Ponderações acerca da polêmica que ronda a não ratificação do Convênio de nº 87.

Famosa no direito coletivo do trabalho e dentre as instituições sindicais em geral, a Convenção da Organização do Trabalho nº 87 que versa sobre Liberdade Sindical, ratificada em mais de cem países, é promotora de grandes e acalorados debates. Por sua condição de Convênio fundamental, provoca a curiosidade sobre a sua não ratificação e aplicação mitigada em nosso ordenamento jurídico, dividindo, assim, opiniões jurídicas, políticas e sindicais quanto à possibilidade de sua total inserção a nível nacional. O propósito do artigo não é versar opinião absoluta quanto ao acolhimento do convênio e sim aclarar aos interessados pontos positivos e negativos do nosso atual regime sindical, além de apontar os pontuais entraves para sua ratificação e demais questões jurídicas acerca do tema.

Sinteticamente, o documento reúne quatro garantias básicas: o direito de fundar sindicatos, o direito de administrar sindicatos, o direito de atuação nos sindicatos e o direito de filiação ou desfiliação em um sindicato. Dentre estas garantias apresentadas no documento internacional, quase todos estão garantidos constitucionalmente mas a grande polêmica ronda em torno da possibilidade de “fundar sindicatos”, tendo em vista que nossa CRFB/88 em seu art.8º,II adotou o regime de Unicidade Sindical, ou seja, numa mesma base territorial não é possível a criação de mais uma organização sindical de uma mesma categoria profissional ou econômica, atendando-se que esta base não poderá ser, inclusive, menor que o raio de um Município. Diferente quadro se molda quando nos atentamos ao regime de Pluralidade Sindical, que, de forma opositora ao preconizado no regime único, admite a fundação/criação de entidades sindicais representantes de uma mesma categoria sem limitar espaço e legitimidade única.

Ao iniciarmos uma análise do regime de Unicidade adotado por nossa legislação, cumpre ressaltar que, em tese, sua verdadeira intenção seria nos levar a maior unidade de grupo, o que levaria a uma maior força de negociação, sem maiores dificuldades técnicas de saber, de fato, de quem seria a verdadeira representação da categoria. A teoria esbarra na visão desfavorável que aponta, neste regime, a ausência de democracia, vez que não há possibilidade de escolha dos trabalhadores de qual instituição os representará e em reposta a este ponto, alega-se que há sim democracia, tendo em vista às eleições sindicais nas quais se pode eleger a diretoria. Somado a isto, vale refletir que a unicidade gera a exclusividade, que poderá vir a promover a acomodação das lideranças, vez que não há “concorrência”,configurando, desta feita, o monopólio de base. Os contrários a unicidade, ainda alegam o corporativismo sindical que obsta a evolução do sindicalismo nos países democráticos.

A Organização do Trabalho sugere que “A unidade surgirá da pluralidade. O sindicato único deve nascer da pluralidade sindical pois a Convenção não garante a pluralidade mas sim a livre escolha do trabalhador” ou seja, a OIT preocupa-se coma qualidade de representação sindical, atenta para que ela não seja mero invólucro e sim que haja conteúdo e representatividade, termo este que vai muito além e é muito mais profundo do que apenas representação pois esta se refere à legitimidade puramente legal de manter ou fundar um sindicato enquanto àquela é o sentimento de segurança e confiabilidade que uma categoria possui em seu sindicato.

Então chega o momento de perguntar o porquê do entrave para a ratificação e a resposta é uma composição de uma gama de assuntos que dependem de decisões e mudanças complexas como, por exemplo, a manutenção do sistema confederativo com os sindicatos e federações e, consequentemente, sua organização por categoria; A manutenção da polêmica contribuição sindical obrigatória e finalmente a abolição total da Unicidade Sindical, extirpando, de vez, o “monísmo” sindical. Na prática, as evoluções feitas sobre este tema iniciaram no encaminhamento da Convenção para o Congresso Nacional em 1949 e o Projeto de Decreto Legislativo tramita desde 1984; Tramita, também, duas propostas de Emenda Constitucional: 29/2003 e 369/2005. Alega-se que não cabe a lei estruturar e regular as organizações de sindicatos e a unicidade determinada em nossa Carta Magna se opõe frontalmente a este princípio, em verdade, a ratificação sempre esbarra em questões que, na hodierna estrutura, só serão resolvidas com a efetiva implantação de uma Reforma Sindical.


Autor

  • Carolinsk de Marco

    Advogada,pós graduada em Direito do Trabalho, mestre em Direito do Trabalho e Relações Laborais Internacionais. Especialista em Normas Internacionais do Trabalho e Trabalho Decente pela OIT, Professora da pós graduação em Gestão de Transporte Marítimo e Portos da faculdade Mackenzie - Rio.

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria