vigência da suspensão do processo e do curso do prazo prescricional quando o acusado, citado por edital, não comparece, nem constituiu defensor, mesmo após as alterações determinadas pela Lei n. 11.719/2008 (STF: HC 124.681, 1ª Turma, rel. Min. Marco Aurélio, julg. 24/03/2015, e HC 121.358, 2ª Turma, rel. Min. Gilmar Mendes, julg. 07/10/2014; STJ: REsp 1.389.922, 5ª Turma, rel. Min. Moura Ribeiro, julg. 05/08/2014; e HC 161.635, 6ª Turma, rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julg. 14/05/2013). Tanto que o STJ editou a Súmula n. 415 (DJE 16/12/2009), pressupondo-se que continua vigendo o art. 366 do CPP, mesmo após a Lei 11.719/2008: “O período de suspensão do prazo prescricional é regulado pelo máximo da pena cominada”.

No entanto, esses julgados não esclarecem satisfatoriamente as seguintes questões: a) Para fins do art. 366 do CPP, atualmente o acusado é citado para comparecer a qual ato processual? (antes da Lei n. 11.719/2008 era para ser interrogado); b) Qual o termo a quo para esse comparecimento?

Antes da Lei n. 11.719/2008, o primeiro ato envolvendo a defesa era a qualificação e interrogatório do réu (art. 185 do CPP, mesmo com alteração da Lei 10.792/2003). Assim, o denunciado era citado para comparecer em juízo para ser qualificado e interrogado (redação antiga do art. 394 do CPP: “O juiz, ao receber a queixa ou denúncia, designará dia e hora para o interrogatório, ordenando a citação do réu e a notificação do Ministério Público e, se for caso, do querelante ou do assistente.”). Inclusive o mandado de citação devia indicar o juízo e o lugar, o dia e a hora em que o réu deveria comparecer (art. 352, VI, do CPP). Não sendo encontrado, o acusado era citado por edital e, não comparecendo, nem constituindo advogado, justificava-se a suspensão do processo e do curso do prazo prescricional, nos termos do art. 366 do CPP (alterado pela Lei n. 9.271/1996).

Com a vigência da Lei n. 11.719/2008, o primeiro ato da defesa deixou de ser o interrogatório do acusado e passou a ser a resposta escrita à acusação (art. 396). O art. 394 não faz mais referência ao interrogatório e agora apenas classifica os procedimentos. Dessa forma, os arts. 185 e 352, VI, do CPP perderam sentido, pois o denunciado não é mais citado para comparecer em juízo e ser interrogado, mas para responder à acusação, por advogado.

Mesmo que o “não comparecer” do art. 366 pudesse ser lido como “não apresentar resposta à acusação”, “o prazo para a defesa começará a fluir a partir do comparecimento pessoal do acusado ou do defensor constituído”, conforme parágrafo único do art. 396 do CPP.

Então, se o prazo inicia-se apenas com o comparecimento pessoal, não há preclusão pelo simples decurso do prazo do edital, que autorize a suspensão do processo e, principalmente, a do curso prescricional.

Atente-se que o § 4º do art. 363 do CPP dispõe que “comparecendo o acusado citado por edital, em qualquer tempo, o processo observará”, exatamente, “o disposto nos arts. 394 e seguintes” do Código de Processo Penal, que trata do novo procedimento (iniciado com a resposta à acusação, não com interrogatório).

Não se desconhece que o art. 366 teria redação alterada pelo Projeto de Lei que deu origem à Lei n. 11.719/2008 e trataria de motivo de citação editalícia. A suspensão do curso do prazo prescricional seria previsto no art. 363, § 2º, o qual foi vetado, pois não haveria, “concomitantemente, a previsão de suspensão do curso do processo, que existe na atual redação do art. 366 do Código de Processo Penal”. Ou seja, o projeto não fazia referência à suspensão do processo, o que “levaria à tramitação do processo à revelia do acusado, contrariando os ensinamentos da melhor doutrina e jurisprudência processual penal brasileira e atacando frontalmente os princípios constitucionais da proporcionalidade, da ampla defesa e do contraditório”, de acordo com as razões do veto.

Assim, foram vetadas as alterações do § 2º do art. 363 e do art. 366, “a fim de se assegurar vigência ao comando legal atual, qual seja, a suspensão do processo e do prazo prescricional na hipótese do réu citado por edital que não comparecer e tampouco indicar defensor.” Esse veto presidencial gerou uma desarmonia legislativa. Entretanto, não cabem interpretações destoantes daquilo que foi aprovado em mantido na na lei, sobretudo se causar prejuízo o réu. E a suspensão da prescrição é prejudicial ao acusado.

Embora a intenção fosse manter a suspensão do processo, o procedimento novo vigente determina que o prazo para o acusado citado por edital praticar seu primeiro ato no processo começa de seu comparecimento pessoal. Se o prazo não foi iniciado (com o comparecimento do acusado), evidente que não há termo ad quem e o réu não pode sofrer sanção jurídica desfavorável.

A estrita aplicação da norma legal do parágrafo único do art. 396 do CPP é corolário do princípio constitucional do devido processo legal (art. 5º, LIV), com os tradicionais critérios do “favor rei” e “in dubio pro reo”. Portanto, numa interpretação sistêmica, não seria absurdo nem teratológico afirmar que a reforma promovida pela Lei n. 11.719/2008 tornou a aplicação da regra do art. 366 do Código de Processo Penal incompatível com o disposto no art. 396, parágrafo único, da mesma lei.


Autor


Informações sobre o texto

Cuida-se a incompatibilidade do art. 366 com o parágrafo único do art. 396 do CPP.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria