O artigo tem por objetivo a análise do acórdão proferido pelo Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em que se discute a Apelação nº 0005242-15.2013.8.26.0541, da Comarca de Santa Fé do Sul, julgada em 02 de junho de 2015.

A Colenda 14ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo deu parcial provimento ao recurso interposto pelo Autor Vincente Soares de Lima e negaram-no ao do Réu Banco Santander Brasil S/A.

A Apelação trata de ação de indenização por dano moral devido à negativação do autor por emissão de cheques sem fundo, cumulada com ação declaratória para a retirada da referida negativação no órgão de proteção ao crédito, conforme prevê a ementa:

Ação de indenização por dano moral – Negativação do nome do autor em razão de cheques compensados e devolvidos sem provisão de fundos – Autor é pessoa analfabeta e recebeu talão de cheque sem sua autorização – Falha na prestação do serviço que não conferiu a autenticidade da assinatura dos cheques e enviou talonário sem autorização do correntista – Responsabilidade objetiva – Dano moral configurado – Majoração do valor arbitrado na sentença – Não aplicação da Súmula 54 do C. STJ – Prequestionamento – Considera-se prequestionada a matéria apreciada e decidida com a exposição do fundamento jurídico formador do convencimento do Magistrado, sendo dispensável a indicação expressa de artigos de lei – Recurso do autor parcialmente provido – Recurso do réu desprovido.

O cheque, título de crédito de modelo vinculado previsto na Lei nº 7.357/1985, é uma ordem de pagamento à vista emitida contra um banco em razão de fundos que o emitente tem naquela instituição financeira, pressupondo-se, assim, a existência de um contrato de depósito ou de abertura de crédito em conta corrente entre o banco e o cliente.

Uma das consequências da cláusula à ordem do cheque é sua circulação via endosso. O banco possui a obrigação legal de verificar a regularidade da cadeia de endossos, mas não é obrigado a verificar a autenticidade das assinaturas dos endossantes. A assinatura que o banco deve conferir a legitimidade é a do emitente do cheque.

No processo em epígrafe, o réu, também apelante, pretendeu anular sua condenação em 1º grau, a qual o condenou ao pagamento de indenização no valor de três mil reais ao autor, assim como a declaração de inexistência do débito questionado na petição inicial e a determinação do cancelamento da restrição em nome do autor. Este apelou somente quanto à majoração dos danos morais e para que os juros de mora incidissem a partir de outro momento.

O Banco Santander enviou ao autor um talonário de cheque, sem sua solicitação, que acabou sendo utilizado indevidamente e causando a devolução de diversas cártulas e, consequentemente, a negativação de seu nome. O réu alega que não pode ser responsabilizado por ação de terceiros que tenham causado transtorno ao autor.

Acontece que o autor não assinou nenhum dos cheques devolvidos, visto que é analfabeto. O talão de cheques foi enviado não somente sem sua solicitação, mas também sem sua autorização. O réu não conferiu a autenticidade da assinatura dos cheques.

Resta clara a responsabilização do fornecedor de serviços quanto à reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação, conforme o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor:

“O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

 § 1° O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:

I - o modo de seu fornecimento;

II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;

III - a época em que foi fornecido.

 § 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.

§ 3° O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:

I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;

II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

§ 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa”.

A responsabilidade civil do réu pelos danos causados ao autor em razão da negativação do nome deste por cheques emitidos em seu nome e devolvidos sem provisão de fundos sem a devida conferência da assinatura foi devidamente reconhecida nos juízos a quo e ad quem, o que afastou a pretensão do réu na discutida Apelação. O dano moral decorre da negativação do nome do autor, e conforme a Súmula 388 do STJ, “a simples devolução indevida de cheque caracteriza dano moral”.

O banco responde por cheque falsificado, como prevê o parágrafo único do art. 39 da Lei 7.357/85 (Lei do Cheque):

“O banco sacado responde pelo pagamento do cheque falso, falsificado ou alterado, salvo dolo ou culpa do correntista, do endossante ou do beneficiário, dos quais poderá o sacado, no todo ou em parte, reaver a que pagou”.

As súmulas 479 do STJ e 28 do STF corroboram com o entendimento acima:

“As instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias”.

“O estabelecimento bancário é responsável pelo pagamento de cheque falso, ressalvadas as hipóteses de culpa exclusiva ou concorrente do correntista”.

A pretensão do autor foi acolhida, a decisão deu provimento em parte ao recurso e a indenização foi majorada para seis mil reais, corrigidos monetariamente a partir do julgamento da Apelação em questão, com juros de mora de 1% ao mês, devidos da citação.

Bibliografia

RAMOS, André Luiz Santa Cruz. Direito Empresarial Esquematizado. Editora Método, 2014.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa - Vol. 1 - 18ª Ed. Editora Saraiva, 2014

http://www.tjsp.jus.br/



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0