Tratamos aqui sobre a Mediação e Conciliação, porque foram inseridas no Novo Código de Processo Civil e como funcionam.

O Novo Código de Processo Civil, o qual entrou e vigor em março de 2016, em seu art. 1º adota os valores expressos na Constituição Federal de 1988, dentre eles duração razoável do processo, a celeridade e o acesso à justiça de modo rápido e eficiente. Além desses, também estão presentes os princípios da boa-fé e da dignidade da pessoa humana. A redemocratização inserida por esses valores e princípios proporcionou um aumento expressivo de ações, fazendo com que milhares de pessoas muitas vezes morressem sem ver seu direito realizado diante do demasiado decurso de tempo e dinheiro gastos ao longo de uma vida inteira, em que mesmo tendo seu direito reconhecido, ficam aguardando o último recurso para ver este efetivado.
Buscando alcançar esses valores e princípios presentes na Constituição Federal com vistas ao Estado Democrático de Direito e utilizando de ferramentas mais modernas, identifica-se uma mudança cultural na forma e conteúdo das práticas entre as partes e o judiciário quanto à solução das demandas pelos meios adequados de solução de conflitos.
Quando se observa o andamento de um processo nos moldes tradicionais, sempre haverá a figura do vencedor e do vencido, estimulado mais contendas e futuros conflitos. Ainda que o processo tenha um desenrolar justo, a satisfação das partes pode não ser alcançada.
O artigo 3º e seus parágrafos do CPC possibilitam a composição entre as partes mediante a boa-fé, cooperação, duração razoável do processo, com vistas à satisfação de interesses de forma justa e efetiva. Essa composição vem para facilitar a comunicação, estimulando o cumprimento do acordo firmado e prevenindo novos desentendimentos.
O art. 334 do mesmo código prevê que será designada pelo Juiz audiência de conciliação ou de mediação, priorizando-se a autocomposição como regra, exceto se não houver interesse de ambas as partes de forma expressa.
A Resolução 125 de de 2010 do Conselho Nacional de Justiça inovou trazendo uma Política Judiciária Nacional voltada para o tratamento adequado dos conflitos no âmbito do Judiciário. 
No intuito de se desenvolver uma cultura da paz e de solução adequada de conflitos mediante a autocomposição, a Resolução 125 determinou a criação de centros de solução consensual de conflitos onde será realizada as audiências de conciliação e mediação, chamados de CEJUSC.
Nesses centros é possível realizar uma sessão de conciliação ou mediação, com a presença de um conciliador ou mediador, antes mesmo de se propor uma ação, dependendo do assunto. É o chamado pré-processo, quando as partes envolvidas no conflito tem interesse em realizar a composição. O acordo firmado será homologado pelo juiz e tem validade de titulo judicial. A audiência de conciliação prevista no art. 334 do CPC também é realizada no CEJUSC.
Cabe aqui diferenciar a conciliação da mediação. Na primeira, um terceiro imparcial irá ouvir as duas partes, procurando auxiliar e explicando as vantagens de se celebrar um acordo, sugerindo a melhor forma de se resolver a questão em pauta; normalmente é utilizada para conflitos onde não haja convívio social entre as partes, como ocorre em acidentes de transito, e ações de relação de consumo. Na mediação são utilizadas técnicas específicas para aproximar as partes e promover o diálogo, sem que o mediador sugestione a solução, ficando as partes como autoras da solução e permitindo que estas sejam satisfeitas de maneira a não surgir mais conflitos entre elas; é mais indicada para conflitos entre partes que convivem, como familiares e vizinhos.
O grande diferencial da mediação e da conciliação é que não está em pauta apenas o que foi pedido no processo, mas sim o sentimento das partes envolvidas. A solução que leva em consideração esse fator tem muito mais chances de ser eficaz e definitiva.
Para ser um mediador do CEJUSC é necessário ser graduado em qualquer área há pelo menos dois anos e deve ser capacitado em curso realizado por entidade credenciada ao tribunal e ao Conselho Nacional de Justiça. 
Também é possível realizar a mediação ou conciliação fora do ambiente do judiciário. Existem várias câmaras privadas de conciliação, isso se tornou possível após a lei 9307/1996, conhecida como Lei da Arbitragem. Não podem ser solucionados nessas câmaras assuntos relativos a menores, Direito de família ou a crimes. Esse método é muito interessante para empresários, pois ainda que mais caro do que um processo judicial, a resolução do problema se dá de forma muito mais rápida e sigilosa.
Como se pode observar por todo o exposto até aqui, a melhor forma de se resolver um conflito não é mais levando esse problema direto ao juiz, mas sim antes tentando um acordo. Ressalte-se também que mesmo nos casos onde o juiz se faz imperativo, é possível que o advogado contratado ajude na negociação prévia, permitindo que a solução já seja levada resolvida, ficando a cargo do judiciário apenas a homologação das vontades para que surtam os efeitos jurídicos.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria