O artigo científico que apresentamos a seguir traz um interessante estudo cujo foco central situa-se na concessão de liminar de Indisponibilidade dos Bens do Réu, em Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa.

O artigo científico que apresentamos a seguir traz um interessante estudo cujo foco central situa-se na concessão de liminar de Indisponibilidade dos Bens do Réu, em Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa. A atualidade desse trabalho se evidencia diante da tendência cada vez mais dominante de uma atuação “justicialista” do poder judiciário, insuflado por uma mídia sensacionalista e gravemente politizada.

O alertamos para a gravidade do mau uso da Tutela de Evidência, que pode dar ensejo a graves desrespeitos aos direitos fundamentais, gravados no Art. 5º da Constituição, tais como, o devido processo legal (Inc. LIV), o contraditório e a ampla defesa (Inc. LV).

São quatro os pressupostos que determinam a estrutura do argumento central:

1 – A contraposição à interpretação que afirma que a Tutela de Evidência, como novo instituto presente no Novo Código de Processo Civil (NCPC) admite uma análise mais superficial dos pressupostos que ensejam a concessão da medida liminar em pauta;

2 – A presença, exaustiva e fartamente demonstrada no decorrer do trabalho, de jurisprudência que corrobora com o entendimento exposto no item anterior;

3 -  O perigo da disseminação de uma prática que transforma a Tutela de Evidência numa espécie de instrumento de exceção, pelo qual estariam suspensos, no processo, os direitos fundamentais de ampla defesa, devido processo legal e contraditório, consagrados em nossa Constituição e verdadeiros princípios formadores de nosso Ordenamento Jurídico.

4 – A ruptura do equilíbrio da estrutura democrática do Estado que faz do administrador público um refém dos órgãos de controle e do judiciário. As alegadas “irregularidades”, apontadas como ímprobas pelo órgão acusador, podem ser inseridas no campo da discricionariedade da administração pública, dependendo da análise detida de cada caso. Sem essa análise, e o devido estabelecimento do contraditório e da ampla defesa, pode-se estar procedendo a uma invasão inconstitucional da competência do Executivo pelo Poder Judiciário.

A reflexão suscitada traz ainda à luz uma metodologia que utiliza sistematicamente os institutos processuais de tutela antecipada, tanto penais como civis, como instrumentos de legitimação da prática do arbítrio, antecipando a aplicação da pena e suspendendo as garantias constitucionais fundamentais. Atenta também, no caso da Indisponibilidade de Bens concedida em liminar, para o cerceamento material do direito de defesa, provocado pela inadimplência do réu, que gera a incapacidade para custear sua defesa e o próprio processo.

Por conclusão, o autor apela de forma incisiva para o perigo do erro judiciário na condenação antecipada por medida liminar, que depois tende a justificar-se como um fim necessário, usando para isso a deturpação e o autoritarismo judicial transformando em crime de improbidade o que não passa de mera irregularidade ou ilegalidade.

E citando um trecho síntese do próprio autor:

Nem toda Ilegalidade significa necessariamente improbidade! Irregularidade não é ilegalidade e nem improbidade! Irregularidade se corrige com regularidade! Ilegalidade se corrige com legalidade! Improbidade é desonestidade, perversidade, maldade! Improbidade não se presume! Probidade sim, até prova definitiva em sentido contrário.(grifo nosso)

A todos, boa leitura.

artigo completo Blog joseernestofurtadooliveira


Autor

  • Jose Ernesto Furtado Oliveira

    FURTADO DE OLIVEIRA ADVOCACIA, uma corporação profissional foi fundada pelo advogado José Ernesto Furtado de Oliveira. Trabalhou por 30 anos no Ministério Público e aposentou-se em 2013. Logo depois resolveu voltar advogar. Ele fundou o Escritório de Advocacia FURTADO DE OLIVEIRA em 2014. É graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo – SP. Mestre em Direito Internacional do Consumidor pela Universidade Católica de Santos. Professor de Direito Civil na Faculdade de Direito da Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES) e da Faculdade de Direito da Universidade Santa Cecília de Santos (UNISANTA). Quando Promotor atuou nas Promotorias de Justiça Criminal, Eleitoral, Mandado de Segurança, Registros Públicos e Falências (setor de Liquidação de Bancos, Instituições Financeiras, Seguradoras e Consórcios), Meio Ambiente e Patrimônio Público (Improbidade Administrativa). Tem se destacado na área de Improbidade Administrativa, no final do ano de 2017 lançou o livro “GUIA PRÁTICO DA PROBIDADE ADMINISTRATIVA”. Em seu blog, joseernestofuratadodeoliveira.blogspot.com escreveu um artigo sobre “INDISPONIBILIDADE DE BENS NAS AÇÕES JUDICIAIS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA: NOVAS REFLEXÕES” onde aborda sobre a concessão de decisões liminares de indisponibilidade de bens em ação civil pública de improbidade administrativa.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0