Quando o direito é mórbido, assim o é por revelar o fascista que está no mérito.

~~ Como sabemos, a reforma de direitos do trabalho aprovada, em verdade, é mórbida – como toda reforma capitalista de direitos –, porque se volta a um passado proto-humano.
A aprovação no Senado Federal – com a digital do nobre senador Cristóvão Buarque –, e sob a chancela de Michel Temer, esta pretensa reforma capitalista de direitos desobriga os piores empresários brasileiros (fraudadores quanto-mais) a obedecer aos princípios legais que eram legitimados nos regimes de exceção: em 1943, de Getúlio Vargas, e em 1964 com os militares.
 Nem os militares e ditadores ousaram tanto, mas os democratas do presente sim. Mas, quais democratas? Os signatários do DEM (Partido Democrata), do PSDB (o mesmo que tentou a terceirização total no governo FHC) e o nobre senador, igualmente democrata e republicano, Cristóvão Buarque: aquele que fez questão principiológica de por sua digital no golpe de 2016.
 O fascismo aprovou a reforma trabalhista, restando aptas mulheres grávidas a trabalhar em locais insalubres. Isto quer dizer que mulheres grávidas podem abrir covas e mulheres lactantes podem remover ossadas, antes de amamentarem?
O feito jurídico só não é crime de “vilipêndio de cadáver” porque as mulheres grávidas ou amamentando estão autorizadas pelo Estado a remover cadáveres humanos: antes de comer e de amamentar.
 Fui à instalação da Assembleia Nacional Constituinte, em 1986, em Brasília. Como todos os que lá estavam apostei no que viria a ser – salvo exceções – o futuro jurídico do país. Hoje lamento pelas mulheres grávidas que moverão o sepulcro constitucional. Escrevo com lágrimas nos olhos o que foi feito do Brasil.
O fato de o Executivo preparar Medida Provisória (MP) sobre esse escárnio  revela a que nível chegou o fascismo capitalista no país. Se não fosse pelo resto, teria vergonha de dizer que sou humano...vergonha de ser nacional tenho faz tempo.
Sinceramente, quem será que foi o imbecil, o humanoide pré-histórico, que propôs a possibilidade de grávidas e lactantes mexerem em putrefato cadavérico? O pior é que devemos pensar em quem são os gênios...e são muitos.
O fato é que ao menos uma organização de classe – CNI (Confederação Nacional da Indústria) – e vários partidos políticos (PSDB, PMDB) endossaram o caldo asqueroso no Congresso Nacional. A MP será a prova de quanta doença moral regula o país atualmente. Será que os nazistas chegariam a tanto?
Não importa que mudem a aberração já aprovada, importa que botaram a digital – PSDB, PMDB e o nobre senador Cristóvão Buarque – em células necrosadas do antidireito. Importa que autorizaram a morte prematura de brasileiros sequer-nascidos.
Como se propõe impunemente um direito cadavérico para mulheres grávidas e lactantes? Que humanoides, pré-morais, regulam o processo produtivo e a política nacional? Quem em sã-mentalidade aprovaria que bebês viveriam com a morte?
Aos que concordam com isso, por favor, ignorem que me conheceram – se chegaram a tanto – e se mantenham no cultivo das “cadaverinas” que digerem o direito nacional em pleno século menos um. Nojo, repulsa, vômito – como diria Theodor Adorno pensando o nazismo reticente.
Vinício Carrilho Martinez (Pós-Doutor em Ciência Política)
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/CECH



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria