Breve Análise sobre a Revolução dos Bichos em Condomínios e Locais públicos.

 

C:\Users\ltllp\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.Word\FB_IMG_1503776235989.jpg 

Xerifes ainda sobrevivem?

Breve Análise sobre a  Revolução dos Bichos em Condomínios e Locais públicos.

            Quantas pessoas leigas quando se trata de garantias constitucionais: no direito de propriedade brasileiro, síndicos desconhecedores de lei, moradores que não se interessam por saber se o que assinam em assembléias de quorum de correligionários do dito despreparado seja em prestação de contas, regimento ou convenções condominiais tem valor legal no que diz respeito a animais, petfóbicos e os dogueiros que discriminam os cachorros alheios. Sim, é uma salada que bem preparada aos olhos do nosso pai da psicanálise muito bem resumiria no poder do falo.

Numa breve analogia: Será que essas pessoas eleitas, as que os elegem e as que pensam que comandam têm alguma similaridade com o pensamento dos governantes xiitas? Nessa breve ilação, o credo estatizante dos " chefes xerifes " com o ego frente ao espelho se dizendo: - a praça é minha; o condomínio é meu, o cofre não é públicoo fundo de reserva é uma festa  e o discurso lobotomizado para os seguidores, não seria idêntico?

            Em abstração mais ampliada assistimos à intolerância de donos de cães em relação a outros por razões sempre escusas quanto ao porte, medo de agressão, antipatia recíproca dos donos: não estariam esses indivíduos falando senão de si mesmos? Xenofobias e preconceitos o mundo já tem exemplos demais quanto ao seu resultado a exemplo da politica “trumpeana’ e a do estado islâmico”. Para as atitudes histriônicas e de diversas fobias a medicina já avançou então o remédio não é e nunca será a intolerância. Nem o poder do falo que somente a química poderá mitigá-lo.
            Concluindo, aos petfóbicos de toda sorte sejam donos de cachorros ou não, pais com fobia a pets, síndicos, moradores ou “praceiros”, saibam que o desrespeito ao direito alheio seja da pessoa ou do animal hoje ser senciente é ilegal e tem consequências jurídicas. E isso quer dizer: pouco importa o tamanho do animal em condomínios ou praças/locais públicos. Se há ou não petplaces. O direito de liberdade de ir e vir que não ofenda a terceiros é garantido aos brasileiros e seus pertences, digo modernamente os animais sencientes.

            Por fim, são 132,4 milhões de animais contra 207,4 da mesma cifra de brasileiros. O Brasil é o segundo país em população de cães e gatos. O exército animal pode estar se preparando para dizimar estrategicamente os petfóbicos.

            Falta mesmo nos cidadãos brasileiros um pouco do glamour do primeiro mundo no tocante a convivência sócio animal. É a revolução dos bichos sim, Mr. George Orwell.

lorena.telles@gmail.com
Graduada em Administração de Empresas e Direito. Pós e MBA pela FGV e L´Université de la Sorbonne, Paris. Gestão Empresarial. 

zap 62- 993592828

 


Autor


Informações sobre o texto

Textos anteriores: Síndico pode ser Morador? - Como o síndico do seu prédio trata os animais de estimação? O gato preto cruzou a estrada- Uma crítica ao Direito Penal - JECRIM

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria