Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

O ensino jurídico brasileiro:

REFERÊNCIA

ABEDi. Associação Brasileira de Ensino do Direito. Estatuto Social, 22 de abril de 2006.

ADAID, Felipe; MENDONÇA. Sobre um ensino jurídico mais zetético no Brasil. In Revista Jurídica. Faculdades COC Ribeirão Preto. Ano VII, Nº 7, Outubro, 2010. 

ALMEIDA JÚNIOR, Fernando Frederico. A expansão do ensino de direito: massificação que desqualifica ou democratização a serviço da prática da justiça no Brasil? Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

ANDREDE, Oswald. Isto aqui é Coimbra?. In Homem do Povo. São Paulo: Imprensa Oficial, 1931.

ASSIS, Ana Elisa Queiroz Spaolonzi. Direito à educação e diálogo entre poderes. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

BEVILÁCQUA, Clóvis. História da Faculdade de Direito do Recife. Brasília: INL, 1977.

BRASIL. Lei de 11 de agosto de 1827. Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda (sic). Rio de Janeiro: Chancellaria-mór do Imperio, 1827.

BRASIL. Decreto Número 14, de 24 de agosto de 1835. Altera os estatutos dos Cursos Juridicos na parte relativa ao exame em concurso as cadeiras dos mesmos cursos, quando se der a hypothese de haver um só oppositor. Rio de Janeiro: Palácio do Rio de Janeiro, 1835.

BRASIL. Decreto Número 43, de 19 de agosto de 1837. Mandando admittir á matricula os Estudantes que não tiverem comparecido em tempo a fazer acto e outras disposições. Rio de Janeiro: Palácio do Rio de Janeiro, 1837.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Congresso Nacional, 1937.

BRASIL. Lei Número 4024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Presidência da República. Casa Civil, Subchefia para assuntos jurídicos, 1961.

BRASIL, Lei Número 4215, de 27 de abril de 1963. Dispõe sobre o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil. Presidência da República. Casa Civil, Subchefia para assuntos jurídicos, 1963.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Congresso Nacional, 1988.

BARBOSA, Rui. Reforma do ensino secundário e superiorIn Obras completas. Volume IX. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1942.

CERQUEIRA, Daniel Torres de et al (org.). 180 anos do Ensino Jurídico no Brasil. Campinas: Millennium, 2008.

CEPED, Centro de Estudos e Pesquisas no Ensino do Direito. Disponível em <http://www.cepeduerj.org.br/>. Acesso em 15/07/15.

FARIA, José Eduardo. A reforma do ensino jurídico. São Paulo, Sergio Antonio Fabris, 1987.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Comentários à Constituição Federal Brasileira de 1988. Volume 4. São Paulo: Saraiva, 2005.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos. São Paulo: Cia Editorial Nacional, 1936.

LATTES, Sistema de Currículos. Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/>. Acessado em 15/01/15.

MOSSINI, Daniela Emmerich de Souza. Ensino Jurídico: História, currículo e interdisciplinaridade. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2010.

STF, Supremo Tribunal Federal. Repercussão Geral em Recurso Extraordinário 603.583. Rio Grande do Sul. Relator Ministro Marco Aurélio, 2011.

OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, Conselho Federal. Portal de Notícias. Disponível em <http://www.oab.org.br/noticia/20734/brasil-sozinho-tem-mais-faculdades-de-direito-que-todos-os-paises>. Acessado em 20/07/15.

TOBIAS, José Antonio. História da Educação Brasileira. São Paulo: Juriscredi, 1972.

TRUBEK, David. Reforming Legal Education in Brazil: From the Ceped Experiment to the Law Schools at the Getulio Vargas Foundation. In University of Wisconsin Legal Studies Research Paper. n. 1180, 9 de dezembro, 2011. 

RODRIGUES, Horário Wanderlei. Pensando o ensino do Direito no Século XIX: diretrizes curriculares, projetos pedagógicos e outras questões pertinentes. Florianópolis: Boiteux, 2005.

UEG. Universidade do estado da Guanabara. Resolução Número 284, em 15 de abril de 1966. Institui um Centro de Estudos e Pesquisas no Ensino do Direito (C.E.P.E.D.), vinculado à respectiva unidade, 1966.

VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das arcadas ao bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, 1982.


[1] “But we have learned that the Ceped course ended before the external support ran out. It is true that the money from USAID had dried up by 1973. As far as I can tell, this was not because of dissatisfaction with Ceped. Rather, it was part of the general winding down of all USAID operations in Brazil. While USAID was out of the picture, Ford funding was still available. However, this support was made conditional on Ceped moving to the next stage by disseminating what had been learned in the “pilot” course. This might have involved sharing materials, holding seminars, and developing training programs for professors. Ford set aside a significant amount of money to be used by Ceped for these purposes but Ceped never used the funds. Eventually, the allocation was cancelled and the grant closed” (TRUBEK, 2011, p. 2).

[2] Conforme consta em seu sítio eletrônico: “O CEPED tem por finalidade promover estudos, publicações e pesquisas para o aperfeiçoamento do direito, realizar cursos especiais de pós-graduação, promover intercâmbio com Universidades; prestar no campo do direito e políticas públicas consultoria e assessoria técnica a entidades públicas e privadas mediante convênio de prestação de serviços, desenvolver projetos e programas de políticas públicas e estabelecer vínculos institucionais com organismos nacionais e estrangeiros de objetivos análogos. O CEPED, como órgão vinculado à Faculdade de Direito da UERJ, conta em suas atividades de pesquisa, consultoria e assistência técnica com o corpo docente desta Faculdade, organizado em carreira, com seus cargos providos mediante concurso público, sendo a expressiva maioria deste corpo docente composta de mestres, livre-docentes e doutores. A Faculdade de Direito da UERJ tem um invejável quadro de professores altamente capacitados – requisitados em todo o País – nas áreas de Direito Constitucional, Civil, Administrativo, Trabalhista, Tributário, Internacional, Meio-Ambiente, Relações de Consumo, Penal, Processual Civil, dentre outros ramos. Poucas instituições congregam tantos profissionais desse nível” (CEPED, acessado em 10/07/15).

Página 2 de 2
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Felipe Adaid
Felipe Adaid

Advogado e consultor jurídico em Direito Penal e Direito Penal Empresarial no Said & Said Advogados Associados. Foi Diretor de Gerenciamento Habitacional da Secretaria de Desenvolvimento Social e Habitação e Primeiro Secretário do Conselho de Habitação do Município da Valinhos, SP. Mestre em Educação e Políticas Públicas pela PUC Campinas. Ingressou em primeiro lugar no mestrado e foi contemplado com a bolsa CAPES durante os dois anos de curso. Cursou disciplinas de pós-graduação na Unicamp. É especializando em Direito Penal, Processo Penal e Criminologia, pela PUC Campinas. Na graduação, tem 5 semestres de créditos no cursos de Psicologia, também pela PUC Campinas. Durante a graduação de Direito também foi bolsista de iniciação científica, CNPq, e foi monitor em diversas disciplinas, tanto no curso de Direito como no curso de Psicologia. Foi membro do grupo de pesquisa Direito à Educação do Programa de Pós-Graduação da PUC Campinas. É corretor de revistas científicas pedagógicas e jurídicas. É autor de 11 livros, sendo 3 ainda em fase de pré-lançamento, e organizador de outros 10 livros, além da autoria de 44 capítulos de livros publicados no Brasil, no Chile e em Portugal. É autor de mais de 100 publicações científicas, entre artigos científicos, resenhas e anais, nacionais e internacionais. Ademais, também escreve periodicamente ensaios e artigos para jornais e blogs. No âmbito acadêmico, suas principais bases teóricas são: Foucault, Lacan, Freud, Dewey e Nietzsche. Por fim, tem interesse sobre os seguintes temas: Direito, Direito Penal, Criminologia, Psicologia, Psicologia Forense, Psicanálise, Sexualidade, Educação e Filosofia.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

ADAID, Felipe. O ensino jurídico brasileiro:: críticas sobre políticas e ideologias. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6236, 28 jul. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/71401/o-ensino-juridico-brasileiro. Acesso em: 20 mai. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!