No dia 28/04 foi publicado o Convênio ICMS 52/2017 e verifica-se que houve realmente um compilado da legislação vigente acerca do ICMS/ST, inclusive com a revogação do Convênio ICMS 92/2015.

No dia 28/04 foi publicado o Convênio ICMS 52/2017 e verifica-se que houve realmente um compilado da legislação vigente acerca do ICMS/ST.

Neste pequeno artigo vou apresentar apenas alguns pontos importantes trazidos pelo Convênio ICMS 52/2017, cabendo uma análise mais acurada em momento posterior, por isso, caso surja alguma dúvida, deixe seu comentário e na sequencia vou esclarecendo as dúvidas, combinado?

Então vamos lá!

Da leitura deste Convênio fica bastante claro que o CONFAZ busca agora centralizar as informações acerca da substituição tributária em seu portal, existindo inclusive a previsão na Cláusula trigésima segunda, de que os Estados devem comunicar o CONFAZ sempre que houver: a) redução ou restabelecimento de base de cálculo; b) alteração de alíquota de produtos sujeitos à substituição tributária e; c) sempre que o Estado decidir por instituir o regime de substituição tributária em data diversa daquela apontada no convênio ou protocolo:

Cláusula trigésima segunda. As unidades federadas comunicarão à Secretaria Executiva do CONFAZ, que providenciará a publicação no Diário Oficial da União:
I - qualquer redução ou restabelecimento da base de cálculo ou alteração na alíquota de bem ou mercadoria sujeitos ao regime de substituição tributária;
II - a instituição do regime de substituição tributária em data diferente da estabelecida no convênio ou protocolo;
III - a denúncia unilateral de acordo.

A Cláusula Segunda do Convênio prevê ainda que o regime da ST dependerá de Protocolo e Convênio entre os Estados e que os Entes Federativos poderão estabelecer que a adoção destes Convênios ou Protocolos dependerá de ato do Poder Executivo – este entendimento já era vigente, porém agora está bastante claro que caso o Estado não determine que a aplicação da ST depende de alteração em sua legislação interna (ato do Poder Executivo), o regime de substituição tributária passa a vigorar a partir da data constante no Convênio ou Protocolo.

Existe também a previsão na Cláusula Quinta de que nas operações com combustíveis e lubrificantes, energia elétrica, venda porta a porta e veículos automotores vendidos diretamente para o consumidor, as regras relativas à ST serão tratadas em convênio específico a ser celebrado entre as unidades da federação.

Outra previsão importante trazida é com relação ao disposto na Cláusula Sétima, §§2º e 3º os quais estabelecem que as reclassificações de mercadorias não implicam em inclusão ou exclusão deste produto da substituição tributária, devendo o contribuinte informar no documento fiscal a NCM vigente e observar o mesmo tratamento tributário atribuído à mercadoria antes de sua reclassificação:

Cláusula sétima. Os bens e mercadorias passíveis de sujeição ao regime de substituição tributária são os identificados nos Anexos II ao XXVI, de acordo com o segmento em que se enquadrem, contendo a sua descrição, a classificação na Nomenclatura Comum do Mercosul baseada no Sistema Harmonizado (NCM/SH) e um CEST.
§ 1º Na hipótese de a descrição do item não reproduzir a correspondente descrição do código ou posição utilizada na NCM/SH, o regime de substituição tributária em relação às operações subsequentes será aplicável somente aos bens e mercadorias identificadas nos termos da descrição contida neste convênio.
§ 2º As reclassificações, agrupamentos e desdobramentos de códigos da NCM/SH não implicam em inclusão ou exclusão de bem e mercadoria, classificados no código da referida  nomenclatura, do regime de substituição tributária.
§ 3º Na hipótese do § 2º, o contribuinte deverá informar nos documentos fiscais o código NCM/SH vigente, observado o mesmo tratamento tributário atribuído ao bem e mercadoria antes da reclassificação, agrupamento ou desdobramento.
§ 4º As situações previstas nos §§ 2º e 3º não implicam alteração do CEST.
§ 5º Os bens e mercadorias relacionados nos Anexos II a XXVI sujeitos ao regime de substituição tributária em cada unidade federada serão divulgados pela Secretaria Executiva do CONFAZ, na forma prevista em Ato COTEPE.

§ 6º Os convênios e protocolos, bem como a legislação interna das unidades federadas, ao instituir o regime de substituição tributária, deverão reproduzir, para os itens que implementarem, o CEST, a classificação na NCM/SH e as respectivas descrições constantes nos Anexos II a XXVI.
§ 7º A exigência contida no § 6º não obsta o detalhamento do item, nas hipóteses em que a base de cálculo seja o Preço Médio Ponderado a Consumidor Final (PMPF) ou o preço sugerido, desde que não restrinja ou amplie o alcance da descrição constante nos Anexos II a XXVI.

Destaca-se ainda o §5º supra transcrito pois o mesmo prevê que existirá no portal do Confaz uma relação de produtos sujeito à substituição tributária para cada Estado da Federação.

Com relação à retenção do ICMS/ST nas operações de transferência interestadual, o  inc. II da Cláusula Nona estabelece que:

Cláusula nona. O regime de substituição tributária não se aplica:
I - às operações interestaduais que destinem bens e mercadorias submetidas ao regime de substituição tributária a estabelecimento
industrial fabricante do mesmo bem e mercadoria, assim entendido aquele classificado no mesmo CEST;
II - às transferências interestaduais promovidas entre estabelecimentos do remetente, exceto quando o destinatário for estabelecimento varejista;
III - às operações interestaduais que destinem bens e mercadorias a estabelecimento industrial para emprego em processo de industrialização como matéria-prima, produto intermediário ou material de embalagem, desde que este estabelecimento não comercialize o mesmo bem ou mercadoria;
IV - às operações interestaduais que destinem bens e mercadorias a estabelecimento localizado em unidade federada que lhe atribua a condição de substituto tributário em relação ao ICMS devido na operação interna;
V - às operações interestaduais com bens e mercadorias produzidas em escala industrial não relevante, nos termos deste convênio.

§1º Ficam as unidades federadas de destino autorizadas a não aplicar o regime de que trata o caput nas operações entre estabelecimentos de empresas interdependentes, exceto se o destinatário for varejista, observado o disposto no § 6º da cláusula décima primeira.
§ 2º Em substituição ao inciso I do caput, não se aplica o regime de substituição tributária nas operações interestaduais destinadas a estabelecimento industrial localizado no Estado de São Paulo que seja fabricante de bem e mercadoria pertencentes ao mesmo segmento.
§ 3º Em substituição ao disposto no inciso II, nas transferências interestaduais destinadas aos Estados de Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Paraíba e Rio de Janeiro, o regime de que trata o caput não se aplica quando promovidas entre estabelecimentos do industrial fabricante, exceto quando destinada a estabelecimento varejista.
§ 4º Para aplicação do disposto no § 3º, em se tratando de transferência para estabelecimento distribuidor, atacadista, depósito ou centro de distribuição, estes deverão operar exclusivamente com produtos fabricados por estabelecimento industrial de mesma titularidade.

§ 5º O regime de que trata o caput não se aplica, também, às operações interestaduais promovidas por contribuintes varejistas com
destino a estabelecimento de contribuinte não varejista localizado no Estado de São Paulo.
§ 6º Para os efeitos desta cláusula, não se considera industrialização a modificação efetuada no bem ou na mercadoria pelo estabelecimento comercial para atender à especificação individual do consumidor final.
§ 7º Na hipótese desta cláusula, exceto em relação ao inciso V do caput, a sujeição passiva por substituição tributária caberá ao estabelecimento destinatário, salvo disposição em contrário na legislação da unidade federada de destino.
§ 8º Nas hipóteses de inaplicabilidade do regime de substituição tributária tratadas nesta cláusula, o sujeito passivo indicará, no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) que acobertar a operação, o dispositivo em que se fundamenta a referida inaplicabilidade.

A previsão de não incidência do ICMS/ST nas transferências já constava do Convênio 81/93 (revogado pelo Convênio 52/2017), porém os Estados sempre trouxeram exceções a esta regra, mas será importante acompanhar como os Estados irão se comportar a partir de agora – se irão manter as exceções ou se irão adotar esta regra geral.

Já a previsão do §§3º e 4º, principalmente em relação à Bahia, verifica-se que se trouxe para o Convênio previsão já existente na legislação interna deste Estado, que trata de operações realizadas entre estabelecimentos do industrial fabricante.
Salienta-se que o §2º da Cláusula Vigésima Primeira determina que nos casos em que não incida o ICMS/ST nas transferência, que tal fato deverá ser informado no campo Informações Complementares da Nota Fiscal:

§ 2º Nas hipóteses de inaplicabilidade do regime de substituição tributária tratadas na cláusula nona, o sujeito passivo indicará, no campo "Informações Complementares" do documento fiscal que acobertar a operação, o dispositivo em que se fundamenta a referida inaplicabilidade.

§ 3º A inobservância do disposto no caput desta cláusula implica exigência do imposto nos termos que dispuser a legislação da unidade federada de destino.

Outro fato que entendo ser importante é que o Convênio torna mais clara as regras para se fixar o percentual da MVA em suas Cláusulas Vigésima Quarta a Vigésima Oitava – não vou transcrevê-las aqui, mas vale à pena uma leitura detalhada destas Cláusulas.

Outro ponto a se atentar é com o disposto na Cláusula Décima Terceira:

Cláusula décima terceira. O imposto devido por substituição tributária integra a correspondente base de cálculo, inclusive na hipótese de recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna da unidade federada de destino e a alíquota interestadual.

Trata-se de uma previsão idêntica à que existe com relação ao ICMS-Próprio, tendo em vista que o ICMS-Próprio integra sua própria base de cálculo, agora existe a previsão de que o ICMS/ST integrará sua própria base de cálculo, inclusive nos casos de recolhimento do diferencial de alíquota.

A Seção V trata do Ressarcimento, e traz como regra geral o ressarcimento junto ao fornecedor da mercadoria por meio de emissão nota fiscal, a qual deverá ser chancelada pela autoridade competente, porém o §5º da Cláusula Décima Sexta traz a possibilidade de os Estados estabelecerem forma diversa de ressarcimento, ainda que sob outra denominação.

Tem-se ainda o disposto na Cláusula Trigésima Quarta que estabelece que os Estados deverão revisar os Convênios e Protocolos no intuito de reduzir o número de acordos por segmento, trazendo os seguintes prazos para tanto:

Cláusula trigésima quarta. As unidades federadas revisarão os convênios e protocolos que tratam do regime de substituição tributária do ICMS relativo às operações subsequentes, vigentes na data de publicação deste convênio, de modo a reduzir o número de acordos por segmento, observado o cronograma previsto no § 2º.
§ 1º Os acordos de que tratam o caput poderão ser realizados em relação a determinados segmentos ou a determinados itens de um mesmo segmento.
§ 2º A implementação da redução dos acordos vigentes dar-se-á observado o seguinte cronograma correspondente aos segmentos de:
I - cigarros e outros produtos derivados do fumo; cimentos; sorvetes e preparados para fabricação de sorvetes em máquinas; rações para animais domésticos; bebidas alcoólicas, exceto cerveja e chope; cervejas, chopes, refrigerantes, águas e outras bebidas; pneumáticos, câmaras de ar e protetores de borracha; veículos automotores; veículos de duas e três rodas motorizados; autopeças; até 30 de junho de 2017;
II - materiais de construção e congêneres; materiais elétricos; lâmpadas, reatores e "starter"; ferramentas; tintas e vernizes; produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos; materiais de limpeza; papéis, plásticos, produtos cerâmicos e vidros; produtos de papelaria; produtos alimentícios; até 31 de agosto de 2017;
III - medicamentos de uso humano e outros produtos farmacêuticos para uso humano ou veterinário; produtos de perfumaria e de higiene pessoal e cosméticos; até 30 de setembro de 2017.

As disposições deste novo convênio começam a vigorar nas seguintes datas (Cláusula Trigésima Sexta):

  • A partir de 1º de maio com relação ao disposto na Cláusula trigésima quarta, que trata da revisão dos convênios e protocolos;
  •  A partir de 1º de julho com relação à obrigação de se informar o CEST; 
  • A partir de 1º de outubro com relação às demais previsões.

Estas são as principais previsões trazidas pelo Convênio ICMS 52/2017 e como disse anteriormente, vamos tratando das novidades forma mais detalhada na sequência, conforme as dúvidas forem surgindo.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria