Breve análise sobre a regulamentação do instituto da autocomposição no Código de Processo Civil, Lei 13.105/2015.

Inicialmente cumpre elucidar que o termo institucionalização, para os fins jurídicos desta análise, está associado à regulamentação do instituto da autocomposição por meio de diploma legislativo. Assim, será apresentada uma análise das inovações, relativas à autocomposição, que foram encartadas no código de processo civil de 2015.

Em meio a um cenário de crescente litigiosidade e crise no sistema judiciário, causada pelo excesso de ações tramitando na justiça, desperta-se para necessidade de pensar em novas formas de tratamento dos conflitos, buscando, principalmente, transformar o paradigma cultural do litígio para o da consensualidade.

É indubitável que o conflito é necessário e está inerente à vida em sociedade, por fazer parte do ser humano. Em síntese, é através de duas opiniões divergentes que se inicia uma discussão e isso se torna um instrumento para uma construção tanto ideológica quanto cultural de um povo. Logo, o problema não está na existência de conflitos, o verdadeiro problema se encontra na cultura do litígio que está instalada na sociedade, onde a grande maioria acredita que é apenas pelo Judiciário que se é possível resolver suas controvérsias, como se não houvesse outros meios, ou como se não existisse nenhum incentivo para tanto[1].

Afirma Roberto Bacellar, nesse sentido, que o processo efetivamente judicial só deve acontecer na impossibilidade de autossuperação do conflito pelos interessados, que devem ter à disposição, mas sem obrigação, mecanismos que propiciem a resolução adequada do conflito, preferencialmente pelo método não adversarial na forma autocompositiva.[2]

Nesta conjectura, em março de 2016 entrava em vigor a lei nº 13.105/15, um novo Código de Processo Civil, promulgado em 16 de março 2015, trazendo em seu bojo diversos dispositivos que versam sobre a conciliação e a mediação judicial.O novo diploma elevou o instituto da autocomposição a uma posição de maior importância no ordenamento jurídico.

Sabe-se que há algum tempo o ordenamento jurídico brasileiro tem caminhado para a institucionalização de meios autocompositivos, considerando que antes do atual código de processo civil já havia previsão expressa na legislação, de forma esparsa, que incentivava a autocomposição, além de haver um forte estímulo à prática autocompositiva pelo Conselho Nacional de Justiça. Porém, em que pese haver previsão legal, conciliar ou mediar certamente não era a primeira opção dos litigantes.

Na concepção de Santos e Gadenz, para que o estímulo à autocomposição tenha efetivamente resultado, é necessária uma mudança significativa na sociedade, em razão da predominante cultura do litígio, da mesma forma que é necessário que os juízes deem mais atenção a este instrumento (o que não ocorria na prática, pelos excessos de demandas ou até mesmo pela conclusão antecipada de que tais tentativas, em sua maioria, restariam infrutíferas).[3]

A partir do novo paradigma apresentado pela reforma do código processual civil, o intento precípuo da Justiça moderna passou a ser a busca da autocomposição entre as partes como forma de solução pacífica da demanda posta sub judice. Neste sentido, vê-se na própria exposição de motivos da Lei nº 13.105/15 que desde o princípio “entendeu-se que a satisfação efetiva das partes pode dar-se de modo mais intenso se a solução é por elas criada e não imposta pelo juiz”[4].

Coaduna com este novo modelo as políticas de tratamento adequado dos conflitos jurídicos, que já vinham trilhando espaço no judiciário desde a edição da Resolução n. 125/2010 do Conselho Nacional de Justiça. Logo, o novo código robusteceu a política de tratamento adequado de conflitos por meio da institucionalização da autocomposição no regramento processual.

Nesta senda, enfatiza Fredie Didier Jr. que o sistema de direito processual brasileiro foi, enfim, estruturado no sentido de estimular a autocomposição. Trazendo, não por acaso, no rol de normas fundamentais do processo civil os §§ 2º e 3º do Art. 3º do CPC:[5]

“§ 2º O Estado promoverá, sempre que possível, a solução consensual dos conflitos.

 § 3º A conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial.” (Lei 13.105/2015)

Daniela Gabbay contribui com esse entendimento elencando sete motivos para institucionalização da autocomposição, considerando a incorporação deste instituto pelo judiciário, quais sejam[6]:

 I. O Judiciário é um lugar onde se encontram e para onde confluem os conflitos devendo-se abrir uma porta e válvula de escape aos meios autocompositivos dentro dele;

 II. Os meios autocompositivos viabilizam uma nova forma de acesso à justiça, entendida não apenas como acesso formal ao judiciário;

III. Os meios autocomositivos atuam como remédio para a crise do Judiciário, reduzindo a morosidade;

 IV. A mediação dá visibilidade a parcelas do conflito antes ofuscada pela demanda judicial (litigiosidade contida ou reprimida);

V. Para que a autocomposição conte com a confiança das partes em relação ao Judiciário, em sua legitimidade, além do estabelecimento de regras sobre o seu funcionamento;

VI. Para que os limites do Judiciário para processar e resolver todos os litígios e a necessidade de mudança na mentalidade dos litigantes sejam reconhecidas.

VII. Para que o Judiciário possa exercer um papel fiscalizatório, quer quanto ao procedimento, quer quanto aos acordos obtidos, que podem ser objeto de homologação judicial.

Considerando essas razões, depreende-se que a institucionalização dos meios autocompositivos, mediação e conciliação, tende a trazer consideráveis benefícios para o Poder Judiciário. Ademais, muitas vezes tais motivos podem estar mais próximos do interesse das partes, do Judiciário ou de ambos.

Com isso, mostra-se que a institucionalização da autocomposição em processos judiciais pretende estabelecer um novo paradigma para a solução de conflitos. Uma vez que a incorporação das premissas da autocomposição possibilita romper com o padrão dominante, marcado pela animosidade do litígio, no qual o direito processual civil deixava, prioritariamente, nas mãos de um juiz a solução de conflitos entre particulares, bipolarizando a relação e, em consequência, fomentando a cultura do litígio. Por outro lado, o novo modelo introduzido pelo atual código processual visa dar protagonismo às partes, priorizando o diálogo e a solução amigável do litígio.


[1] VIANNA, Guaraci. Marcas do Novo CPC - Celeridade Processual, Prestígio à Conciliação e à Mediação dos Conflitos com Observância à Segurança Jurídica. Revista EMERJ| Edição no 70/2015.

[2] BACELLAR, Roberto Portugal. Mediação e Arbitragem. –São Paulo : Saraiva,2012.

[3] SANTOS, Saulo do Nascimento e GADENZ, Danielli. A conciliação e a mediação no novo código de processo civil: incentivo do estado ou violação do princípio da autonomia das partes?. Revista Eletrônica Direito e Política, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI, Itajaí, v.10, n.4, 3º quadrimestre de 2015. Disponível em: www.univali.br/direitoepolitica - ISSN 1980-7791. Acessado em: 10 ago. 2016.

[4] Exposição de Motivos da Lei 13.105/2015 – Código de Processo Civil. Disponível em https://www.senado.gov.br/senado/novocpc/pdf/Anteprojeto.pdf.

[5] DIDIER JR., Fredie. Curso de Direito Processual Civil • Vol. 1. 18. Ed. rev. e atual. Salvador: Ed. JusPodivm, 2016. P. 273

[6] GABBAY, Daniela Monteiro. Mediação e judiciário: condições necessárias para  a institucionalização dos meios autocompositivos de solução de conflitos. 2011. Tese (Doutorado em Direito Processual) - Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria