O artigo trata do direito a uma boa administração pública como princípio fundamental de cidadania.

O Direito a uma boa administração foi incluído na Carta de Direitos Fundamentais da União Europeia, em seu artigo 41, como princípio fundamental de cidadania.

 

Resta a pergunta: criou-se um novo princípio? O que representa o direito a uma “boa administração”?

 

SABINO CASSESE explica que o nascimento e desenvolvimento desse princípio foi gradual e se insere no processo de “legalização” da Administração Pública (AP), equivale dizer, da submissão dessa as arestas da lei.

 

Primeiramente, da submissão da Administração Pública à lei – aqui se expressa a necessidade do comportamento da AP ser submetido a comandos do legislador eleito democraticamente. 

Após, tal submissão ganha novo alicerce, que é obediência à Constituição – a presença de dispositivos sobre a AP na Constituição passou a ser um aspecto marcante, tendo, igualmente, relevo, a questão da constitucionalização do direito e seu influxo na AP. Paralelo a isso, a ideia de que os direitos reconhecidos são invocáveis judicialmente e impõem deveres acionáveis pela coletividade e pelo cidadão indivíduo. Em suma, a Constituição veio a sobrepor-se à lei, atuando em coordenação e acima dessa.

 Mais recentemente, a abertura de normas supranacionais a influenciar o direito interno passa a dar novo colorido à questão; no caso brasileiro pode-se aduzir à adesão de tratados internacionais e a incorporação de suas normas (inclusive com status constitucional) às mesmas permitida pelo artigo 5, §2º e §º3 da Constituição. Observa CARLOS ARI SUNDFELD que a influência global tende a demonstrar ainda mais a tendência de mitigação do princípio da legalidade administrativa como vinculação ao legislador, passando o direito administrativo a sobreviver com a ideia e que sua caracterização seria “a submissão da Administração ao Direito, não necessariamente à lei em sentido estrito, emanada do Poder Legislativo nacional”.

Dois pontos essenciais, portanto, são destacados para o desenvolvimento do princípio da boa administração: a expansão das funções estatais, portanto da esfera pública na vida das pessoas; e a previsão, a nível constitucional, de princípios da Administração e a influência do direito global na AP.

Portanto, ainda que não subordinado diretamente à lei, mas à Constituição e ao direito global, o núcleo duro ou essencial do princípio di buona amministrazione comporta-se como o núcleo duro ou essencial do direito administrativo global.

O direito a uma boa administração, pois, perpassa pela ideia de que os poderes administrativos servem para tutelar os direitos dos indivíduos de forma mais eficaz, e menos como um poder que visa a um interesse “público” de conteúdo incerto; perpassa pela noção de que seus interesses devem ser tratados de forma imparcial, equitativa e em prazo razoável, coerentemente, de forma proporcional e livre de discriminações, para além do direito de petição; ser escutado, obter decisão motivada, contraditório e de questionar o ato no judiciário (garantias processuais).

Em suma, é preciso que o nosso tempo seja marcado pela ideia do direito a uma boa administração, a ser exercida no plano prático.

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso