O Direito tem muitas metáforas e uma delas remete ao semáforo - quase intermitente.

~~ O uso de metáforas é um recurso válido, ilustrativo e revelador de alguns dos significados que se embrenham em palavras, conceitos e acontecimentos. Porém, muitas vezes, o mais importante se revela na possibilidade de cada um tirar conclusões pessoais sobre os sentidos embutidos em determinada metáfora. Como veículo de comunicação, a metáfora nos transporta de encontro a algumas de muitas reflexões possíveis.
A metáfora é um tipo de novelo que leva o intérprete ao desafio criativo de promover novas leituras enviadas pela essência do mecanismo: fazendo-se a reflexão, crítica ou propositiva, é o melhor que se pode esperar de qualquer fabricação humana. Na metáfora não há, estritamente falando, certo e errado. A criatividade permite o ajustamento referencial de acordo com as culturas, o conhecimento acumulado e a qualidade da reflexão inerente a cada época.
Desse modo, a metáfora convida à locomoção por entre as informações possíveis, e instiga à mudança. Afinal, como transporte, não pode estacionar, liquidando-se em estado inercial, como se a resposta já não habitasse o íntimo do sujeito que se identifica pela necessidade de novos saberes.
 Dito isto, vejamos como podemos entender a metáfora que intitula este (com)texto. O semáforo, como todos sabem, varia entre vermelho, amarelo e verde; sendo que, resumidamente, o vermelho ordena parar, o amarelo exige atenção e o verde autoriza a agir. E o direito está nas três fases ou se ocupa, concomitantemente, das três modalidades.
O direito ambiental, por exemplo, requer insistente – independente do meio ambiente específico – que nos mantenhamos em movimentos de cautela, precaução e preservação, como se vê no inciso II do artigo 225 da Constituição Federal. Além de obrigar a preservar e restaurar o meio ambiente (art. 225, I, da CF/88). O mesmo artigo da Constituição incita ações de recuperação e de restauração (§2º) e inações (inciso VII). Orientando-se, a rigor, pelo Princípio da Cooperação (caput); além de impor o tom vermelho de penalidades variadas (§3º).
A seguir a recomendação internacional da posição das cores no semáforo, o vermelho (acima) solicita ao indivíduo que pare, que estanque a ação, pois há perigo imediato: “não vá adiante, não faça”. Pois, diante da grave violação, erosão do direito, há coerção a ser aplicada à transgressão. É a cor típica do direito penal.
O amarelo é ação cautelar. Equilibrado ao centro da máquina e do imaginário, o amarelo recomenda prudência, atenção, cuidado: “evite fazer, detenha-se com precaução”. É um apelo de conservação do direito (especialmente de outrem). Essa expectativa de direito transita entre as liberdades conquistadas, o direito prescrito e as garantias asseguradas. Sob o sinal verde, os institutos e os Princípios Gerais do Direito congregam a responsabilidade, a ética e a convivialidade. Postada na instância da Política, por definição e por óbvio, é pacífica a convivência no bom senso.
No verde – instado no limite abaixo do equipamento – é assegurado ao sujeito de direitos que faça (transite) ou requisite a ação livre, consciente e positiva. Ultrapassando a marca limítrofe, passando adiante, o sujeito da ação é convidado a demandar. É a origem (ab ovo) da Luta pelo Direito. Com liberdade é capaz de formular o direito premial. Sem limites, o Poder Constituinte Originário atua como requerente da consciência acerca do próprio direito de quem ousa dar movimento às suas demandas.
Outrossim, pelos (des)caminhos entre o vermelho, o amarelo e o verde, há um fluxo constante e irrefreável entre (i)legalidade e (i)legitimidade. O direito, então, não se limita a uma relação pautada por uma ordem binária: certo e errado. Há fases intermediárias, de lusco-fusco – assim como em tudo na vida. Por meio do sinal que acende ou apaga, entremeios que autorizam ou inibem, há o realismo entre a efetividade e a negação do direito: os privilégios e as leis privadas, as leis injustas e o antidireito.
O vermelho, como se viu, é o campo das exceções, ao passo que o verde consagra o direito como realização da condição humana. O amarelo, por fim, é a escolha que sempre temos diante de nós, para transitar entre um e outro. Entre o direito de fazer (verde) e o dever de se abster (vermelho), há uma ponderação (amarela) que compete ao cidadão manifestar em liberdade.
O transgressor, sem equivalência na linha reta do direito (directum), é aquele que invade a autorização que pertence mormente ao Outro. Neste ato, impõe-se ao direito ser a referência na modalidade de Justiça – quer seja para restaurar ou retribuir.

Vinício Carrilho Martinez (Dr.)
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/CECH.


 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria