Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Pode a polícia entrar no domicílio sem o mandado de busca e apreensão?

Entenda quais os seus direitos

O presente artigo tem como finalidade esclarecer quais as hipóteses em que a polícia poderá ingressar na casa de alguém para cumprir mandado de busca e apreensão de objetos provenientes da prática criminosa.

A regra geral é que não pode a Autoridade Policial entrar no domicílio de alguém, quem quer que seja, pois impera o princípio da inviolabilidade do domicílio (art. 5º, inciso XI, CF/88).

A casa é asilo inviolável do indivíduo ninguém podendo nela entrar, salvo nos casos estritamente previstos na Constituição ou com o consentimento do morador (art. 5º).

Desta forma, a Constituição Federal traz as exceções à regra geral, em que a autoridade poderá ingressar na residência de qualquer pessoa, nos casos de: a) flagrante delito; b) desastre; c) para prestar socorro, ou; d) durante o dia, por determinação judicial (art. 5º, inciso XI, CF/88).

Trata-se de um direito fundamental garantido pela Constituição Federal de 1988 em favor do cidadão. Assim, somente nas exceções previstas é que poderá adentrar a Autoridade sem o consentimento do morador.

Uma das exceções está no fato de que a Autoridade Policial somente poderá entrar no domicílio de uma pessoa durante o dia e com determinação judicial expedida pelo juiz competente, ou seja, na posse do mandado de busca e apreensão domiciliar.

Caso a Polícia, civil ou militar, adentre na residência sem esta observância, responde pelo crime de abuso de autoridade, nos termos do art. 3º, “b”, da Lei nº. 4.898/65.

O mandado de busca e apreensão domiciliar está previsto no art. 240, §1º, do CPP, segundo o qual, pode-se proceder à busca domiciliar para: a) prender criminosos; b) apreender coisas achadas ou obtidas por meios criminosos; c) apreender instrumentos de falsificação ou de contrafação e objetos falsificados ou contrafeitos; d) apreender armas e munições, instrumentos utilizados na prática de crime ou destinados a fim delituoso; e) descobrir objetos necessários à prova de infração ou à defesa do réu; f) apreender cartas, abertas ou não, destinadas ao acusado ou em seu poder, quando haja suspeita de que o conhecimento do seu conteúdo possa ser útil à elucidação do fato; g) apreender pessoas vítimas de crimes; h) colher qualquer elemento de convicção.

O conceito de dia e noite, para que todos possam entender, segundo a doutrina majoritária, compreende o período que vai das 06h00 às 18h00. Este período é o do início da diligência, não importando a hora do término.

Já o conceito de domicílio está amparado no art. 150, §4º e §5º, do Código Penal Brasileiro. Compreende qualquer compartimento habitado ou aposento ocupado de habitação coletiva ou ainda compartimento não aberto ao público, onde alguém exerce a sua atividade. Exemplo: hotel quando ocupado, pensão, república, cabine do caminhão para dormir, escritório ou consultório.

Todavia, o plenário do STF, no o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 603616,  com repercussão geral reconhecida, e, por maioria de votos, firmou a tese de que “a entrada forçada em domicílio sem mandado judicial só é lícita, mesmo em período noturno, quando amparada em fundadas razões, devidamente justificadas a posteriori, que indiquem que dentro da casa ocorre situação de flagrante delito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade dos atos praticados”.

Portanto, mesmo diante da decisão do STF, segundo a qual a autoridade policial poderá adentrar na residência sem o mandado somente nos casos em flagrante delito, sempre será necessária a determinação judicial e devendo a diligência ser realizada durante o dia.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Rodrigo Campagnani Borges
Rodrigo Campagnani Borges

Advogado. Formado em Direito pela Faculdade Pitágoras-Unidade Divinópolis/MG. Pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!