Trata-se de um artigo sobre Aval, Garantia Solidária e Fiança de acordo com os entendimentos do Prof° Waldírio Bulgarelli.

  1. AVAL

O aval uma forma específica de garantia cambial. Por ele o avalista fica obrigado e responsável, pelo pagamento do título, nas mesmas condições do seu avalizado. É uma garantia caracteristicamente cambial, ou seja, é obrigação autônoma e formal, afastando-se totalmente do regime legal da fiança.

            O aval, portanto, é uma declaração cambiária, feita por terceiro, estranho ao título, ou por quem já está obrigado, consiste na assinatura, no próprio título. O aval pode ser simples, consistente apenas na assinatura do avalista, ou precedido de declaração formal. O aval simples poderá indicar o nome do avalizado (em preto) ou omiti-lo (em branco).

            O aval pode ser dado tanto no verso como anverso da letra.

 “Art. 14. O pagamento de uma letra de câmbio, independente do aceite e do endosso, pode ser garantido por aval. Para a validade do aval, é suficiente a simples assinatura do próprio punho do avalista ou do mandatário especial, no verso ou no anverso da letra.”

            Quando simples o aval (constante apenas da assinatura do avalista) e em branco (não designado o nome do avalizado), tem-se de indagar então a natureza da declaração cambial e a extensão da responsabilidade assumida.

            Se não for feita a indicação e constar a assinatura aposta sobre a referência “avalista”, entender-se-á que o aval foi dado como co-garantia, solidariamente com o sacador.

            O avalista assume a condição de coobrigado, solidariamente, mesmo que a obrigação por ele garantida contenha vício de nulidade, por qualquer razão que não seja vício de forma. Se o avalista for obrigado a pagar o valor garantido, ficará ele sub-rogado nos direitos decorrentes da letra, em relação à pessoa com quem, solidariamente, assumiu a obrigação.

“Art. 15. O avalista é equiparado àquele cujo nome indicar; na falta de indicação, àquele abaixo de cuja assinatura lançar a sua; fora destes casos, ao aceitaste e, não estando aceita a letra, ao sacador.”

            Não designado o nome do avalista, considera-se avalizado o da assinatura imediatamente superior à do avalista, e na falta desta, o devedor principal (sacador se ainda não aceita e aceitante se já aceita) é o que dispõe o art. 15 do Decreto n° 2.044/1908.

“Art. 31 - O aval é escrito na própria letra ou numa folha anexa. Exprime-se pelas palavras "bom para aval" ou por qualquer fórmula equivalente; e assinado pelo dador do aval. O aval considera-se como resultante da simples assinatura do dador aposta na face anterior da letra, salvo se se trata das assinaturas do sacado ou do sacador. O aval deve indicar a pessoa por quem se dá. Na falta de indicação entender-se-á ser pelo sacador.”

            O aval deve ser dado antes do vencimento, pois se for posterior ao vencimento não valerá como aval.

            O aval pode também ser dado antecipadamente, ou seja, antes de ser firmado o aceite ou o endosso, e apesar das discussões a respeito, na doutrina brasileira, é inegável a validade desse tipo de aval em face da autonomia das obrigações cambiais. Há, entretanto, que observar que, se a assinatura a que o aval está destinado a garantir não for firmada no título, obviamente não haverá responsabilidade para o avalista, mas somente no caso de aval em preto, pois, se for em branco, dever-se-á aplicar a Lei Uniforme que, como vimos, determina que seja considerado avalizado o sacador.

            Assim, o avalista só se obriga como o avalizado e nos termos deste. O avalista se responsabiliza em relação ao título, sua obrigação é a de pagar o título, e não em relação ao avalizado.

“Art. 32 - O dador de aval é responsável da mesma maneira que a pessoa por ele afiançada. A sua obrigação mantém-se, mesmo no caso de a obrigação que ele garantiu ser nula por qualquer razão que não seja um vicio de forma. Se o dador de aval paga a letra, fica sub-rogado nos direitos emergentes da letra contra a pessoa a favor de quem foi dado o aval e contra os obrigados para com esta em virtude da letra.”

            O avalista libera-se da obrigação, nos mesmos casos do avalizado, a saber:

  1. Quando avalista do endossante: libera-se pela prescrição de um ano; libera-se também, pela falta de protesto a tempo certo (em tempo útil, ou da data do vencimento, no caso de letra com a cláusula “sem protesto”);
  2.  Quando o avalista sacador: libera-se pela falta do protesto em tempo útil (art. 32) e pela prescrição de 1 ano;
  3.   Quando avalista do aceitante: não se aproveita da falta de protesto, mas libera-se pela prescrição em 3 anos;
  4. Quando avalista do endossante, relação uns com os outros: libera-se pela prescrição de 6 meses, do dia em que o endossante pagou a letra ou em que foi acionado.

O aval nulo não produz qualquer efeito, mesmo como fiança.

O avalista, que paga o último título, adquire o direito de acionar os subscritores  anteriores e o próprio avalizado. O que implica o problema dos avais sucessivos ou simultâneos, ou cumulativos. Trata-se de distinção que, evidentemente, só interessa aos avalistas entre si e não ao credor, que pode exigir o pagamento de qualquer deles. É o caso de os avais virem superpostos, em branco; neste caso, que gerou várias dúvidas na nossa doutrina, hoje, devem ser considerados como simultâneos e não sucessivos.

Há que se distinguir – quando não sejam em branco os avais – o tipo de obrigação assumida: 1. Se se obrigaram uns pelos outros, tornam-se, pelo pagamento, credores cambiários uns dos outros, na ordem estabelecida; 2. Se se obrigaram direita e conjuntamente em favor do avalizado, não têm entre si relações cambiárias, nem adquirem pelo pagamento nenhum direito cambiário contra seu correspondente. Essas obrigações regulam-se pelo direito comum e ficam dependentes das relações extracambiárias.      

“Art. 898. O aval deve ser dado no verso ou no anverso do próprio título.

§ 1o Para a validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a simples assinatura do avalista.

§ 2o Considera-se não escrito o aval cancelado.

Art. 899. O avalista equipara-se àquele cujo nome indicar; na falta de indicação, ao emitente ou devedor final.

§ 1° Pagando o título, tem o avalista ação de regresso contra o seu avalizado e demais coobrigados anteriores.

§ 2o Subsiste a responsabilidade do avalista, ainda que nula a obrigação daquele a quem se equipara, a menos que a nulidade decorra de vício de forma.

Art. 900. O aval posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos do anteriormente dado.”

  1. FIANÇA

O ato civil de garantia que corresponde ao aval é a fiança e são duas as diferenças existentes entre eles. Em primeiro lugar – a mais importante -, o aval é autônomo em relação à obrigação avalizada, ao passo que a fiança é obrigação acessória. Desse modo, se a obrigação do avalizado, por qualquer razão, não puder ser exigida pelo credor, isto não prejudicará os seus direitos em relação ao avalista. Já, se a obrigação afiançada é inexigível, a causa de inexigibilidade macula igualmente a fiança, que, sendo acessória, tem a sorte da principal. Outra consequência da autonomia do aval é a inoponibilidade, pelo avalista, das exceções que aproveitariam ao avalizado, sendo certo que o fiador, em geral, pode alegar contra o credor, as exceções do afiançado.

  

 A segunda diferença diz respeito ao benefício de ordem, que pode ser invocado pelo fiador, mas não pelo avalista. O benefício de ordem é a exoneração da responsabilidade do prestador da garantia suplementar, em razão da prova da solvência do devedor garantido. O avalista, mesmo que o avalizado tenha bens suficientes ao integral cumprimento da obrigação cambiária, deve honrar o título junto ao credor, se acionado, e, depois, cobra-lo em regresso daquele. O fiador, ao contrário, poderá indicar bens do afiançado, situados no mesmo Município, livres, desembaraçados e suficientes à solução da dívida, e, com isto, liberar-se da obrigação assumida. Essa diferença entre o aval e a fiança costuma não apresentar desdobramentos concretos, na medida em que o credor costuma condicionar a aceitação da fiança à renúncia, pelo fiador, do benefício de ordem.

 “Art. 818. Pelo contrato de fiança, uma pessoa garante satisfazer ao credor uma obrigação assumida pelo devedor, caso este não a cumpra.

Art. 819. A fiança dar-se-á por escrito, e não admite interpretação extensiva.

Art. 820. Pode-se estipular a fiança, ainda que sem consentimento do devedor ou contra a sua vontade.

Art. 821. As dívidas futuras podem ser objeto de fiança; mas o fiador, neste caso, não será demandado senão depois que se fizer certa e líquida a obrigação do principal devedor.

Art. 822. Não sendo limitada, a fiança compreenderá todos os acessórios da dívida principal, inclusive as despesas judiciais, desde a citação do fiador.

Art. 823. A fiança pode ser de valor inferior ao da obrigação principal e contraída em condições menos onerosas, e, quando exceder o valor da dívida, ou for mais onerosa que ela, não valerá senão até ao limite da obrigação afiançada.

Art. 824. As obrigações nulas não são suscetíveis de fiança, exceto se a nulidade resultar apenas de incapacidade pessoal do devedor.

Parágrafo único. A exceção estabelecida neste artigo não abrange o caso de mútuo feito a menor.

Art. 825. Quando alguém houver de oferecer fiador, o credor não pode ser obrigado a aceitá-lo se não for pessoa idônea, domiciliada no município onde tenha de prestar a fiança, e não possua bens suficientes para cumprir a obrigação.

Art. 826. Se o fiador se tornar insolvente ou incapaz, poderá o credor exigir que seja substituído.

Art. 827. O fiador demandado pelo pagamento da dívida tem direito a exigir, até a contestação da lide, que sejam primeiro executados os bens do devedor.

Parágrafo único. O fiador que alegar o benefício de ordem, a que se refere este artigo, deve nomear bens do devedor, sitos no mesmo município, livres e desembargados, quantos bastem para solver o débito.

Art. 828. Não aproveita este benefício ao fiador:

I - se ele o renunciou expressamente;

II - se se obrigou como principal pagador, ou devedor solidário;

III - se o devedor for insolvente, ou falido.

Art. 829. A fiança conjuntamente prestada a um só débito por mais de uma pessoa importa o compromisso de solidariedade entre elas, se declaradamente não se reservarem o benefício de divisão.

Parágrafo único. Estipulado este benefício, cada fiador responde unicamente pela parte que, em proporção, lhe couber no pagamento.

Art. 830. Cada fiador pode fixar no contrato a parte da dívida que toma sob sua responsabilidade, caso em que não será por mais obrigado.

Art. 831. O fiador que pagar integralmente a dívida fica sub-rogado nos direitos do credor; mas só poderá demandar a cada um dos outros fiadores pela respectiva quota.

Parágrafo único. A parte do fiador insolvente distribuir-se-á pelos outros.

Art. 832. O devedor responde também perante o fiador por todas as perdas e danos que este pagar, e pelos que sofrer em razão da fiança.

Art. 833. O fiador tem direito aos juros do desembolso pela taxa estipulada na obrigação principal, e, não havendo taxa convencionada, aos juros legais da mora.

Art. 834. Quando o credor, sem justa causa, demorar a execução iniciada contra o devedor, poderá o fiador promover-lhe o andamento.

Art. 835. O fiador poderá exonerar-se da fiança que tiver assinado sem limitação de tempo, sempre que lhe convier, ficando obrigado por todos os efeitos da fiança, durante sessenta dias após a notificação do credor.

Art. 836. A obrigação do fiador passa aos herdeiros; mas a responsabilidade da fiança se limita ao tempo decorrido até a morte do fiador, e não pode ultrapassar as forças da herança.

Art. 837. O fiador pode opor ao credor as exceções que lhe forem pessoais, e as extintivas da obrigação que competem ao devedor principal, se não provierem simplesmente de incapacidade pessoal, salvo o caso do mútuo feito a pessoa menor.

Art. 838. O fiador, ainda que solidário, ficará desobrigado:

I - se, sem consentimento seu, o credor conceder moratória ao devedor;

II - se, por fato do credor, for impossível a sub-rogação nos seus direitos e preferências;

III - se o credor, em pagamento da dívida, aceitar amigavelmente do devedor objeto diverso do que este era obrigado a lhe dar, ainda que depois venha a perdê-lo por evicção.

Art. 839. Se for invocado o benefício da excussão e o devedor, retardando-se a execução, cair em insolvência, ficará exonerado o fiador que o invocou, se provar que os bens por ele indicados eram, ao tempo da penhora, suficientes para a solução da dívida afiançada.”.

  1. GARANTIA SOLIDÁRIA

De acordo com o artigo “Garante solidário – uma construção abstrusa?” o Prof° Waldírio Bulgarelli critica uma decisão do STJ, na qual eles dizem que o garante solidário não passa de um devedor, e como tal obrigado, e de forma ainda mais ampla que o fiador, quer por dispensar a anuência do cônjuge, quer por não dispor do benefício de ordem, com o qual é contemplado o fiador por força de lei. Tem-se assim que aquele que firmou a garantia, e portanto, assumiu, não a dívida, mas a responsabilidade como garante transforma-se em devedor.

O prof° Waldírio Bulgarelli enunciou alguns pontos importantes referente à decisão do STJ:

O juiz deve se colocar no lugar de legislador em caso de lacuna.

A execução de títulos de créditos vinculados a contratos e da posição do avalista e ou do fiador em tais casos. E conclui por admitir a possibilidade de execução conjunta.

As leis de circulação dos títulos de créditos – através do endosso – e dos contratos (cessão de contrata e cessão de crédito) que se atribui sobretudo às cambiais o caráter de abstração, enquanto os contratos são naturalmente causais, já que os nossos códigos, comerciais e civis, não acolheram.

Em relação aos garantidores, a execução por título de crédito há de recair no avalista e por contrato no fiador.

No caso do texto em epígrafe, a decisão do STJ demonstra ao menos 2 pontos salientes: 1. Adoção de uma ótica ideológica do tipo dinâmica, voltada para o social e 2. Uma postura psicológica peculiar.

A primeira pode-se constatar pelo intento de renovar e pela confissão feita no contexto do relatório da decisão. Trata-se portanto, de fundamento insuficiente para transformar o garante em devedor. A certeza não é um dogma absoluto, sobretudo no direito anglo-saxonico, em que é tida mais como um ponto de referencia ou um ideal a se alcançar, tem-se, entretanto, a convicção de que a certeza no direito decorre de pelo menos dois elementos essenciais: o da proibição e o de uma lei bem feita e em interpretada.

A segunda, implica em indagar sobre a posição psicológica do juiz perante o feito, levando em conta que já muito antes de Kelsen se admite que o juiz não é um autômato, mas um ser humano, que terá suas aflições, dúvidas, certezas e visão social.

Ficou claro que o julgador quis proteger o credor, eliminado para isso, certos óbices que a figura do fiador oferece, como a autorização marital e o benefício de ordem.

Fica entendida tanto subjetivamente como objetivamente a causa está a demonstrar que o garante não assumiu uma dívida, mas sim uma responsabilidade de garantia. Que a causa aqui atua como essentialia negotii , é indiscutível surgindo coo elemento esclarecedor da vontade e da intenção do agente. No Direito Civil, a “falta causa vicia o ato”, e que o Direito Comercial exige para a avalidade do negócio a menção da causa da obrigação.

Por que proteger o credor que já está sobremaneira protegido de um lado pelo aval lançado na cártula e de outro pela fiança no contrato?

            Só pode ser compreendido no gênero garantidor, e portanto, na espécie de fiador (além de avalista).

            Infelizmente, a conclusão é a de que o julgador acolher uma cláusula no mínimo enganosa, contra a parte mais fraca.

            E tanto assim é que, como garante terá assegurado o direito de regresso contra o devedor, o que é discutível se for considerado apenas devedor solidário.

BIBLIOGRAFIA

  • TEXTO: “GARANTE SOLIDÁRIO – UMA CONSTRUÇÃO ABSTRUSA?” -           Revista dos Tribunais – Vol. 683- p. 49 – Set./92
  • BULGARELLI, Waldirio. TÍTULOS DE CRÉDITO. 14ª Ed. – São Paulo: atlas, 1998.
  • BULGARELLI, Aclibes. TITULOS DE CRÉDITO DE ACORDO COM O O NOVO CÓDIGO CIVIL. São Paulo: editora Jurídica Brasileira – 2002.


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0