O presente trabalho busca discutir de forma explanatória, sem a intenção de profundidade ou descoberta de novos conhecimentos, quais são os efeitos psi-jurídicos decorrentes dos danos morais e psicológicos como um todo.

Resumo:

O presente trabalho busca discutir de forma explanatória, sem a intenção de profundidade ou descoberta de novos conhecimentos, quais são os efeitos psi-jurídicos decorrentes dos danos morais e psicológicos como um todo. É usado o tipo de pesquisa bibliográfica para que haja a ampliação dos conhecimentos acerca de tal relação pelo intermédio das pesquisas e citações já feitas; é, ainda, utilizado o método dialético facilitando a assimilação das ideias já postuladas. Ao longo do periódico em destaque, pode-se perceber a tentativa de analisar o dano moral e sua relação existente entre o Direito e a Psicologia objetivando, assim, melhor compreensão de tal atitude lesiva à Sociedade em geral. Consequentemente, o Direito passa a regular não somente a proteção física do sujeito como também a psíquica. Conclui-se que a coexistência entre estes dois elementos conforma as possíveis relações danosas intersociais no trato dos danos morais.  


Introdução:

Os danos morais são danos a direitos que não podem ser calculados economicamente e que atingem a reputação, a moral e a dignidade da pessoa, podendo trazer numerosos e graves problemas, principalmente psicológicos. Embora se relacionem, os danos morais são vistos de maneira diferente pelo Direito e pela Psicologia, especialmente no que tange às formas de comprovação. 


Metodologia:

Neste trabalho foi usado o tipo de pesquisa bibliográfica, avaliando criticamente alguns materiais já publicados como artigos científicos, livros, periódicos e até mesmo sites. Dessa maneira, fundamentando-se numa leitura dessas fontes, tem-se a finalidade de mostrar como os danos são divididos em morais e psicológicos, levando em consideração o ponto de vista do Direito e da Psicologia, e também visa mostrar como esses dois tipos de danos influenciam a vida em sociedade dos indivíduos. 


Resultados e Discussão:

Primeiramente, dano é qualquer lesão material ou moral sofrida por uma pessoa e é elemento essencial para caracterização da responsabilidade civil. Essa responsabilidade é avaliada pela extensão do dano e gera uma indenização, visto que afeta tanto a estrutura individual da pessoa ofendida quanto à estrutura social (TRINDADE, 2012).

Dano moral se caracteriza quando ocorre abuso ou insulto à moral, honra e dignidade do indivíduo e este não é aferível de maneira econômica. Segundo o art.5° da Constituição Federal (1988), inciso X, são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito à indenização por dano material ou moral decorrente de sua violação.

Para que haja dano indenizável são indispensáveis tais requisitos: relação entre falta e o prejuízo causado; diminuição ou destruição de um bem jurídico, patrimonial ou moral, pertencente a uma pessoa; permanência do dano no momento da reclamação do lesado; legitimidade; efetividade do dano, pois a lesão não poderá ser hipotética; ausência de causas excludentes de responsabilidade, pois pode ocorrer de maneira acidental. Pereira (1986, p.235) diz que:

 A vítima de uma lesão ofendida em um bem jurídico deve receber uma soma que lhe compense a dor ou o sofrimento, a ser arbitrada pelo juiz, atendendo as circunstâncias de cada caso, e tendo em vista as posses do ofensor e a situação pessoal do ofendido. Essa fonte não deve ser tão grande que se converta em fonte de enriquecimento, nem tão pequena que se torne inexpressiva.

Portanto, pode-se concluir que a reparação dos danos morais destina-se a indenizar e punir. Indenizar a vítima do dano para lhe proporcionar uma compensação pelos prejuízos morais sofridos e punir o causador das lesões morais para que ele não pratique mais atos ofensivos.

Contudo, não há provas relativas ao dano moral, mas sim, prova do fato que gerou a dor. A reparação de um dano moral não tem preço. Uma indenização nesse caso, não serve para reparar a dor da vítima, visto que isso é impossível, mas sim, para amenizar essa dor. Em outras palavras, o ofensor deve reparar o que for necessário para assim proporcionar as formas de retirar o ofendido do estado melancólico a que fora levado, não sendo possível reparar o estado de melancolia em si (DANTAS, 2016).

Uma vez demonstrado que a vítima efetivamente teve o seu nome desqualificado, ou sua imagem deturpada, nada mais será necessário provar, uma vez que o dano moral é in re ipsa, e decorre da gravidade e repercussão do próprio fato, de maneira que, provado o fato, provado está o dano moral. (CAVALIERI FILHO, 2006, p. 108).

Atualmente, faz-se distinção entre dano moral e dano psíquico. O dano psíquico ou psicológico representa um equivalente patológico, além de parte da doutrina entender que o dano psicológico não é passível de análise objetiva, atribuindo ao juiz o dever de considerar aspectos subjetivos para a análise de extensão do dano psicológico.  Dessa forma, explica Venosa (2004, p.41): 

[...] o dano psíquico é modalidade inserida na categoria de danos morais, para efeitos de indenização. O dano psicológico pressupõe modificação de personalidade, com sintomas palpáveis, inibições, depressões, bloqueios etc. Evidente que esses danos podem decorrer de conduta praticada por terceiro, por dolo ou culpa. O dano moral, em sentido lato, abrange não somente os danos psicológicos; não se traduz unicamente por uma variação psíquica, mas também pela dor ou padecimento moral, que não aflora perceptivelmente em outro sintoma. A dor moral insere-se no amplo campo da teoria dos valores. Desse modo, o dano moral é indenizável, ainda que não resulte em alterações psíquicas.

 Ainda sobre a patologia do dano psicológico: 

Do ponto de vista da ciência psicológica, o dano psicológico é evidenciado pela deteriorização das funções psicológicas, de forma súbita e inesperada, surgida após uma ação deliberada ou culposa de alguém, e que traz para a vítima tanto prejuízos morais quanto materiais, face à limitação de suas atividades habituais ou laborativas. A caracterização do dano psicológico requer, necessariamente, que o evento desencadeante se revista de caráter traumático, seja pela importância do impacto corporal e suas conseqüências, seja pela forma de ocorrência do evento, podendo envolver até a morte (CRUZ; MACIEL, 2005, p.123).

O psicólogo forense é o profissional que realizará a avaliação da vida da pessoa antes de eventual dano psíquico, buscando reconstruir o estado mental da vítima no momento antecedente ao trauma e descobrir quais mudanças psicológicas que o dano causou. Essa avaliação é necessária para que seja demonstrado o vínculo entre a ação ou omissão do agente, e o dano eventualmente sofrido pela vítima. Somente assim, o indivíduo que praticou o dano será responsabilizado e eventualmente, indenizará a vítima (Dano Moral..., 2015).


Conclusão:

O Direito se encontra, hoje, num processo de repersonalização das suas relações jurídicas, visto que antes era voltado para a satisfação dos interesses patrimoniais do indivíduo e agora tem a finalidade de tutelar a pessoa humana.

Embora a anterior visão patrimonialista reduzisse o sujeito a um segundo plano, o Direito regulou a proteção física do sujeito e também a proteção emocional, visto que o ser humano não pode ser reduzido somente a uma visão jurídica. Dessa maneira, a psicologia jurídica busca integrar o corpo humano, a mente e o espírito. Pode-se concluir que apesar das diferenças entre dano moral e dano psicológico, o ser humano é o principal integrante capaz de unir o Direito e a Psicologia, visto que ambas se completam.  


Referências:

CAVALIERI FILHO, S. Programa de Responsabilidade Civil. 6ª Ed., revista, aumentada e atualizada. São Paulo: Malheiros, 2006, p. 108.

CRUZ, R. M.; MACIEL, S. K., Estudos e pesquisas em psicologia, UERJ - RJ, ano 5, n.2, 2° semestre de 2005, p. 123. <http://www.revispsi.uerj.br/v5n2/artigos/aj06.pdf >- Acessado em 27 de janeiro de 2016.

DANO moral x dano psicológicos. Disponível em <https://jus.com.br/artigos/36588/dano-moral-x-dano-psicologicos> Acesso em 24 de fevereiro de 2016.

DANTAS, Tiago. Danos Morais; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/danos-morais.htm>. Acesso em 26 de janeiro de 2016.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1986. Vol. II, n° 176, p. 235.

TRINDADE, Jorge. Manual de Psicologia Jurídica Para Operadores do Direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012. p. 529-535.

VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil: Responsabilidade Civil. 4ª Ed. São Paulo: Atlas, 2004, p. 41.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso