A pequena propriedade rural, assim definida em lei e trabalhada pela família, é impenhorável nos termos do inciso XXVI do Art. 5º da Constituição Federal de 1988. Trata-se de garantia fundamental pela qual se busca assegurar a dignidade do produtor rural.

A pequena propriedade rural é impenhorável nos termos do que dispõe o inciso XXVI do artigo  da Constituição Federal de 1988. Trata-se, portanto, de um direito fundamental e, bem por isso, sujeito à regra da auto-aplicabilidade prevista no § 1º do mesmo artigo.

O objetivo do constituinte ao expressar tal comando, certamente, foi o de preservar a dignidade do pequeno produtor rural e de sua família, mas, sobretudo, o de mantê-los no campo produzindo alimentos para o bem de todos. Dessa maneira, não ser crível se cogitar admissível a perda da propriedade pelo pequeno produtor para o pagamento de obrigações assumidas justamente para o labor na terra.

Deveras, não passou despercebido pelo legislador constitucional o fato de que a atividade agrícola se desenvolve sob riscos extremos, quer dizer, é sujeita a todo tipo de intempéries, sejam naturais como chuvas, secas, geadas e pragas; sejam humanas como alterações abruptas na economia, de forma a modificar os preços, sendo qualquer dessas capaz de frustrar toda uma produção.

Nesse sentido, se a tais riscos estão sujeitos todos aqueles que se põem a produzir, mais ainda o pequeno produtor, diante de sua maior vulnerabilidade, quer seja pelo aspecto econômico com a dificuldade para contratação, por exemplo, de seguro para produção, quer seja pelo tecnológico, tendo em conta os recursos serem escassos para implantação de meios de proteção da lavoura e/ou rebanho.

Contudo, é preciso ponderar que porquanto se trate de norma fundamental, não se está diante de uma garantia aplicável indiligentemente, a saber que as prescrições expressadas pelo supracitado art. 5º, inciso XXVI, traz condições imprescindíveis para que a pequena propriedade rural se veja acobertada pelo manto constitucional. Com efeito, os requisitos são: que seja pequena propriedade rural, assim definida em lei, e que esta seja trabalhada pelo produtor e sua família.

Pois bem. A definição legal para pequena propriedade rural é trazida pelo Estatuto da Terra (Lei nº 4.504/64), nos termos de seu art. , incisos II e III, ponderando-se, também, o art.  da Lei nº 8.629/93, que estabelecem que a pequena propriedade rural é aquela, cuja área, tenha entre 1 (um) e 4 (quatro) módulos fiscais. Módulo fiscal, a saber, é a unidade de medida expressada em hectares, variável para cada região do País, definida conforme critérios estabelecidos igualmente pelo Estatuto da Terra, restando seus limites entre 5 e 110 hectares.

Quanto a condição de que a pequena propriedade seja explorada exclusivamente pelo produtor conjuntamente com sua família, cabe ressalvar que tal regra pode ser relativizada excepcionalmente em épocas especificas (plantio, colheita e etc.) quando há a possibilidade de contratação (temporária) de terceiros, sem que reste afastada a característica de pequena propriedade rural e familiar.

Por fim, acrescente-se que todo o quanto exposado, é entendimento pacificado sobre o tema pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), conforme se verifica no julgamento do Recurso Especial (Resp) nº 1.284.708 – PR.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso