Têm-se que, avalista, é aquele que aceita ser responsável pelo pagamento do empréstimo ou financiamento realizado por outra pessoa. Ou seja, quem dá o aval, é garantidor da dívida, assumindo o risco de que, se o devedor não pagar, ele será responsável...

Têm-se que avalista é aquele que aceita ser responsável pelo pagamento do empréstimo ou financiamento realizado por outra pessoa. Ou seja, quem dá o aval, é garantidor da dívida, assumindo o risco de que, se o devedor não pagar, ele será responsável pelo pagamento, com todos os seus bens.

Esta modalidade de garantia existe para que, em operações de crédito em geral, os credores tenham a segurança de que a dívida será paga, senão pelo devedor principal, por aquele que assume o ônus solidariamente. O aval é uma garantia acessória e possui natureza pessoal e o avalista responde pela obrigação com todo o seu patrimônio.

Para se tornar avalista, não existe forma padrão a ser seguida, bastando, para tanto, que se assine o título de crédito ou que expresse “Por aval à Fulano de Tal”, conforme dispõe o artigo 898 do Código Civil[1].

É importante saber que, se o responsável pela dívida não pagar o que deve, o credor poderá cobrar do avalista apenas o valor emprestado, com os respectivos juros moratórios e sanções contratuais.

O avalista pode ser acionado para pagar antes do avalizado – devedor principal, o que não ocorre na fiança, por exemplo, em que se estabelece, em princípio, o benefício de ordem.

Importante ressaltar que, no aval, o avalista não pode alegar, perante terceiros de boa-fé, exceções pessoais que teria contra o avalizado. O contrário, todavia, opera-se na fiança, em que é dado ao fiador o direito de alegar defesas pessoais contra o credor. Ademais, ainda que a obrigação principal seja nula, o aval é válido e deve ser honrado por quem avalizou.

Em regra, não pode haver a penhora do bem de família do avalista, para satisfação da dívida garantida. Diferentemente, na fiança, em caso de contrato locatício, o bem de família do fiador pode sim ser penhorado. Ou seja, o fiador, em contratos de locação, responde pela obrigação até com seus bens de família, enquanto o devedor principal, não.

Se o avalista pagar parte ou toda a dívida, de forma judicial ou extrajudicial, terá o direito de regresso para com o devedor principal. Porém, isto vem gerando bastante insegurança aos mesmos, eis que se o devedor não adimpliu a obrigação principal e não possuía bens para garantir tal débito, muito dificilmente uma ação de regresso atingirá seus objetivos.

Em suma, quem se dispõe a avalizar a dívida de uma terceira pessoa, deve estar plenamente ciente e disposto, a ter que pagar voluntariamente ou coercitivamente a dívida garantida, correndo o risco ainda de não conseguir ser indenizada, se o devedor principal não se dispor a reembolsá-la ou não tiver bens penhoráveis.


[1] Art. 898. O aval deve ser dado no verso ou no anverso do próprio título.

§ 1° Para a validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a simples assinatura do avalista.

§ 2° Considera-se não escrito o aval cancelado.


Autores

  • João Domingos Advogados Associados

    Reconhecido nacionalmente, desde 1984, nosso escritório destaca-se na prestação de serviços especializados voltados a consultoria e defesa de produtores rurais, pessoas físicas e jurídicas que estejam endividados, bem como na suspensão e anulação de leilões judiciais e extrajudiciais.

    O âmbito territorial de atuação de nosso escritório é circunscrito a todo o território nacional.

    Sob a administração do Dr. João Domingos da Costa Filho, OAB/GO nº 7.181, temos alcançado excelentes resultados, sendo o único escritório no país especializado no seguimento. Portanto, caso tenha interesse pelo trabalho ora proposto, ou tenha dúvidas, entre em contato e teremos enorme satisfação em prestar maiores informações, bem como em defendê-lo se necessário

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

  • Marcelo Antônio Taveira Miguel Filho

    Marcelo Antônio Taveira Miguel Filho

    Marcelo Taveira é estudante de Direito na Universidade Salgado de Oliveira, entusiasta do Direito Civil, escritor e atualmente é estagiário no escritório João Domingos Advogados Associados.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria