De modo sucinto, este estudo busca fazer uma análise entre os recentes avanços e inovações da área da bioética e seu limite e alcance no direito positivado, de modo que possa haver uma ponderação entre os princípios constitucionais envolvidos.

De modo sucinto, este estudo busca fazer uma análise entre os recentes avanços e inovações da área da bioética e seu limite e alcance no direito positivado, de modo que possa haver uma ponderação entre os princípios constitucionais e a livre disposição sobre o próprio corpo.

Inicialmente, entende-se por bioética todas as questões éticas, políticas, filosóficas e jurídicas, decorrentes dos avanços constantes das áreas biológicas e médicas, implicando em procedimentos tais como, transplante de órgãos, engenharia genética, chegando até mesmo ao “direito de morrer”, também conhecido, e não aceito em nosso ordenamento jurídico, como eutanásia, que é o procedimento onde se abrevia a vida de um enfermo terminal, de modo assistido e não doloroso, evitando os inúmeros sofrimentos físicos e psicológicos que tratamentos médicos possam lhe ocasionar.

Dentre os inúmeros princípios constitucionais que existem em nossa Constituição Federal e leis infras, que serão avaliados e postos em sopesamento, trata-se do direito à vida e liberdade, constante no caput do artigo 5º, CF/88 (Art. 5º: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade), e a dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, CF/88).

Cabe ao direito, avaliando questões éticas, filosóficas, sociais e até mesmo, religiosas buscar um equilíbrio entre o individual e o coletivo, sempre visando como corolário máximo o direito à vida plena e digna em todas as suas capacidades. Então, em âmbito nacional e internacional, deve a bioética e o biodireito buscar, a partir de casos concretos, estabelecer diretrizes normativas para o estudo e a aplicabilidade de novos procedimentos e tecnologias que venham a ser aplicadas em políticas públicas de saúde, não podendo o direito se eximir de sua função regulatória social para temas controversos e muito pouco, até o momento, debatidos em nossa sociedade. Contudo, o estabelecimento de normas jurídicas implica delicadas questões, pois os avanços tecnológicos acontecem num ritmo mais acelerado que o direito positivo consegue acompanhar, então como conciliar a segurança jurídica e a estabilidade normativa frente a essa desproporcionalidade, são questões que somente o tempo nos dirá. A par disso, há, ainda, a questão da cidadania e os valores democráticos, em que temas tão polêmicos e complexos devem ser discutido nas diversas áreas profissionais, bem como a população em geral.

Nossa Carta Maior conceitua como princípio o direito à liberdade, em que pode um sujeito, desde que respeitado os valores coletivos, exercendo sua auto denominação e livre arbítrio e vontade individual, seja em opiniões, credo, liberdade contratual, dentre outras reguladas pelo nosso direito, sempre respeitando sua unicidade e qualidades individuais como sujeito de direito. Contudo, como qualquer outro princípio, o direito à liberdade não é absoluto, conflitando com o direito à vida e da dignidade humana, que é entendido como condição primária para que todos os outros direitos e liberdades sejam exercidos de forma plena. Não será abordado no presente estudo questões já tão debatidas como: quando surge a vida e sua cessação, pois há uma enorme variedade entre os diferentes credos e filosofias, não havendo uma máxima sobre o tema.

Na visão do doutrinador Alexandre de Moraes “O direito humano fundamental à vida deve ser entendido como direito a um nível de vida adequado com a condição humana, ou seja, direito à alimentação, vestuário, assistência médica-odontológica, educação, cultura, lazer e demais condições vitais. O Estado deverá garantir esse direito a um nível de vida adequado com a condição humana respeitando os princípios fundamentais da cidadania, dignidade da pessoa humana e valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; e, ainda, os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil de construção de uma sociedade livre, justa e solidária, garantindo o desenvolvimento nacional e erradicando-se a pobreza e a marginalização, reduzindo, portanto, as desigualdades sociais e regionais”.

Então fica a questão até onde vai o direito à vida e como ela é gozada plenamente conforme leciona a doutrina e nossas leis, em respeito à dignidade da pessoa humana tão debatida e conceituada em nosso estado democrático de direito, o Estado deve garantir à vida até seu último suspiro ou amenizar as dores daqueles que sabem que todo tratamento é paliativo, temporário? Essas são questões que somente o estudo aprofundado em bioética e biodireito podem responder com o tempo. Estar vivo, vai além de ter suas funções biológicas primárias em funcionamento, para se sentir vivo é necessário que o ser, como sujeito de direito, goze de premissas e necessidades básicas, que o incluam em participação social, e não seja apenas um ser que aguarda em um leito hospitalar pela cessação de suas atividades vitais. Portanto, como opinião própria, deve ser respeitado a liberdade individual e consentida acerca de qual seja a escolha do ser humano, ainda que isso implique em uma abreviação da vida, pois todo ser merece respeito e sofrer o menos possível em sua condição de humano e dotado de direitos que é.



 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0