Esclarece as alternativas do comprador de veículo com defeito para solução do conflito.

Vamos tratar de um assunto, muito embora pareça difícil acontecer, tem-se mostrado muito comum, a compra do veículo zero que apresenta defeito, ou seja, a tão sonhada conquista do carro zero passa ser um pesadelo na vida do consumidor.

Não é razoável, um veículo zero apresente problemas contínuos, principalmente com poucos meses de uso, aplicando ao proprietário uma frustração/insatisfação pelo negócio realizado, além disso há que se considerar que a vida estará em risco se pensarmos na falta de segurança que esses problemas possam ocasionar.

O ideal é que o consumidor fique atento, pois existem regras específicas para solução do conflito. Atentar para garantia do produto, 30 dias para bens não duráveis (ex: alimentos) e 90 dias para bens duráveis (ex: veículo). Se for o caso de vício oculto (aquele que não é facilmente constatado) o prazo de garantia só começará a correr a partir da descoberta do problema.

Primeiro passo é a análise ainda na concessionária, se o veículo apresenta algum problema, listar os vícios para que a concessionária possa repará-lo antes de sair da loja. Sempre guardar a ordem de serviço para comprovar que o veículo já passou por algum procedimento, pois referido documento será a prova que foi feita a reclamação no momento da retirada.

O Código de Defesa do Consumidor (Lei 8078/1990) é claro ao determinar a responsabilidade solidária entre o fabricante (montadora) e o comerciante (art.12 e 13 CDC[1]) e ainda respondem independentemente da existência de Culpa.

Identificado o vício, a concessionária terá um prazo de 30 dias para reparar o problema, após esse prazo, existem alternativas que serão da escolha do consumidor, ou seja, a concessionária não poderá impor uma alternativa, o consumidor pode escolher pela troca do veículo, em condições de uso e segurança; abatimento no preço pago, de acordo com o problema apresentado, ou ainda receber o valor pago corrigido monetariamente, de acordo com o que disciplina o art. 18 do CDC.

Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas.

§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o CONSUMIDOR EXIGIR, alternativamente e À SUA ESCOLHA:

I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;

II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos;

III - o abatimento proporcional do preço. (...)[2]

               Mesmo que ocorra a existência de vícios contínuos e o veículo passe pelo conserto na concessionária, o direito do consumidor se mantem quanto as alternativas elencadas no art. 18 do CDC, pois é dever do fabricante e do comerciante abster-se de disponibilizar no mercado produtos que não trazem segurança e colocam em risco a vida e saúde do proprietário.

              Outro ponto forte a ser considerado, é que a compra de um carro zero que tem vários problemas, traz uma angústia, uma frustração, uma preocupação com custos não planejados anteriormente, como gastos com locomoção alternativa, guincho etc. O consumidor adquire um  automóvel zero pensando justamente na possibilidade de não ter problemas mecânicos, elétricos etc, agora se há uma alteração na rotina do proprietário, em razão dos vícios apresentados, é natural que além das alternativas já apresentadas, o Judiciário tenha cada vez mais determinado valores a título de danos morais e materiais para minorar os efeitos que esses prejuízos possam causar na vida do comprador, pois a sua expectativa foi privada da utilização do bem ao constatar os problemas que esse veículo trouxe.

             O Código de Defesa do Consumidor preserva e ampara o comprador de veículo com defeito, tornando possível a reparação através de ação judicial contra a loja/concessionária, contra a empresa fabricante, bastando demonstrar a existência de defeitos para visualizarmos o bom direito do proprietário.

                                         


[1] Art.12 e 13 do Código de Defesa do Consumidor – Lei 8078 de 11 de setembro de 1990;

[2] Art. 18 do Código de Defesa do Consumidor – Lei 8078 de 11 de setembro de 1990;



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria