Refugiado é todo aquele que tem como requisito o medo bem fundado por perseguição em decorrência de raça, nacionalidade, religião, participação em grupo de opinião política diferente de sua residência habitual e que por medo, mantém-se fora dela.

De acordo com a Lei Brasileira 9474/97, Refugiado é todo aquele que tem como requisito o medo bem fundado por perseguição em decorrência de raça, nacionalidade, religião, participação em grupo de opinião política diferente de sua residência habitual e que, por medo, mantém-se fora do país de sua nacionalidade e não manifesta vontade de retornar; embora a ideia inicial fosse assegurar a proteção a indivíduos perseguidos por seus ideais políticos ou religiosos no interior de seus próprios Estados.

A questão dos refugiados é um fenômeno novo e pouco pesquisado, mas já afeta uma grande parcela da população mundial. Assim como os alarmantes dados atuais, o que mais assusta são as previsões oficiais de agências governamentais e internacionais.

Diante da devastação de um país e em meio a destruição, os refugiados encontram no Brasil e em vários outros países novas oportunidades para sua vida. Ainda que impedidos, ao chegarem nas fronteiras brasileiras,  enfrentaram o medo  e foram protegidos  pela lei internacional, hoje refletida na Lei Nacional.

É preciso analisar os instrumentos jurídicos do Direito Internacional dos Refugiados e conhecer a real situação jurídica do refugiado sírio no Brasil, a partir da guerra na Síria, iniciada em 2011 até os dias atuais. Para se entender como acontece a proteção Internacional do Refugiado no Brasil, além de conscientizar a Sociedade sobre a condição do Refugiado no Brasil e como ela pode facilitar a integração deles no País.

Com isso, conhecer quais são os direitos e deveres dos Refugiados num país estrangeiro e expor como funciona o processo de admissão do refugiado ao chegar no Brasil.

É importante conhecer a função e criação da ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados e os Ministérios envolvidos na questão dos refugiados, sendo eles: Ministérios das Relações Exteriores ; Ministério da Justiça; Ministério do Trabalho; Ministério da Saúde, Ministério da Educação e a Polícia Federal.

Com isso, descobre-se se a legislação está sendo corretamente aplicada  de forma a garantir a proteção dos direitos internacionais dos refugiados e a entender qual é a real situação jurídica dos Refugiados Sírios no Brasil.

Pois a situação desse povo no Brasil, quanto à regularização de suas documentações pessoais, o acolhimento devido, a continuidade dos estudos, a integração à sociedade e a oportunidade de trabalho, ainda é uma situação muito preocupante e desmotivadora. Pois, a maioria dos refugiados sírios encontra-se no país sem a devida proteção, a qual se estabelece a lei 9774 de 1997, pois encontram no país tratamentos preconceituosos e pouca oportunidade de trabalhar na profissão em que é graduada, em seu país.

Ainda espera-se que, com a criação da Resolução do Ministério da Educação, que reconhecerá o diploma de graduação e de Mestrado do estrangeiro refugiado no Brasil,  possam mudar o nível de vida destas pessoas e proporcioná-la a oportunidade de exercer sua cidadania, também num país estrangeiro, enquanto neste país permanecer, ou enquanto o seu país apresentar perigo para ele.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SANTOS, Andréia Narcisa de Moraes. A proteção dos Refugiados da Síria no Brasil pelo Direito Internacional dos Refugiados.: 2016. 48 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Direito) – Faculdade de Sabará, SOECS, Minas Gerais, 2016.


Autor

  • Andreia Santos

    Sou licenciada em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Língua Espanhola, pela Faculdade de Sabará e pós-graduada em Língua Portuguesa pela UFMG. Sou bacharelanda em Direito com previsão de conclusão em dezembro de 2016, pela Faculdade de Sabará.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria