Exemplos da universidade pública.

O interior de São Paulo tem grandeza própria e uma parte disto se reflete na presença marcante da produção de ciência, tecnologia e inovação nas universidades públicas: há a USP em Bauru, a UNESP está em Marília (somada à FAMEMA – Medicina) e a UNICAMP fez de Campinas seu domínio. Mas, há outros exemplos emblemáticos.
Cidades como São Carlos e Rio Claro são um tipo de exceção positiva, mesmo no Estado de São Paulo. Fora da curva, ambas têm índices muito elevados em comparativo nacional quanto à formação de seus professores: São Carlos tem, aproximadamente, um doutor para cada cem habitantes – o que revelaria um doutor em cada quarteirão – e mais ou menos 3% da rede municipal de ensino têm pós-doutorado. É a cidade com mais doutores da América Latina.
A rede municipal de ensino de Rio Claro (distante a 65 km de São Carlos) também tem números bastante saudáveis: entre 1204 professores e dirigentes, 612 têm pós-graduação, 197 atuam com mestrado e 14 são doutores. Os números apresentados esclarecem sobre a importância da UNESP de Rio Claro. A realidade dos dois municípios ainda indica que a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) modifica significativamente a região. 
Não deveria, mas esses fatos relembram a célebre questão – mais por irrelevância do que por atualidade – acerca da necessidade dos cursos de pós-graduação. Para evitar uma conversa muito longa, que se sabe ser improdutiva com esse tipo de interlocutor, pode-se dizer basicamente que um professor, por exemplo, ao fazer mestrado e doutorado teve de estudar (pesquisar, refletir e escrever) de seis a oito anos a mais do que o outro docente que parou na graduação.
 Quando olhamos para os estudantes, de um modo geral, a observação é um pouco mais incisiva. Há uma regra simples e implacável; pois, se é verdade que a educação não garante emprego a ninguém, é ainda mais certo que sem educação não há futuro. Na verdade, esta regra de ouro vale para se avaliar um país como o nosso.
 A relação entre a formação docente e o encaminhamento dos alunos está no fato simples (mas não isolado) de que professores mais qualificados, com Educação Permanente, terão um impacto real em termos de conteúdo analítico e de conhecimento técnico muito superior. Dá-se a isto o título de “massa crítica”, por analogia à física. Não se trata aqui das exceções, mas da regra sobre professores que investem em si serem melhores espelhos para seus alunos. E, por óbvio, terem mais conhecimento a transmitir.
 O problema reverso dessa lógica também é simples, porque se os professores têm de investir na sua formação, custeando tudo por conta própria, o ato em si revela que não há uma política pública com este objetivo específico. Afinal, quantos professores concursados no Estado e/ou nos municípios têm afastamento para – ao menos – redigirem suas dissertações e teses?
Quantos professores têm a carga reduzida, por lei, para a integralização dos créditos? Quantos recebem bolsas e subvenções para viagens, alimentação, participação em congressos, exposição de seus trabalhos representando seu Estado ou município?
   Por fim, mais um elemento pode/deve ser relacionado à formação da massa crítica dos professores da rede pública de ensino: como disse Paulo Freire (no livro Educação e Política), “o educador progressista percebe que a claridade política é indispensável, necessária, mas não suficiente, como também percebe que a competência científica é necessária, mas igualmente não suficiente”.
Portanto, sem o interesse devido dos governantes, cabe a cada um investir na formação pessoal – na base emancipatória da Educação Permanente: teleologia –, mas com o foco dirigido para a qualidade e crítica referentes à educação pública.
Este é o compromisso das universidades públicas. Além do desenvolvimento da ciência e da tecnologia, isto é o que fazemos de melhor, produzimos massa crítica (como conhecimento acumulado) capaz de denunciar e de modificar as desigualdades reais incrustradas na vida comum do homem médio.
A universidade pública faz com vigor, exatamente, o que raramente traz apreço às instituições privadas de ensino: ciência, tecnologia, inovação, massa crítica e formação de profissionais e de docentes altamente qualificados para alimentar o ensino fundamental, médio e superior.

Vinício Carrilho Martinez (Pós-Doutor em Ciência Política)
Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
Departamento de Educação- Ded/CECH

Vivian Guilherme Marques
Jornalista. Mestranda no Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade
Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR. E-mail: vivianguilhermerf@gmail.com


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autors. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria