Artigo tem como objetiva demonstrar a atualidade da “criminalização dos movimentos sociais a luta pelo direito a terra e à habitação” o resultado de uma pesquisa de campo na ocupação do bubas,Município de Foz do Iguaçu-Pr.

 O resultado de uma pesquisa de campo na ocupação do bubas Município de foz do Iguaçu, abordando os seguintes temas: Habitação; Moradia; Terras; Esbulho; Posse; Usucapião; IPTU Comércio Ilegal de Propriedade; Política; Aplainamento da distribuição de riqueza e equilíbrio social; Bens Consumíveis; Criminalização; Margem de pobreza; Educação;  Direitos Humanos.  Esse estudo busca evidenciar a disputa de mediação jurisprudencial envolvendo a ocupação da chamada “invasão do bubas”

Comentam-se nas redes socias e jornais que a região do Porto Meira no município de foz do Iguaçu-PR, com frequência,  passa por uma situação de  criminalização dos movimentos sociais, que encontra-se no acentamento da comunidade bubas, assim, sobre os vários conflitos morosos gerados mediante a dificuldade de conciliação entre proprietários de terras urbanas e os que se titulam merecedores dos direitos de morar,  em andamento, devido o conflito na linha do tempo as vias judiciais tratando morosamente da situação, aonde uma grande massa de moradores encontraram o lar.  

Ao fazer uma análise da sociedade em questão, foi possivel identificar, que existe moradores abaixo da linha pobreza, mas que tambem existem aqueles acima da linha, é visivel os reivindicadores do direito de moradia, que estão buscando por um direito garantido na constituição que fica a resposnsabilidade do governo atual comprir, com fulcro,  busca-se então descobrir as causas geradoras desses conflitos.

Ao se examinarem algumas vertentes, verifica-se que as fontes do direito abstrato não conseguem alcançar o direito real em sua aplicação, em pleno século XXI no ano de 2017 percebe-se que o direito ainda não atingiu seu ápice e os movimentos sociais de direito a terra e à moradia não faz tréguas. Pode-se mencionar, por exemplo, que as autoridades fazem vistas grossas e que o governo tem pouca influência, deixando à margem de conflitos a flor da pele entre os que possuem a posse e aqueles que possuem o direito de titularidade.

Em conseqüência disso, vêem-se, ao presente momento os novos protagonistas do filme “Cidade de Deus” uma versão mais jovem praticamente achocolatado, muitos ainda brincão de linha, bambu, cerol e pipa nas ruas, mais já são respeitados na comunidade pelas suas atitudes,  porque já sabem qual faculdade cursar,  querem ser famosos e passar na televisão,  atração principal na tribuna da massa.

Os reflexos da luz do direito atingiram a balança da justiça, a espada pende para a esquerda e para a direita em lados opostos os princípios polidamente colidem, o direito a vida, moradia, a dignidade humana conquistados na revolução francesa, egalite, fraternite, liberte, que ficam frente a frente com os dois pesos pesado do O Direito Civil-Constitucional,  Savigny e sua teoria subjetiva  e  Rudolf von Ihering com a teoria objetiva destacando o princípio social de propriedade e o direito de propriedade,  sobre esse prisma, faz-se-a o jus puniend a justiça ou cruzara os braços e deixara que a espada caia as cegas.

A justificativa para a sua realização, a originalidade e a lógica que guiou a investigação foi à curiosidade de um local que não está no “GPS”, aonde as ruas não aparecem em mapas, tão pouco, tem talão à conta de luz, água e saneamento básico, pode-se mencionar, por exemplo, que a luz do direito de moradia mesmo sendo reconhecida em 1948 junto com a declaração universal dos direitos humanos encontra-se como parte hipossuficiente em 2016.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria