Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Aceitação e renúncia da herança no direito sucessório

Direito das sucessões

Busca estabelecer, de forma clara e objetiva, os modos de aceitação e renúncia da herança presentes em nosso direito sucessório.

1.INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem a finalidade de abordar o referido tema que se funda em nosso direito sucessório, nos artigos 1.807 ao 1.813 do Código Civil. Busca estabelecer as formas e os modos de aceitação e renúncia da herança, tanto como, a obrigação de manifestação do sucessor que possui a vocação hereditária para o estado.

2. DA ACEITAÇÃO

Em nosso direito sucessório, aquele que possui a vocação hereditária para herdar, deve manifestar a sua vontade para o estado, renunciando ou aceitando o seu direito hereditário. Valendo lembrar que a aceitação não poderá ser feita de forma parcial, pois mesmo que ocorra a transmissão aos seus herdeiros em fração, ela é universal como um todo, assim como, irrevogável.


            Quando o sucessor manifesta sua vontade de aceitar o seu direito, a lei regulamenta que a saisine transmita esse direito de forma temporária, o que posteriormente com a ocorrência de tal ato ocorrerá a transmissibilidade do direito temporário em definitivo, produzindo assim então efeitos “ex tunc”.

art.1804“Aceita a herança, torna-se definitiva a sua transmissão ao herdeiro, desde a abertura da sucessão. Parágrafo único. A transmissão tem-se por não verificada quando o herdeiro renunciar a herança.”
 

2.1 DOS MODOS DE ACEITAÇÃO:

A aceitação da Herança poderá ocorrer das seguintes formas:

  • Expressa: É manifestada a vontade do sucessor através de um documento, podendo ele ser público ou particular.
  • Tácita: Tal manifestação não é demonstrada documentalmente, mas sim, através de um comportamento processual diferente daquele que não quer aceitar.


“Art.1805. A aceitação da herança, quando expressa, faz-se por declaração escrita; quando tácita, há de resultar tão somente de atos próprios da qualidade de herdeiro.”

  • Presumida: É procedida a intimação do sucessor que tem a vocação hereditária para herdar através do judiciário, que lhe confere um prazo não maior que 30 (trinta) dias para manifestar a sua vontade. A regra diz que o silencio será tido como aceita a herança.

A aceitação ainda poderá ser direta e indireta:

  • Direta: Decorre de uma manifestação de vontade vinda da própria pessoa que possui a vocação hereditária para herdar.
  • Indireta: Decorre de uma manifestação feita por um terceiro em seu nome. Poderá ser um sucessor do herdeiro ou um credor do herdeiro.

3. DA RENÚNCIA

A renúncia da herança é uma forma de repúdio ao direito sucessório aberto em favor do renunciante. O sucessor demonstra de forma induvidosa que quer ficar alheio a tal sucessão. Como regra, toda renuncia deverá ser expressa e possuirá efeitos “ex tunc”, como se o herdeiro nunca tivesse existido. A renúncia deverá ser constatada expressamente através de escritura pública ou termo judicial, assim como dispõe o artigo 1.806 do Código Civil.

“art. 1806. A renúncia da herança deve constar expressamente de instrumento público ou termo judicial.”

A renúncia ainda poderá ser rotulada de abdicativa ou translativa, isto é, dependendo da forma que ela é utilizada. A principal distinção entre uma e outra é a destinação do direito hereditário. Será abdicativa, quando o seu efeito deixar a critério da lei de destinação do direito do renunciado, de forma que, o renunciante fica alheio tanto à sucessão aberta, como também em relação a destinação de seu direito.

E por último, será translativa, quando a renúncia dar a destinação da cota renunciada, não se aplicando a lei e sim sua vontade.

4. BIBLIOGRAFIA

GONÇALVES, CARLOS ROBERTO. Direito CIVIL BRASILEIRO - VOL. 7 - DIREITO DAS SUCESSÕES - 11ª ED. 2017

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!