Em razão dos embates travados entre o Fisco e os contribuintes o tema acabou sendo levado aos nossos Tribunais Superiores.

O ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) é disciplinado pela Lei Complementar nº 116/2003. Ele é um tributo da alçada dos Municípios e do Distrito Federal e possui como fato gerador a prestação de serviços. A lei em questão traz em seu anexo o rol das atividades que são passíveis de serem tributadas por esse tributo.

A grande controvérsia existente em torno da cobrança do ISSQN ocorre quando atividades não expressamente previstas na lista anexa da lei são tratadas pelo Fisco como análogas, com a finalidade de trazê-las para o fato gerador do imposto em questão.

É o que ocorre, com frequência, nos casos de locação de bens móveis, a exemplo de máquinas utilizadas na construção civil ou no meio agrícola. A inviabilidade da cobrança de ISSQN nessas locações nos parece de clareza solar, conforme restou consignado na Súmula Vinculante de nº 31. Apesar disto, o Fisco, reiteradamente, busca fazer cobranças sabidamente indevidas.

Ora, dentro do campo obrigacional os serviços classificam-se como obrigações de fazer. Basta se pensar na hipótese de um contrato de prestação de serviços de assessoria em informática, quando o contratado se compromete a fazer o assessoramento do contratante.

Situação distinta é verificada quando o empresário possui uma locadora de colheitadeiras ou guindastes, por exemplo. Aqui o contrato gira em torno de uma obrigação de dar/entregar. Não há, na realidade, uma prestação de serviços a ser tributada via ISSQN. Todavia, para burlar essa realidade inquestionável, o Fisco costuma argumentar que muitas vezes essas locações trazem embutida a prestação de serviços. É o caso do guindaste que é locado junto com o serviço de seu operador.

Nessas hipóteses, o Fisco busca a incidência do ISSQN sobre o valor integral da operação argumentando que a locação se faz para a prestação de serviços. Esse posicionamento nos aparece inaceitável; apenas uma tentativa do Fisco de cometer abusos contra os contribuintes.

Em razão dos embates travados entre o Fisco e os contribuintes o tema acabou sendo levado aos nossos Tribunais Superiores, e hoje predomina o entendimento de que na junção de locação de bens móveis e prestação de serviços, deverá ser feita a distinção dessas atividades econômicas. A locação dos bens móveis deverá ser feita mediante contrato, sem emissão de nota. No que diz respeito ao serviço prestado, será emitida nota e recolhido o ISSQN correspondente.

É imperioso se dizer que apesar de a tese de não incidência de ISSQN sobre o aluguel de bens móveis ser antiga e se encontrar sedimentada em enunciado sumular, ela ainda é capaz de render bons resultados aos advogados, vez que o Fisco insiste em fazer cobranças e manobras para argumentar por uma tributação sabidamente indevida.

Em face do exposto, é de se afirmar que esta é mais uma importante tese de restituição de tributos indevidamente cobrados pelo Fisco dos contribuintes brasileiros. Ao advogado compete se aperfeiçoar sobre o tema e o trabalhar com a finalidade de ampliar sua carteira de clientes e promover o crescimento de seu escritório. E, mais que isso, é através do trabalho com a restituição de tributos que se almeja a construção de uma verdadeira justiça tributária, fazendo-se cessar condutas abusivas cometidas pelo Fisco contra os contribuintes.

Fonte: Ibijus



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0