Reprodução Reprodução

Holding é uma sociedade empresarial criada com o objetivo de participar de outras sociedades, como quotista ou acionista.

Holding vem do inglês “to hold” (ter ou deter a posse). Holding, portanto, é uma sociedade empresarial (pode ser Ltda. ou S/A) que participa de outras controlando-as. Os sócios ou acionistas transferem seus bens particulares (ações, quotas, imóveis, etc.) para a constituição do capital da sociedade Holding. Assim, pode-se dizer que sociedade holding é aquela que participa de outras sociedades, como quotistas ou acionista.

As Sociedades limitadas que adotarem a Lei das S/A como regência supletiva de sua legislação básica (Código Civil, art. 1.052 até 1.087), poderão constituir Holding sob a forma de Sociedade Limitada.

A sociedade Holding que participa (possui quotas ou ações) de outras sociedades como sócia chama-se “controladora” e a sociedade operacional que tem como sócio ou acionista uma sociedade holding tem a denominação de “controlada”.


TIPOS de holding

a) Holding pura

É aquela que tem como seu único objetivo social somente participar de outras sociedades controlando-as, consoante se pode ver do gráfico abaixo:

Nota-se que a holding sob a forma de Limitada somente será controladora da sociedade operacional se tiver, diretamente ou indiretamente, 75% ou mais do capital da sociedade operacional.

Já se a Holding for uma Sociedade Anônima bastará ter 50% + uma das ações ordinária com direito a voto da sociedade operacional. Por exemplo, Holding na forma de S/A com o capital constituído de ações ordinárias e ações preferenciais na proporção de 50% para cada um dos tipos de ações, bastará que a Holding Familiar detenha 50% + 1 das ações ordinárias para ter o controle da sociedade operacional, ou seja, 25% + 1 das ações ordinárias do capital social da controlada.

b) Holding mista

Quando, além da participação em outras empresas operacionais, explora alguma atividade empresarial, por exemplo: aluguel de imóveis próprios. Podemos representar na forma da figura abaixo:

Nota: além de participar no capital social da empresa operacional, a Holding poderá ter como objeto social “a administração de bens móveis e imóveis próprios”.


VANTAGENS da holding

Dentre as vantagens que facilitam a sucessão na empresa familiar podemos citar as seguintes:

a)- a primeira e mais importante função da Holding Familiar é criar uma barreira para que os conflitos familiares não “respinguem” nas empresas operacionais. Dessa forma, evita-se que as divergências entre os sócios/acionistas e seus familiares (divórcio, união estável, etc.) fiquem no âmbito da Holding e não possam atingir a gestão das empresas operacionais que são as geradoras das riquezas para toda a família;

b)- facilita o planejamento familiar na sucessão empresarial, na medida em que os herdeiros recebem quotas ou ações da sociedade Holding como herança e não bens determinados (móveis ou imóveis);

c)- proporciona maior facilidade na transmissão de heranças, pois ao invés de inventários custosos e demorados transmitir-se-á apenas quotas ou ações, normalmente através doação;

d)- ideal para se trabalhar com doações de quotas/ações e usufruto. É que se chama de “partilha em vida”, ou seja, o pai e/ou mãe podem antecipar a transmissão da herança a seus herdeiros através do contrato de doação. Para continuarem a receber lucros e administrarem as empresas controladas os pais podem gravar as doações com reserva de usufruto;

e)- possibilita redução da carga tributária das pessoas físicas através de “planejamento tributário”. É o caso, por exemplo, da pessoa física que possui vários imóveis para locação e está tributando esse rendimento como pessoa física. Nesse caso, sujeita-se à tributação através do Carnê Leão, isto é, a pessoa física fará o recolhimento do IRPF devido, com base na tabela progressiva vigente na data do recebimento.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0