Como alternativa para diminuir os efeitos da guerra fiscal dos Estados, foi alterada a sistemática de incidência do ICMS nas vendas de mercadorias e prestações de serviços a consumidores finais não contribuintes localizados em Estados distintos.

 

Até a promulgação da Emenda Constitucional, em 2015, nas transações interestaduais, o ICMS era devido integralmente ao Estado de origem, calculado pela alíquota interna deste. Com a entrada em vigor da Emenda Constitucional nº 87/2015, o Estado de destino receberá parte do diferencial de alíquota, quando for o caso.

Este novo sistema estabeleceu nessas operações o DIFAL (diferencial de alíquotas de ICMS), que consiste na diferença entre as alíquotas incidentes nas operações do Estado de origem e de destino do ICMS, como um mecanismo de proteção ao ente federado no qual o adquirente ou tomador de serviços não contribuinte do ICMS reside. Exemplificando, este novo cenário visa superar um grave problema dos Estados ditos “consumidores”, sobretudo das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que são atingidos pela perda de arrecadação, por exemplo, com o comércio eletrônico (e-commerce), cujos principais estabelecimentos estão sediados nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, onde, até então, era devido o imposto pelas operações dessa natureza.

A Emenda Constitucional nº 87/2015 promoveu asalterações mencionadas, ou seja, instituindo nova competência tributária do ICMS aos Estados de origem e de destino, estabelecendo o diferencial de alíquota nas operações e prestações interestaduais que destinem mercadorias e serviços para consumidor final que não seja contribuinte do citado imposto. Isto porque, antes das alterações por ela realizadas, alterando os incisos VII e VII, §2º, do art. 155, da Constituição Federal, a diferença entre as alíquotas interna e interestadual de ICMS era aplicada somente ao consumidor final contribuinte do ICMS, localizado em outro Estado. Portanto, o regime de recolhimento era distinto quando o consumidor final era contribuinte ou não do ICMS.

REGIME DE TRANSIÇÃO (repartição de receitas)

Cabe ressaltar que referida alteração não será aplicável de imediato na proporção almejada, pois a própria emenda estabeleceu um regime de transição no que diz respeito ao impacto financeiro que possa vir ser sofrido por alguns Estados, com o objetivo de suavizar a queda da receita dos Estados de origem em decorrência da aplicação da alíquota interestadual (menor que a interna) em todas as operações e prestações de serviços a consumidores finais.

Esse regime de transição consiste na partilha temporária da arrecadação com o diferencial de alíquotas entre o Estado de origem (que cobrava a sua alíquota interna) e o Estado de destino (que passou a cobrar o diferencial de alíquota também nesta situação). É o que se verifica da leitura do art. 99 no ADCT, incluído pela EC nº 87/2015. Confira-se:

Art. 99. Para efeito do disposto no inciso VII do § 2º do art. 155, no caso de operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte localizado em outro Estado, o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual será partilhado entre os Estados de origem e de destino, na seguinte proporção:

I - para o ano de 2015: 20% (vinte por cento) para o Estado de destino e 80% (oitenta por cento) para o Estado de origem; 
             II - para o ano de 2016: 40% (quarenta por cento) para o Estado de destino e 60% (sessenta por cento) para o Estado de origem; 
            III - para o ano de 2017: 60% (sessenta por cento) para o Estado de destino e 40% (quarenta por cento) para o Estado de origem; 
            IV - para o ano de 2018: 80% (oitenta por cento) para o Estado de destino e 20% (vinte por cento) para o Estado de origem; 
            V - a partir do ano de 2019: 100% (cem por cento) para o Estado de destino.

Logo, nota-se que com a regra de transição haverá a distribuição proporcional pelos Estados de origem e de destino, com percentuais adicionais, em cada ano, de 20% para o Estado de destino, até o término da repartição de tais receitas no ano de 2019, quando o Estado de destino ficará com a integralidade da arrecadação.

RESPONSABILIDADE DO RECOLHIMENTO DO IMPOSTO

De acordo com a nova regra, a responsabilidade quanto ao recolhimento do imposto correspondente à diferença da alíquota interestadual e a interna do ICMS será: do destinatário, quando este for contribuinte do imposto; e do remetente, quando o destinatário não for contribuinte do imposto, conforme o disposto nas alíneas a e b, inciso VIII, §2º, do art. 155, da Constituição Federal.

NORMAS COMPLEMENTARES À EC 87/2015

Como forma de regulamentar a nova sistemática instituída pela Emenda Constitucional em discussão quanto ao recolhimento do ICMS para consumidor final não contribuinte de outro Estado, o CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária), órgão responsável por promover uniformização de procedimentos e normas inerentes ao exercício da competência tributária dos Estados e do Distrito Federal na concessão, revogação e regulamentação de benefícios fiscais referentes ao ICMS, editou o Convênio ICMS nº 93/2015 que disciplina os procedimentos atinentes a essa modalidade do DIFAL (diferencial de alíquotas do ICMS) quando o destinatário final não for contribuinte.

Este convênio ainda tratou sobre o FCP (Fundo de Combate à Pobreza), que tem amparo constitucional e pode ser adotado de forma opcional pelos Estados. O FCP é um adicional ao ICMS de no máximo 2% (dois por cento) nas operações produtos específicos, devendo o produto arrecadado a este título ser utilizado pelo Estado para programas públicos voltados à nutrição, habitação, educação e saúde. A lista de produtos cobertos pelo FCP dependerá da legislação de cada estado, no caso de Minas Gerais encontra previsão no art. 12-A, da Lei nº 6.763/75.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A FORMA DE CÁLCULO

Segundo o Convênio ICMS nº 93/2015, em conformidade com as regras dispostas pela Emenda Constitucional nº 87/2015, além da atribuição da responsabilidade ao remetente ou prestador de serviço pelo recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e interestadual, definiu também a forma do cálculo a ser realizado por ele. Veja-se:

Cláusula segunda Nas operações e prestações de serviço de que trata este convênio, o contribuinte que as realizar deve:

I - se remetente do bem:

a) utilizar a alíquota interna prevista na unidade federada de destino para calcular o ICMS total devido na operação; 
            b) utilizar a alíquota interestadual prevista para a operação, para o cálculo do imposto devido à unidade federada de origem; 
            c) recolher, para a unidade federada de destino, o imposto correspondente à diferença entre o imposto calculado na forma da alínea “a” e o calculado na forma da alínea “b”; 
(...) 
           § 1º A base de cálculo do imposto de que tratam os incisos I e II do caput é única e corresponde ao valor da operação ou o preço do serviço, observado o disposto no § 1º do art. 13 da Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996. 
           § 1º-A O ICMS devido às unidades federadas de origem e destino deverão ser calculados por meio da aplicação das seguintes fórmulas: 


ICMS origem = BC x ALQ inter 
ICMS destino = [BC x ALQ intra] - ICMS origem 
Onde:
BC = base de cálculo do imposto, observado o disposto no § 1º; 
ALQ inter = alíquota interestadual aplicável à operação ou prestação; 
ALQ intra = alíquota interna aplicável à operação ou prestação no Estado de destino.

Para melhor compreensão sobre a forma de cálculo do diferencial de ICMS devido na operação, a Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais, por meio de sua superintendência de tributação (Sutri), elaborou a Orientação nº 002/2016 onde simula diversas operações dessa natureza e instrui os contribuintes acerca de eventuais dúvidas. Veja-se um exemplo hipotético:

Uma empresa com sede no estado de São Paulo, no ano de 2016, vende uma mercadoria no valor de R$10.000,00 para um consumidor final, não contribuinte, com residência em Minas Gerais. Sabe-se que a alíquota interestadual praticada em SP é de 12% e a alíquota interna em MG é de 18%.

Com esses dados, para se fazer o cálculo do valor a ser recolhido a título de ICMS diferencial são necessários: a base de cálculo do ICMS, as alíquotas do estado de origem e de destino, o adicional de FCP (fundo de combate à pobreza) e a aplicação da tabela de transição de repartição da diferença das alíquotas. Veja-se:

Base de Cálculo do ICMS = 10.000,00 
             Alíquota interestadual (SP) = 12% 
             Alíquota interna (MG) = 18% 
             FCP = 2%

CÁLCULO

ICMS devido na origem (SP)
(BC x ALQ inter) 
10.000,00 x 12% = 1.200,00

ICMS diferencial devido no destino (MG) sem regra de transição + FCP (2% em alguns casos)
[BC x ALQ intra] - ICMS origem +2% de FCP sobre a BC (em alguns casos) 
[10.000,00 x 18% ] – 1.200,00 
1.800,00 – 1.200,00 = 600,00 + 2% de FCP sobre a BC (em alguns casos)

ICMS diferencial devido no destino (MG) com regra de transição de 2016: 
BC x ALQ intra] - ICMS origem 
[10.000,00 x 18% ] – 1.200,00 
1.800,00 – 1.200,00 = 600,00 
Obs.: Do valor devido à título de ICMS diferencial de alíquota, aplica-se a distribuição proporcional estabelecida no art. 99, do ADCT: 
600,00 x 40% = 240,00 (para o Estado de destino – MG) 
600,00 x 20% = 360,00 (para o Estado de origem – SP)


CONCLUSÃO

A opção pela alteração na forma de participação e custeio do ICMS na modalidade interestadual quando o consumidor final não for contribuinte demonstra uma preocupação do Governo com fomento à arrecadação dos Estados da federação e de estímulo às operações e prestações interestaduais de mercadorias e serviços em todo território nacional.

Como destacado, somente a partir de 2019 que essa nova sistemática será vertida na sua integralidade, de forma que o valor do diferencial de alíquotas interna e interestadual apurado será recolhido para o Estado de destino na operação.

Nesse novo cenário, por ser recente, os Estados da federação têm criado mecanismos para que os contribuintes entendam e se adaptem a essa nova realidade que, embora possa ser mais oneroso em algumas situações para eles, busca diminuir os efeitos da guerra fiscal na federação.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Convênio ICMS nº 93/2015     
 

VELLOSO, Andrei Pitten. Novo regime do ICMS nas operações interestaduais (EC 87/2015). Disponível em: <http://www.cartaforense.com.br/conteudo/colunas/novo-regime-do-icms-nas-operacoes-interestaduais-ec-872015/15286> Acesso em: 01 nov. 2016.


            ANJOS, Cezinha. DIFAL: Simule e aprenda tudo sobre Diferencial de Alíquota do ICMS. Disponível em: <http://www.asseinfo.com.br/blog/difal-diferencial-de-aliquota-icms/>. Acesso em: 01 nov. 2016.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria