O artigo examina o tema fazendo menção a doutrina na matéria.

I - AS SERVIDÕES PREDIAIS 

No direito romano, a servidão pessoal se opunha a servidão predial.

A servidão predial era um direito real estabelecido sobre um imóvel, o imóvel serviente em proveito de um outro imóvel, o imóvel dominante.

Havia várias formas de servidões prediais:  

Podemos falar em  servidões: 
Positivas X Negativas: As positivas implicam na prática de um ato pelo titular da servidão sobre o prédio serviente, como a servidão de tirar água; As negativas importam em abstenção, como exemplo, a servidão de não construir um muro acima de determinada altura.
Contínuas X Descontínuas: As contínuas são aquelas que, uma vez instituídas, não dependem de ato humano para o seu exercício, como, por exemplo, a servidão de aqueduto; instalados os condutos próprios para que a água flua, a passagem da água pelo duto não depende de atividade humana. As descontínuas, ao contrário, são aquelas cujo exercício depende de ato humano, como por exemplo a servidão de passagem. Ainda que, no solo, tenham-se realizado obras, no sentido tornar viável a passagem, só se poderá dizer que a servidão é exercida quando alguém transita pelo caminho.
Aparentes X Não Aparentes: As aparentes são aquelas que se revelam por sinais exteriores, podendo ser vistas pelo homem, como a de aqueduto, quando os condutos passam por sobre a superfície do terreno; As não aparentes são as que não possuem sinais exteriores, ou seja, não se pode afirmar que em determinado local há servidão, como por exemplo a servidão de aqueduto, quando os condutos são subterrâneos

As servidões prediais proporcionavam uma utilidade ao imóvel e não à pessoa; assim o direito de caçar no imóvel alheio não pode ser objeto de servidão. A servidão predial suponha a contiguidade ou, pelo menos, a vizinhança entre os imóveis, mas uma servidão de passagem e as servidões urbanas podiam constituir-se a despeito de se interpor, entre eles, um logradouro público ou um jardim.
As servidões prediais não podiam ser alienadas separadamente do imóvel dominante; vendia-se o imóvel com as servidões que o oneravam ou o beneficiaram. Justiniano permitia o penhor de servidões rústicas em favor do credor proprietário de um imóvel vizinho, sendo-lhe facultado vende-las a um outro vizinho se a divida não fosse paga.
As mais antigas servidões, como ensinou Ebert Chamoun(Instituições de direito romano, 1968, pág. 269), foram as servidões rústicas. Eram servidões de passagem e compreendiam a via, que autorizava o transporte de gado ou materiais por uma estrada construída no imóvel alheio, o iter que dava o direito de atravessar a pé ou a cavalo o imóvel alheio e o actus que consistia no direito de levar gado através do imóvel alheio; e as servidões relativas às águas, a servidão de aqueduto(aquae ductus) que era o direito de derivar água do imóvel alheio ou de conduzi-la através deste, a servidão aquae haustos, consistente no direito de retirar água do imóvel vizinho.
No direito romano, havia ainda a servitus pecoris ad aquam adpulsus que autorizava fazer o gado abeberar-se no imóvel vizinho Falava-se na servitus pecoris pascendi ou o direito de fazer pastar o gado no imóvel alheio. As servidões calcis coquendae, cretae exhimendae e arenae fodiendae ,   eram relativas, respectivamente, ao direito de preparar cal, extrair barro ou areia.
As servidões rústicas eram positivas.
As servidões urbanas podiam ser positivas ou negativas.
A doutrina considera que as mais frequentes eram a servitus tigni immittendi ou direito de travejar no muro do prédio vizinho, a servitus stllicidiii ou direito de deixar cair a água da chuva sobre o imóvel vizinho, a servitus fluminis que ocorria quando essa água fosse recolhida em canais, e servitus cloacae, relativas aos esgotos de casas, a servitus oneris ferendi ou o direito de apoiar o edifício em muro ou pilastras alheios, a servitus proiiciiendi ou direito de deitar, a servitus protegendi quando esse direito se exercesse em recinto fechado, a servitus altius non tollendi que acarretava o dever de não erguer construções, a servitus ne luminibus officatur, relativa ao dever de não tolher a luz ao imóvel dominante, a servitus ne prospectui offciatur quando esse dever se referisse à passagem, a servitus luminum ou direito de abrir janelas no muro comum ou no do vizinho.

II - SERVIDÕES PESSOAIS 


Fala-se nas servidões pessoais que eram: o usufruto, o uso, a habitação e o direito às operae de um escravo ou animal doméstico, no direito romano.
As operae desapareceram. 
O usufruto(ususfructus) era o direito de usar e gozar da coisa alheia sem destruir a sua substância. Sua função econômica, como explicou Ebert Chamoun(obra citada, pág. 271), consistia em assegurar a alguém os meios de subsistência: tinha uma finalidade alimentar.
O usufruto era um desdobramento do domínio. O titular do usufruto era o fructuarius; o proprietário da coisa sujeita ao usufruto era o nu proprietário.
Já se via no usufruto uma cessão das faculdades de uso e gozo e simples exercício deles. Era um direito real ao contrário da locação, onde havia uma cessão de faculdades de uso e de gozo, de natureza contratual. 
O usufruto podia se constituir sobre coisas inconsumíveis.
 O quase-usufruto envolvia o usufruto de coisas consumíveis. O quase-usufrutário tornou-se proprietário das coisas sujeitas a seu direito, mas presta caução de que as restituirá no fim do quase-usufruto. Permitia-se, por analogia, o usufruto de um crédito; se a dívida era paga, o quase – usufrutário percebia os juros do capital obrigando-se a restituí-lo no fim do quase-usufruto.
O usufrutário tinha o direito de usar e adquirir os frutos naturais e civis da coisa.
O usufrutário devia suportar todas as despesas necessárias à manutenção da coisa.
O usus era o direito de usar a coisa alheia na medida dos próprios interesses e da família. O usuário não podia perceber os frutos, sequer ceder o exercício de seu direito. À época de Justiniano, foi alargado o direito do usuário, admitindo que ele pudesse perceber os frutos para alimentar a si próprio e à sua família.
A habitação(habitatio) era o direito de uso de uma casa. O titular do direito de habitação devia morar pessoalmente na casa, admitindo-se a companhia da mulher, dos filhos, dos libertos. Até Justiniano proibia-se a locação.
O direito de usar dos serviços de escravos nascia de um testamento e podia ser objeto de locação.
A constituição direta de uma servidão podia dar-se mediante legado, o qual tornava dominante o imóvel de um dos herdeiros e serviente o outro ou instituía um usufruto; por mancipação, se era o caso de servidões rústicas, que eram res mancipi; por in iure cessio, efetuando o pretor a addictio da servidão, diante da passividade do réu ao qual o autor de forma fictícia reclamou a lesão de seu direito; pela adiudicatio quando, num iudicium in legitimum relativo a divisão de terras, o juiz atribuía a uma das partes uma servidão sobre o imóvel da outra; e, por usucapião, possivelmente para o caso das chamadas servidões rústicas até uma lei Scribonia de uma data ignorada.
A constituição indireta ocorria quando uma coisa fosse alienada, mas com reserva de usufruto ou quando fosse dividida e alienada uma de suas partes, mas onerada por servidão em proveito de outra.
Noticia-se que a mancipação e a in iure cessio não se aplicavam, porém, aos imóveis provinciais.
No direito justiniâneo, abolidas a mancipatio e a in iure cessio e extinta toda diferença ente imóveis itálicos e provinciais, a servidão podia se adquirir por simples convenção, independente de qualquer formalidade.
Na última fase do direito romano, o usufruto podia ser criado pela lei, como no caso do usufruto  do paterfamilias sobre o pecúlio adventício ou do cônjuge sobre os lucra nuptialia.
As servidões prediais eram extintas com a destruição do imóvel dominante ou serviente, ou mesmo pela diminuição do imóvel dominante. O usufruto desaparecia com a destruição da coisa.
As servidões cessavam pela renúncia.
As servidões desaparecem com o advento de termo ou condição extintiva, salvo, iure civile, as servidões prediais.
O não uso acarreta a extinção das servidões prediais, rurais, do usufruto e do uso, no direito clássico em dois anos e um ano conforme se tratasse de coisas móveis ou imóveis, no direito de Justiniano, em dez anos entre presentes e vinte anos entre ausentes.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso