Muito pula até que cai.

~~Saci Pererê é uma lenda ou conto popular imortalizado pela obra de Monteiro Lobato, especialmente nas crônicas do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Toda criança que se tornou adulta pode ler ou ver na TV suas peripécias, seus pulos e idas e vindas. Hoje o Saci anda bem esquecido, assim como todos os clássicos desse passado.
O Saci hoje irá simbolizar algo capenga. Como se diz no ditado popular: “quem muito pula...”. Na realidade, ficamos como sacis: de galho em galho, até quebrar no lado mais fraco. De todo modo, no contexto deste artigo, será o reverso do proposto na música de Geraldo Vandré: “caminhando e cantando...”.
Para melhor entendermos a metáfora do direito capenga, do passado clássico do conto do Saci, pularemos até o mito. Por exemplo, o Mito do Estado: este que fora contado por Ernest Cassirer. E que, de algum modo, revela um mito já contado no Renascimento, no tempo da filosofia de Francis Bacon e em Giambattista Vico.
Hoje, porém, o direito de Saci nos leva a pensar em um direito manco. Mas, ao contrário de apenas dizer que o Estado é protetor e protegido por interesses de classe alta, dominante, avançaremos no sentido da apropriação que o povo faz do direito.
Os séculos de regateio por migalhas republicanas geraram no povo apatia, indiferença e antipatia pelo direito. A situação se agravou a tal modo que, no século XXI, ainda prevalece a sintonia reducionista de que o direito é sinônimo de coerção. Ou seja, quando se fala em direito logo vem à mente a ocasião da condenação e da prisão: o imaginário popular está adstrito ao campo do direito penal.
Daí a metáfora do direito de Saci, feito para ser manco, capenga e quase sempre mancomunado com a perna direita de quem salta os obstáculos legais e éticos. Se, no Saci, a perna boa que restou é a direita; e, se o Saci representa o direito que o povo enxerga apenas no Giroflex do carro da polícia, logo, a perna esquerda deve representar os direitos amputados do povo.
Mais exatamente, o direito de Saci secciona os direitos fundamentais sociais e com vistas à socialização republicana no quadro do Poder Público democrático. Então, há motivos de sobra para a antipatia popular ao direito.
Pois, se o povo é amputado de ações plenas, restando-lhe só as ações penais, é de se concluir que o direito do Saci não trata Chico e Francisco do mesmo modo. Ao assim perfilar o Estado de Direito, como algo distante da realidade popular, o direito de Saci só pode emborcar para o lado direito.
As canetadas e as caneladas da perna direita, por óbvio, só atingem o povo em golpe baixo, e, assim sendo, não é um direito republicano – e jamais será socialista: o direito de Saci dá bicudas na ideia de não se socializar a miséria, mas sim a riqueza.
Na conclusão plausível, portanto, entende-se que o direito de Saci (entortado a estibordo) é seletivo, classista, racista, elitista, isto é, na prática, há um direito para o Chico (giroflex) e outro para o Francisco: todos que, em outro país, o Saci trataria por Sir. São os senhores de engenho de ontem, os capitalistas abancados (no dito popular) de hoje e todos os que ficam no muro. Só esquecem que, perneta, um dia o direito cai.
Por fim, não é de estranhar que o povo (o Chico) entenda que o direito se limita à força, à porrada subsequente ao giroflex. E assim o Mito do Direito se desfaz, a cada pulo que o Saci promove na realidade nacional.

Vinício Carrilho Martinez (Dr.)
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/CECH.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria