Discute-se o princípio da cooperação processual e suas diretrizes de prevenção, auxílio, diálogo/consulta e esclarecimento, enquanto dever de todos os sujeitos do processo, abordando-se o novo Código de Processo Civil e a Lei Orgânica da Defensoria.

O novo Código de Processo Civil (CPC – Lei n. 13.105/2015), em vigor desde 18/03/2016 (STJ), trouxe em suas disposições iniciais “normas fundamentais do processo civil” (Parte Geral – Livro I: Das Normas Processuais Civis – Título Único), isto é, princípios e regras fundantes, determinações principiológicas com fundo constitucional (artigo 1.° do CPC), tais como acesso à Justiça (art. 3.°, “caput”), promoção estatal prioritária da solução consensual dos conflitos (§§ 2.° e 3.° do art. 3.°), duração razoável do processo, primazia da decisão de mérito e efetividade processual (arts. 4.° e 6.°), boa-fé processual (art. 5.°), cooperação processual (art. 6.°), isonomia e contraditório (arts. 7.°, 9.° e 10), dignidade da pessoa humana, proporcionalidade/razoabilidade, legalidade, publicidade e eficiência (arts. 8.°, 11 e 12).

A cooperação processual, decorrente do devido processo legal, boa-fé, contraditório, duração razoável do processo e primazia da decisão de mérito em busca da efetividade, foi prevista expressamente no artigo 6.° do CPC, segundo o qual “todos os sujeitos do processo devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão de mérito justa e efetiva”.

Deste texto legal extrai-se, ainda que como resultado lógico da interpretação sistemática com outros dispositivos fundamentais, cooperação processual (“devem cooperar entre si”), duração razoável do processo (“em tempo razoável”) e primazia da decisão de mérito, justiça e efetividade processual (“decisão de mérito justa e efetiva”).

O Livro III do CPC versa os “Sujeitos do Processo”, abrangendo as “Partes e Procuradores” (Título I), Litisconsórcio (Título II), Intervenção de Terceiros (Título III: assistência simples e litisconsorcial; denunciação da lide; chamamento ao processo; incidente de desconsideração da personalidade jurídica; “amicus curiae”), Juiz e Auxiliares da Justiça (Título IV), Ministério Público (Título V), Advocacia Pública (Título VI) e Defensoria Pública (Título VII).

Partindo-se da premissa de que os julgadores (magistrados), bem como os demais auxiliares da Justiça, são Sujeitos do Processo, também devem respeito e cumprimento à norma fundamental da Cooperação Processual do art. 6.° do CPC/2015, devendo buscar “decisão de mérito justa e efetiva”, evitando-se ao máximo a extinção prematura do processo, sob pena de malferimento do Princípio da Primazia da Decisão de Mérito (“solução integral do mérito”), insculpida no art. 4.° do CPC/2015[1].

O dever de cooperação processual obriga tanto as partes entre si, como o julgador e demais sujeitos do processo (poder-dever), dela decorrendo 04 (quatro) diretrizes neste caso: (i) prevenção; (ii) auxílio; (iii) diálogo/consulta; (iv) esclarecimento.

A prevenção impede uma atuação judicial neutra, diversa da imparcial (equidistância), indicando que o Julgador pode colaborar com as partes, prevenindo extinção prematura do processo e resultado infrutífero aos interesses das partes, apontando irregularidades, deficiências e insuficiências em alegações, pedidos ou quaisquer situações nas quais o êxito da demanda a favor da parte puder ser prejudicado pelo uso inadequado do processo e de seus instrumentos jurídico-processuais.

Exemplo claro de cooperação-prevenção está no artigo 321, parte final, do CPC/2015, cabendo ao Juiz, antes de indeferir liminarmente a petição inicial, determinar a emenda ou a complementação da inicial, indicando “com precisão o que deve ser corrigido ou completado”.

No mesmo sentido preceituam os artigos 317, CPC, que “antes de proferir decisão sem resolução de mérito, o juiz deverá conceder à parte oportunidade para, se possível, corrigir o vício” e 139, inc. IX, que “o juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código, incumbindo-lhe: (...) IX – determinar o suprimento de pressupostos processuais e o saneamento de outros vícios processuais”.

O dever de consulta (diálogo), desdobramento imediato do princípio do contraditório (art. 7.°, parte final, CPC: “competindo ao juiz zelar pelo efetivo contraditório”), impõe ao julgador a necessidade de oitiva prévia das partes antes da decisão final de mérito, ainda que se trate de questão cognoscível de ofício, evitando-se as intituladas “decisões-surpresa”.

Por este motivo o CPC abraçou expressamente o dever de consulta e de diálogo entre julgador e partes interessadas. O artigo 9.°, “caput”, assevera que “não se proferirá decisão contra uma das partes sem que ela seja previamente ouvida”.

De maneira mais clara quanto à consulta das partes (dever de decisão oficiosa) o artigo 10 do Código Processual Civil adverte que “o juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício”.

O esclarecimento é um dever bilateral e recíproco do julgador com as partes e destas para com aquele, no sentido de evitar que a decisão tenha por base a falta de informação, e não a verdade apurada no processo contraditório, assegurando-se a igualdade ou paridade de armas entre as partes.

O CPC/2015 prevê em seu artigo 139, inc. VIII, que o juiz poderá “determinar, a qualquer tempo, o comparecimento pessoal das partes, para inquiri-las sobre os fatos da causa, hipótese em que não incidirá a pena de confesso”, isto é, a ausência da parte não implicará confissão presumida ou punição processual (à semelhança da aplicação de multa processual pelo ato atentatório à dignidade da justiça em virtude do não comparecimento injustificado à audiência de conciliação/mediação: art. 334, § 8.°, CPC), tratando-se de ônus de colaboração e esclarecimento à sua própria pretensão em busca de justiça social.

Por fim o dever de auxílio, expressão maior da colaboração processual (art. 6.°, CPC), como demonstração da não neutralidade do julgador, passível de cooperação ativa aos intervenientes processuais parciais.

Melhor dizendo, trata-se do dever de auxiliar as partes na remoção de obstáculos e dificuldades ao exercício de direitos ou faculdades ou no cumprimento de ônus ou deveres processuais.

Imagine-se uma demanda de divórcio litigioso em que demandante hipossuficiente, guardião de filho incapaz e residente no último domicílio conjugal (art. 53, inc. I, CPC/2015), não detenha escritura pública do imóvel a ser partilhado, a qual está registrada em comarca distante e tão somente no nome do outro cônjuge.

Neste caso a parte terá dificuldade em obter a segunda via (ou cópia autenticada) da indigitada escritura pública (art. 320, CPC), não podendo o juiz exigir sua exibição no despacho inicial com advertência de indeferimento liminar da exordial, sob pena de imposição, ou não remoção necessária, de obstáculo no acesso à Justiça.

Naturalmente que em sendo parte assistida e patrocinada judicialmente pela Defensoria Pública poderá o membro da Instituição Defensorial requisitar documento e certidão essencial à propositura da demanda (arts. 185 do CPC/2015 e 128, inc. X, da LC n. 80/94 – Lei Orgânica Nacional da Defensoria Pública – LONDP), assim como o membro do Ministério Público interveniente na condição de fiscal da ordem jurídica (arts. 176, 177, 178, inc. II, 693 e 698, todos do CPC/2015) poderá fazê-lo extrajudicialmente ou solicitando ao Juízo na defesa dos interesses do incapaz (arts. 127, “caput”, da CRFB c/c 201, incs. III, VIII e § 2.°, do ECA).

Ocorre que, uma vez solicitado ao julgador, não pode este recusar-se a providenciar a remoção de obstáculo ao acesso formal à Justiça, pena de descumprimento do dever cooperativo, não podendo assumir postura omissa e neutra em relação à pretensão da parte, resvalando-se na violação à primazia da decisão judicial de mérito, finalidade maior da justiça social, diversamente da extinção prematura do processo pelo não atingimento de burocracias-meios tendentes à decisão meritória.

Situação assemelhada, e com regulamentação mais precisa no atual Código Processual, é a dificuldade da parte autora na indicação de endereço e qualificação precisas da parte demandada, razão pela qual o Código facultou ao autor “requerer ao juiz diligências necessárias a sua obtenção” (§ 1.° do art. 319), não podendo o juiz indeferir a inicial se a obtenção de informações “tornar impossível ou excessivamente oneroso o acesso à Justiça” (§ 3.° do art. 319).

Nas demandas de alimentos é muito comum que a parte autora não conheça com precisão o endereço da parte ré, sabendo tão só seu Estado ou informação geográfica genérica.

O Juízo negará acesso à Justiça em virtude do não preenchimento dos requisitos da petição inicial (art. 319, inc. II, CPC)? O alimentando ficará sem direito à sobrevivência, à vida digna e ao mínimo existencial em virtude de burocracias tendentes à localização do réu-devedor?

O CPC/2015, preocupado com a cooperação processual, na sua diretriz dever de auxílio, indicou a necessidade de o julgador assumir providências e diligências na obtenção de informações necessárias ao desenvolvimento válido e regular do processo, não mais admitindo extinção antecipada deste (art. 4.°, CPC).

Na vigência do CPC/73 era comum que o Juiz indeferisse a inicial quando da não indicação precisa da localização do réu, após primeira tentativa inexitosa de citação pessoal (parágrafo único do art. 284), ou permitisse imediata citação do réu por edital, o que indicaria necessidade de intimação (não “nomeação”) da Defensoria Pública para representação processual do réu revel na condição de curadoria (não “curatela”) especial e endoprocessual (arts. 72, inc. II e parágrafo único, do CPC/2015, e 4.°, inc. XVI, da LONDP – LC n. 80/94).

Faculta-se, nesses casos, defesa fática genérica (por negação geral), sem ônus da impugnação especificada dos fatos (arts. 336 e 341, parágrafo único, do CPC/2015), e com requerimento de providências de expedição de ofícios e requisições aos órgãos públicos mantenedores de cadastros obrigatórios, cuja diligência poderia ter sido adotada desde o primeiro momento (art. 319, §§ 1.° e 3.°, CPC), evitando-se intervenção despicienda da curadoria especial (defensorial) com atuação, muitas das vezes, genérica e faticamente prejudicial aos interesses do réu, o que poderia ser eliminado com adoção de postura judicial cooperativa em busca da localização do réu e da decisão de mérito, com efetivo contraditório e participação processual.

O novo CPC traz uma tônica fundamental de cooperação processual, dever das partes e poder-dever do julgador, devendo todos os sujeitos do processo colaborar entre si em busca da decisão final de mérito, justa e efetiva, tomando como caminho o da boa-fé processual, do auxílio e do devido processual legal, formal e material.


[1] As partes têm o direito de obter em prazo razoável a solução integral do mérito, incluída a atividade satisfativa.


Autor

  • Ígor Araújo de Arruda

    1) Defensor Público na Defensoria Pública de Pernambuco (DPE/PE) desde 1.°/10/2015, aprovado no II concurso público (CEBRASPE/2014-2015). 1.1. Foi lotado no Núcleo Regional de Bezerros com atuação cumulativa na 1.ª Vara (2015-2018). 1.2. Exerceu acumulação cível no Núcleo Regional de Gravatá com atuação na 1.ª e na 2.ª Varas Cíveis (2015-2018). 1.3. Atualmente está lotado na 6.ª Vara de Família e Registro Civil da capital e exerce acumulação no Núcleo Temático Cível da capital. 2) Ex-Defensor Público na Defensoria Pública do Maranhão (DPE/MA) entre 23/4/2012 a 30/9/2015, aprovado no IV concurso público (CESPE/2011-2012) aos 24 anos de idade. 2.1) Foi titular no Núcleo Regional de Imperatriz entre 7/5/2014 a 30/9/2015 com atuação na defesa criminal, Tribunal do Júri e defesa das mulheres vítimas de violência. 2.2) Foi Titular no Núcleo Regional de Açailândia entre 5/5/2012 a 6/6/2014 com atuação na defesa criminal, Tribunal do Júri, execução penal, infância e juventude infracional e tutela coletiva penal. 3) Autor do livro "Defensor Público Estadual: guia completo sobre como se preparar para a carreira" (JusPodivm, 2019, 2.ª edição). 4) Coautor-colaborador no livro "Teoria Geral da Defensoria Pública" (D'Plácido, 2020). 5) Aprovado Defensor Público no I concurso público da Defensoria Pública da Paraíba - DPE/PB (FCC/2014-2015). 6) Nomeado Analista Judiciário (área judiciária) do TJ/PB em 2013, mas não tomou posse (concurso público de 2008). 7) Aprovado Analista Jurídico da SESCOOP/PB (processo seletivo público em 2010). 8) Ex-membro da comissão especial da LC n. 80/1994 (LONDP) da Associação Nacional das Defensoras e dos Defensores Públicos (ANADEP). 9) Foi advogado privado na Paraíba. 10) Ex-membro da Comissão de Direitos Difusos e Relações de Consumo da OAB/PB. 11) Autor de artigos jurídicos, com especial citação no STJ (RHC 61.848-PA, T5, DJe 17/8/2016). 12) Professor do curso Mege, preparatório para concursos públicos. 13) Pós-graduado em Direito Público pela Anhanguera-Uniderp (convênio Rede LFG).

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso