10. REALIZAÇÃO DE ATOS PROCESSUAIS EM QUALQUER DIA E HORÁRIO:

CPC/1973

CPC/2015

Art. 172. Os atos processuais realizar-se-ão em dias úteis, das 6 (seis) às 20 (vinte) horas. 

§ 1o Serão, todavia, concluídos depois das 20 (vinte) horas os atos iniciados antes, quando o adiamento prejudicar a diligência ou causar grave dano. 

§ 2o A citação e a penhora poderão, em casos excepcionais, e mediante autorização expressa do juiz, realizar-se em domingos e feriados, ou nos dias úteis, fora do horário estabelecido neste artigo, observado o disposto no art. 5o, inciso Xl, da Constituição Federal. 

§ 3o Quando o ato tiver que ser praticado em determinado prazo, por meio de petição, esta deverá ser apresentada no protocolo, dentro do horário de expediente, nos termos da lei de organização judiciária local.

Art. 212. Os atos processuais serão realizados em dias úteis, das 6 (seis) às 20 (vinte) horas.

§ 1o Serão concluídos após as 20 (vinte) horas os atos iniciados antes, quando o adiamento prejudicar a diligência ou causar grave dano.

§ 2o Independentemente de autorização judicialas citações, intimações e penhoras poderão realizar-se no período de férias forenses, onde as houver, e nos feriados ou dias úteis fora do horário estabelecido neste artigo, observado o disposto no art. 5o, inciso XI, da Constituição Federal.

§ 3o Quando o ato tiver de ser praticado por meio de petição em autos não eletrônicos, essa deverá ser protocolada no horário de funcionamento do fórum ou tribunal, conforme o disposto na lei de organização judiciária local.

 De fato, o antigo CPC já previa a possibilidade de se praticar alguns atos processuais em domingos, feriados ou nos dias úteis fora do horário das 6 (seis) às 20 (vinte) horas, conforme disposição no seu art. 172, § 2º. No entanto, o CPC de 1973 limitava essa excepcionalidade somente à citação e à penhora e, mesmo assim, ainda dependia de autorização expressa do juiz, para que seja validamente aceita.

 Por outro lado, o novo CPC foi muito mais abrangente do que o CPC de 1973, pois, além da citação e da penhora, passou a admitir que as intimações também sejam realizadas nos feriados e nos dias úteis fora do período das 6 (seis) às 20 (vinte) horas, e, além do mais, independentemente de qualquer autorização judicial, o que, com toda a certeza, contribuirá para uma maior celeridade e economia processual. É lógico que, de qualquer forma, deverá ser observado o disposto no art. 5º, XI, da Constituição Federal de 1988, que assegura a todos (brasileiros e estrangeiros) a inviolabilidade do domicílio.


11. CONCLUSÃO:

Com efeito, o CPC/2015 introduziu várias atribuições ao Oficial de Justiça quando do desempenho do seu mister. Dentre as várias atribuições inéditas, talvez, a proposta de autocomposição é a mais importante, primeiramente, porque nunca chegou a ser uma atribuição do Oficial de Justiça e, segundo, tendo em vista que isso privilegia a solução consensual dos conflitos, o que é amplamente incentivado pelo novo CPC.

 No que se refere à citação com hora certa, ao arresto executivo, à realização de atos executivos nas comarcas contíguas e na mesma região metropolitana, à realização de atos processuais em qualquer dia e horário, e à dispensa de perícia médica (art. 254, § 3º, CPC/2015), verificou-se que houve uma verdadeira simplificação na realização das suas formalidades legais, de forma que o novo CPC preocupou-se, sobremaneira, com a efetiva observância aos princípios da celeridade e da economia processual.

 Por outro lado, em se tratando do processo de execução, mais precisamente quanto à realização do arrolamento de bens e da avaliação, a serem feitas pelo Oficial de Justiça, houve, até mesmo, um maior formalismo quanto ao seu cumprimento, certamente em busca de garantir uma maior efetividade ao processo de execução.  Nos termos do art. 836 do CPC/2015, o arrolamento de bens, por força legal, será obrigatório quando o Oficial de Justiça não encontrar bem(ns) sujeito(s) à penhora, devendo, ainda, o executado ou o seu representante legal ser nomeado como depositário provisório. Já a avaliação, em vez de integrar o próprio auto de penhora, como era no previsto no CPC de 1973, deverá ser materializada em auto específico e em separado, que deverá ser anexado ao auto de penhora.

 O novo CPC também passou a previr que, em caso de indicação de bens pelo próprio exequente, o Oficial de Justiça deverá, em regra, penhorá-los, salvo se causar maior onerosidade ao executado, o que deverá ser devidamente comprovado nos autos.

 Em geral, é possível afirmar que tais inovações nas atribuições do Oficial de Justiça são positivas, demonstrando um novo espírito da legislação processual civil, que se preocupou, de forma significativa, com a obediência aos princípios da economia processual, da celeridade processual e da efetividade, e, ao mesmo tempo, privilegiando a solução consensual dos conflitos.


REFERÊNCIAS:

BRASIL. Lei n. 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 jan. 1973. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5869compilada.htm>. Acesso em: 13 mar. 2016.

_______. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 mar. 2015. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm>. Acesso em: 13 mar. 2016.

CINTRA, Antonio Carlos Araujo; GRINOVER. Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 23ª. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

DIDIE JR., Fredie. Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 17ª. ed. Salvador: Ed. Jus Podivm, 2015.

ORSELLI, Osny Telles. O que é um laudo. Disponível em: < http://mundoergonomia.com.br/website/artigo.asp?cod=1847&idi=1&moe=74&id=20291>. Acesso em: 13/03/2016.


Notas

[1] Segundo Fredie Didier Jr., a autocomposição pode ser entendida como a “forma de solução do conflito pelo consentimento espontâneo de um dos contendores em sacrificar o interesse próprio, no todo ou em parte, em favor do interesse alheio” (2015, p. 165).

[2] Por economia processual, entende-se como o “máximo resultado na atuação do direito com o mínimo emprego possível de atividades processuais" (Araújo Cintra, Ada Grinover e Rangel Dinamarco. Teoria Geral do Processo. 23ª. ed. SP: Malheiros, 2007, p. 79).

[3] Laudo é “a tradução das constatações captadas pelo técnico ou especialista, em torno do objeto ou do fato, por meio dos conhecimentos especiais de quem o examinou. Em suma, é uma opinião ou um relatório emitido após analise especializada de um profissional habilitado sobre matéria” (ORSELLI, Osny Telles. O que é um laudo. Disponível em: < http://mundoergonomia.com.br/website/artigo.asp?cod=1847&idi=1&moe=74&id=20291>. Acesso em: 13/03/2016).

[4] Auto é “o termo que documenta atos praticados pelo juiz, auxiliares da Justiça e partes, fora dos auditórios e cartórios: temos, assim, auto de arrematação (CPC, art. 663), auto de inspeção judicial (CPC, art. 443), auto de prisão em flagrante (CPP, arts. 304 e 305), auto de busca-e-apreensão (CPP, art. 245, § 7º) etc.” (Araújo Cintra, Ada Grinover e Rangel Dinamarco, Teoria Geral do Processo. 23ª. ed. SP: Malheiros, 2007, p. 362).


Autor

  • Silas José da Silva

    Oficial de Justiça Avaliador junto ao Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG). É graduado no Curso de Direito, no ano de 2010, pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Guaxupé (UNIFEG). É pós-graduado no curso de especialização (lato sensu) em Direito Penal, no ano de 2015, pelo Centro Universitário de Araraquara (UNIARA).

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso