O presente artigo trata do aval, figura do Direito Cambiário, exposto o conceito de aval, diferenças entre aval e fiança, modalidades e tipos de aval.

1. Conceito

Trata-se de uma garantia pessoal, de modo que o aval é o ato pelo qual uma pessoa (avalista) se compromete a pagar o título nas mesmas condições que outra (avalizado), que tem como finalidade criar um ambiente mais seguro para o credor, uma vez que esse passa a possuir uma garantia de que outra pessoa está se responsabilizando pelo título.

2. Tipos de aval

Assim como o endosso, o aval poderá ser:

  • Em Branco: Quando não especificar a pessoa que é avalizada, de modo que a lei estabelecerá quem será o avalizado em cada tipo de título de crédito de acordo com o artigo 31, 2 parte da lei uniforme.

Ex: Na letra de câmbio, será sempre avalista do sacador e, na nota promissória, avalista do subscritor.

  • Em Preto: Quando estabelecer a pessoa que está sendo avalizada.

3. Diferenças entre o Aval e a Fiança

  • Fiança é um contrato e, portanto, bilateral. O aval, por sua vez, é declaração unilateral de vontade.
  • A fiança é contrato acessório. Já o aval, pelo princípio da autonomia do direito cambiário, é declaração autônoma. Desse modo, uma nulidade no contrato principal extinguirá o contrato de fiança, mas no aval, em razão da autonomia, os vícios anteriores não o contaminam.
  • A fiança pode ser concedida em documento apartado do contrato principal, já o aval jamais será concedido separadamente do título.
  • Pode-se ter mais de um fiador, que serão solidários. É possível, também, existirem diversos avalistas, mas possuirão um regime distinto um dos outros. Se um avalista paga a dívida em sua totalidade, cobrará dos outros a integralidade do título até chegar no devedor principal, que extinguirá o título. Para tanto, o credor deve apresentar o título ao devedor principal, se este não pagar, poderá cobrar os outros codevedores.

4. Quem pode ser avalista?

Poderão ser avalistas:

  • Aquele que possui capacidade cambiária, que é a maioridade civil, desde que pessoa física.
  • Pessoa jurídica pode ser avalista (desde que o contrato social não proíba), o que é bem comum. O aval prestado por empresa que possui a proibição no contrato social só é válido entre os sócios, mas não produz efeitos diante terceiros.

Outro argumento que justifica o aval da pessoa jurídica se dá em relação a teoria da aparência, que legitima o negócio feito por pessoa que aparenta ser representante. Não se pode obrigar que sempre se verifique o contrato social, apesar de sua publicidade.

De qualquer forma, o aval será válido, cabendo ação de indenização dos sócios contra o administrado que obrigou a pessoa jurídica pelo aval.

5. Possibilidade do Aval Parcial

O aval parcial visa garantir uma parte da obrigação, apenas. O artigo 30 da Lei Uniforme permite a figura do aval parcial. Contudo, o artigo 897 do CC/02 o proíbe.

Como sabemos, quando o título é criado antes do Código Civil, será regido por lei específica. Dessa forma, a figura do aval parcial é completamente válida.

6. O Avalista casado

Falamos aqui de inovação trazida pelo código civil, de acordo com seu artigo 1647, III.  

Dispõe o citado artigo que em qualquer regime de casamento, dependerá o aval da anuência do cônjuge. A jurisprudência do TJ/SP entende que o aval sem anuência não é nulo, mas não produzirá efeitos em relação a quem não anuiu. O STJ aplica literalmente o código civil.

O cônjuge que não anuiu pode pedir a anulação do aval. Entretanto, se seguirmos a tese do TJSP, que o aval é NULO (de acordo com o CC/02), qualquer um poderá pedir a sua anulação.

7. Aval Sucessivo e Aval Simultâneo

De acordo com a súmula 189 do STF, os avais em branco e superpostos, consideram-se simultâneos e não sucessivo.

Exemplo: A emite uma nota para B. B quer garantias, de modo que A constitui dois avalistas - C e D -, porém em branco. Nesse caso, o STF entende que C e D são ambos avalistas de A, cabendo as regras de regresso conforme o Código Civil.

B poderá cobrar a nota de D, que terá ação de regresso contra C somente na sua quota parte (normalmente 50%, nesse caso).

Aval sucessivo é o do avalista de avalista. Nesse caso, deve haver aval em preto, pois o aval em branco gera simultaneidade. No caso exposto acima, D teria que ser avalista de C, especificamente. Nesse caso, o aval seguirá as normas do direito cambiário, cabendo ação de regresso, no todo, do valor pago.

8. Aval Póstumo

O aval póstumo não é admitido pela lei uniforme, mas sim pelo código civil e pela lei das duplicatas. É o aval dado após o vencimento do título.

Como vimos, a figura do avalista somente existe em título de crédito, nunca em contrato (uma vez que o aval e a fiança são figuras distintas)

A praxe bancária, contudo, tende a colher a assinatura do avalista tanto no título de credito quanto no contrato. Entretanto, no caso do contrato a pessoa não será avalista, mas devedora solidária.

Portanto, conforme súmula 265 do STJ, a pessoa poderá figurar como avalista e também como devedor solidário, desde que tenha assinado o contrato. A figura do devedor solidário é regida pela fiança.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0