III – SOBERANIA DAS LEIS BRASILEIRAS

III.1 – Propaganda difamatória do Processo de Impeachment e das instituições brasileiras

O Governo e seus aliados estão promovendo uma forte campanha difamatória sobre o processo de impeachment. Os palanques e tribunas públicas, pelo menos até que o afastamento da Presidente Dilma não tivesse sido determinado, estavam sendo utilizados para a divulgação de uma campanha de difamação contra o processo de impeachment. Campanha que prossegue no Congresso e nos palanques da militância.

A defesa da Presidente Dilma tornou-se prioridade para o seu partido, para seus parlamentares e até para seus aliados que exercem cargos públicos. Parlamentares, Ministros e outros agentes remunerados pelo Poder Público deixaram de lado suas prioridades institucionais para atuarem diuturnamente na defesa contra o impeachment da Presidente.

Um caso emblemático foi a dedicação integral do então Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardoso, à defesa da Presidente Dilma perante o Congresso Nacional, enquanto ações importantes para a Nação foram deixadas em segundo plano, como os Mandados de Segurança nº 34023, 34110 e 34122 que tramitam no Supremo Tribunal Federal, nos quais os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais questionam o cálculo dos juros a serem aplicados às dívidas dos mesmos com a União. Os estados pretendem pagar sofrendo incidência da taxa Selic, enquanto a União espera receber a dívida com juros compostos (capitalizados). Os estados já obtiveram liminares que impedem a União de impor sanções tais como bloqueio de repasse de recursos federais, ainda que os autores das ações paguem as prestações utilizando o cálculo dos juros simples[13]. Enquanto o Advogado-Geral da União se esforçava para manter o Mandato da Presidente Dilma, os estados lutavam para impor seu entendimento. Na sessão do dia 27/04/16, mesma época do trâmite do impeachment no Congresso Nacional, o STF suspendeu o julgamento das ações por 60 dias. O prejuízo da União nos próximos anos pode chegar a R$ 402 bilhões[14]. Enquanto isso, o Advogado-Geral da União seguiu em defesa exclusivamente da Presidente da República em sua luta pessoal para vencer o impeachment. Assuntos urgentes como este da dívida dos estados também deveriam ter a mesma atenção.

Pois bem, aquele mesmo Ministro da Advocacia-Geral da União, que deveria defender os interesses da “União”, e por consequência suas instituições, sua honrabilidade, sua imagem etc, tornou-se um dos maiores difamadores das instituições brasileiras. É o que ele faz quando grita que o processo é ilegal, ilegítimo, sem provas, que a acusada estaria sendo injustiçada:

Estamos indignados. [A decisão é uma] ruptura à Constituição Federal, configura a nosso ver um golpe à democracia e aos 54 milhões de brasileiros que elegeram a presidenta, um golpe à Constituição. Temos hoje mais um ato na linha da configuração de um golpe, o golpe de abril de 2016, que ficará na história como um ato vergonhoso[15].

O processo difamatório seguiu entre Parlamentares. Disse o Deputado Federal Givaldo Vieira (PT-ES)[16]:

Dilma, honesta, pode ser afastada por criminosos”. “É isso que vocês querem? Tirar o governo de uma pessoa que o mundo inteiro sabe que é do bem para entregar à dupla Temer e ao seu vice-réu, Cunha? Vão passar o governo a um sem-voto?

Disse o Deputado Federal Reginaldo Lopes (PT-MG)[17]:

Portanto, mesmo que os companheiros desta Casa não concordem, é uma tentativa de golpe. E mais uma vez a História será implacável com aqueles que propõem o golpe”. O parlamentar perguntou onde estavam os que perseguiram Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e João Goulart. “Todos estão na lata do lixo da História”, ressaltou.

Artigo na página eletrônica do Partido dos Trabalhadores comenta um dos discursos do Senador Donizete Nogueira (PT-GO)[18]:

Ao finalizar o seu discurso, Nogueira salientou que o impeachment é uma farsa montada por aqueles que não conseguem ganhar no voto e querem ganhar no golpe. “É golpe porque não existe o crime. Desde o final de 2014 que estão impitimando a presidenta Dilma. Estavam procurando o crime, não acharam o crime, mas inventaram o crime”, completou.

Sem sucesso em sua defesa durante a admissão do processo na Câmara dos Deputados, a Presidente Dilma levou o discurso de golpe à impressa internacional. Em 22/04/16, durante coletiva de imprensa em Nova York ocorrida após a cerimônia de assinatura do Acordo de Paris para redução de emissão de dióxido de carbono, a Presidente afirmou[19]:

Golpe é um mecanismo pelo qual você tira pessoas do Poder por razões que não estão expressas na lei. Não há crime de responsabilidade contra mim. Os golpes militares se deram rompendo a Constituição. E no meu caso há um outro jeito de se dar o golpe: basta a mão (do voto dos congressistas), que é extremamente poderosa. Com ela você rasga a Carta Constitucional e está dado o golpe. Você rasga os princípios democráticos, está dado o golpe.

Se eu, que sou presidente da República, me sinto vítima de um processo ilegal, golpista e conspirador, imagine o que poderá ocorrer à população pobre do Brasil quando seus direitos forem afetados. A garantia de meu direito não é só minha, pessoal. É a de que a lei irá se sobrepor a qualquer interesse pessoal ou político na nação (...)

Naquela mesma ocasião, a Presidente Dilma afirmou que se o Senado acatasse a denúncia para o impeachment e a afastasse do cargo por até 180 dias, ela iria pedir ao Mercosul e à União das Nações Sul-Americadas (UNASUL) que suspendessem o Brasil devido à quebra do processo democrático no País.

Com esse discurso de golpe, a Presidente Dilma e seus aliados buscam enfraquecer e desacreditar as instituições e as leis brasileiras. Afirmar que existe um golpe em curso significa dizer que o cidadão não pode apresentar denúncia contra a Presidente, que o Presidente da Câmara não poderia apresentar o requerimento para deliberação do plenário da casa, que os Deputados Federais não poderiam votar pela aceitação ou rejeição da denúncia e que o Senado Federal não poderia conhecer do pedido e afastar a Presidente. Não é correto esse discurso pelos aliados da Presidente já que cada um desses atos possuem previsão na Constituição Federal e na Lei nº 1.079/50, como já se explanou neste trabalho.

Existe previsão legal para que o Congresso Nacional aceite e processe o Chefe do Poder Executivo em caso de denúncia de crime de responsabilidade. É inequívoca essa competência, que nesse caso não é meramente um poder, mas sim um dever legal.

O povo brasileiro anseia por verem os acusados processados, sejam eles conhecidos ou desconhecidos, poderosos ou humildes, civis ou autoridades. Nisso reside a legalidade, a igualdade e a verdadeira segurança institucional.

Desacreditar as instituições brasileiras, desacreditar os agentes públicos brasileiros, humilhar o Brasil perante as outras nações, os organismos e imprensa internacionais não ajuda a resolver os problemas do País.

Os muitos problemas brasileiros já são notícia diariamente interna e externamente graças ao trabalho da imprensa nacional e dos correspondentes internacionais, e mais recentemente graças à liberdade que a sociedade tem de postar nas redes sociais toda espécie de informação. Por isso, o Brasil não precisa e nem pode admitir que suas autoridades realcem uma imagem negativa do País.

Se o processo está previsto na lei, não há coerência no discurso de golpe. Tal discurso poderia configurar violação à moralidade prevista na Constituição Federal e à lealdade que os servidores são obrigados a manter para com as instituições.

A difamação das instituições não condiz com a conduta de qualquer cidadão, quanto mais de agentes eleitos ou nomeados para defender o País.

A Presidente e seus aliados não podem reclamar do processo por ser este uma decorrência da lei, e nem poderiam reclamar de um julgamento antes de saber a sentença.

Os votos conferem a legitimidade para que os Parlamentares exerçam as atribuições previstas na Constituição Federal e nas leis. Não se pode pensar que apenas o mandato Presidencial é legítimo. Portanto, a campanha difamatória não é legítima, mas ao contrário fere severamente os interesses nacionais.

III.2 – Opiniões estrangeiras demonstram desconhecimento dos processos legais brasileiros e desrespeito às leis brasileiras

É preciso que haja cautela da parte de Estados, autoridades, organismos e indivíduos estrangeiros sobre a situação política brasileira, principalmente no que se refere ao processo de impeachment. A falta de conhecimento acerca das normas que regulam os atos, ou a informação inconsistente podem produzir julgamentos equivocados e, quem sabe, até mesmo medidas equivocadas.

No dia 15/04/16, o Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro[20], afirmou que:

Para nós o feito fundamental é que está sendo realizado um processo de impeachment de uma presidenta [Dilma Rousseff] que não é acusada de nada, não responde por nenhum ato ilegal. É algo que verdadeiramente nos preocupa, sobretudo porque vemos que entre os que podem acionar o processo de impeachment existem congressistas acusados e culpados. É o mundo ao contrário.

Certamente o Secretário-Geral da OEA emitiu essa opinião sem conhecer o Parecer do Tribunal de Contas da União, sem ter vista do requerimento de impedimento protocolizado na Câmara dos Deputados entre outros documentos. Afirmar ao mundo que “Dilma não é acusada de nada” demonstra desconhecimento das leis brasileiras e demonstra falta de fé nas instituições brasileiras.

No Brasil, os indícios de autoria e materialidade são suficientes para a abertura de processo contra qualquer cidadão ou qualquer autoridade. Não pode haver perseguição, como também não pode haver privilégio. Os estrangeiros ignoram que a existência de um processo não traduz uma condenação, mas apenas um procedimento apuratório.

Opiniões como estas nada mais são do que desrespeito à soberania brasileira.

Em 18/01/2015 o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira foi executado na Indonésia por ter adentrado naquele País com treze quilos de cocaína escondidos dentro de uma asa delta em 2004. Houve muita crítica e esforço diplomático no sentido de evitar a aplicação da pena capital, a ponto de estremecerem as relações entre Brasil e Indonésia.

Sobre a questão, em 16/01/15 o Presidente da Indonésia, Joko Widodo[21], enviou carta à Presidente Dilma onde, entre vários trechos destacam-se:

Gostaria de sublinhar que, de acordo com a lei indonésia, o tráfico de drogas ilícitas inflige um crime grave devido ao seu impacto destrutivo para a sociedade e para o desenvolvimento da nação (...)

O governo da Indonésia assegurou que o processo legal fosse integralmente aplicado em seus casos e todos os seus recursos legais disponíveis foram empreendidos, de acordo com o sistema legal indonésio (...)

Uma nota do Governo Indonésio emitida após a Presidente Dilma ter recusado credencial de embaixador a um nomeado da Indonésia dizia que a Indonésia é um Estado Soberano e possui sistema judiciário independente e imparcial, e nenhum país estrangeiro pode interferir na aplicação das suas leis dentro da sua jurisdição, incluindo a aplicação das leis que tratam do tráfico de drogas[22].

Ora, é compreensível a discordância com a aplicação da pena capital, que aliás, é aplicada em Países como Estados Unidos e China. No entanto, a soberania dos Países deve ser respeitada.

Nisso reside a democracia, no respeito à legislação vigente no País. Assim também deve ser em relação ao Estado Brasileiro.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso