Prováveis impactos causados na vida da trabalhadora mulher em razão da Lei 13.287/16, que acrescentou dispositivo à CLT, para proibir o trabalho da gestante ou lactante em atividades, operações ou locais insalubres.

A Lei nº 13.287, de 11 de Maio de 2016, acrescentou dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), para proibir o trabalho da gestante ou lactante em atividades, operações ou locais insalubres.

No entanto, em que pese a boa intenção do legislador, questiona-se, sobretudo nas atividades hospitalares, se essa Lei traria maior proteção à trabalhadora mulher ou maior discriminação, tendo em vista a generalidade normativa.

De acordo com o art. 189 da CLT, “serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos”.

Todavia, a Lei nº 13.287/16 não estabeleceu diferenças entre os graus de insalubridade, ou o tempo de exposição aos seus efeitos, além de colocar na mesma condição a gestante e a lactante, que, apesar de merecerem proteção, se encontram em estados diferentes, sendo afetadas de forma diferente em relação a cada agente – químico, físico e biológico.

Ademais, a norma sequer conferiu ao Empregador a opção de eliminar ou neutralizar a insalubridade no ambiente de trabalho, determinando apenas que a gestante ou lactante seja efetivamente remanejada para local salubre.

E é aí que reside o problema: para onde essas mulheres, gestantes ou lactantes, serão remanejadas? Se as mulheres ainda enfrentam forte discriminação no mercado de trabalho, a contratação de trabalhadoras do sexo feminino em razão dessa nova situação jurídica, tende a ficar muito pior.

O Empregador terá que transferir, de repente, essas trabalhadoras para atividades que talvez nem existam em seus quadros, o que certamente levará a uma preferência na contratação de empregados do sexo masculino, ampliando a discriminação já existente.

E foi nesse contexto que a Confederação Nacional de Saúde, Hospitais e Estabelecimentos e Serviços (CNS) ajuizou, no Supremo Tribunal Federal, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5.605 contra a Lei nº 13.287/16, alegando que a novel legislação inviabilizaria a manutenção da atividade econômica das empresas e profissionais liberais prestadores de serviços de saúde, posto que, nesse  segmento, os profissionais são, em larga maioria, do gênero feminino, causando um impacto catastrófico.

Como se não bastasse, a previsão que acrescentava o parágrafo único ao art. 394-A, da CLT, foi vetada, de forma que as empregadas gestantes ou lactantes deixariam de perceber o adicional de insalubridade enquanto perdurasse o afastamento temporário.

Isto é, por mais bem intencionado que tenha sido o legislador, por tudo o que foi dito, a nova Legislação muito mais discriminou do que protegeu a empregada mulher.

Sendo assim, urge que os órgãos de proteção ao trabalhador estejam atentos à essa situação, a fim de que a nova Lei não tenha efeito contrário ao pretendido, sendo extremamente prejudicial à mulher trabalhadora.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso