Em 13 de junho de 2019 o Supremo Tribunal Federal votou por maioria pela criminalização da homofobia (PL 672/2019) que será incluída na Lei do Racismo (Lei nº 7716/1989).

Ante a inércia e omissão do Poder Legislativo em criar políticas públicas para proteger a comunidade LGBT, conforme bem preconizou o ministro Celso de Mello em seu voto[1], o Poder Judiciário exerceu função atípica com a finalidade de legislar.

Assim sendo, o projeto lei de autoria do senador Weverton (PDT/MA) modificou o texto do art. 1º da supracitada Lei, passando a vigorar da seguinte forma: "Define os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, identidade de gênero e/ou orientação sexual”.

A legislação penal não deve ser solução para todas as questões sociais. O Direito Penal deve ser utilizado apenas em “ultima ratio”, uma vez que há medidas mais efetivas para combater o preconceito e a estigmatização.

Entretanto, apesar de necessário trabalhar essas questões no campo da educação, estimulando consciência e respeito, o Brasil falha gravemente quanto à implementação de políticas públicas.

Não há sequer dados oficiais sobre crimes de origem homofóbica e isso é um problema porque quando um LGBT chega à delegacia, sua denúncia é enquadrada como um crime comum. Assim sendo, não há como criar uma política pública eficiente para enfrentar esse preconceito sem que haja a quantificação da efetiva violência sofrida, sendo necessário resposta imediata para esta situação de violência.

Com a aprovação do Projeto de Lei está proibido a proliferação do discurso de ódio e considera-se, a partir da sua vigência, que constranger uma pessoa por sua identidade de gênero e, ainda pior, violentá-la por sua orientação sexual, tornou-se crime, com pena de reclusão de dois a cinco anos.

Na prática, com a decisão do Supremo Tribunal Federal todos os crimes considerados comuns, tais como, homicídio, crimes contra a honra (calúnia e difamação) e lesão corporal leve e grave, quando cometidos fundamentados na orientação sexual e na identidade de gênero da vítima, será aplicada uma legislação específica.

Há que se alertar, em razão disso, que o ambiente corporativo deve ser impactado diretamente pela aprovação da criminalização, levando em conta os atos de discriminação e a violência verbal, pois, segundo estatísticas da ONG britânica Stonewall, 19% de trabalhadores lésbicas, gays e bissexuais já sofreram agressões verbais de seus colegas e/ou clientes devido à sua orientação sexual.[2]

Qual a responsabilidade da empresa quanto a isso? A postura nas empresas deve mudar, passando ao estado de alerta, uma vez que serão obrigadas a adotar práticas de combate à discriminação. Isto porque, o principal motivo para que a denúncia não ocorresse até a decisão em tela seria a insegurança da vítima.

O trabalhador, movido pelo medo, não denuncia o autor da discriminação, contudo, ao se comprovar que o empregado realmente sofreu violência, seja verbal ou física, em suas liberdades constitucionais, a empresa será responsabilizada na Justiça do Trabalho para reparar os prejuízos sofridos, bem como o responsável ou responsáveis serão processados e julgados também na Justiça Criminal.

Assim, ainda que isso já esteja sendo trabalhado em grandes corporações, todas elas agora deverão incluir em seus programas de Compliance formas de compreender e avaliar de forma contínua as condutas praticadas pelos seus colaboradores no sentido de evitar violações a direitos relativos à identidade de gênero e orientação sexual, agora definidos como crimes.

A implementação de um sistema de controle interno acaba por prevenir danos à imagem das empresas causados por atos imprudentes ou dolosos, através de mecanismos de apuração e sanção disciplinar, bem como auxilia para que não se incorra em condutas lesivas ou criminosas, ainda que por imprudência (crimes culposos).


Notas

¹ https://www.conjur.com.br/dl/leia-voto-ministro-celso-mello2.pdf. Acessado em 5 de julho de 2019 às 10:58.

² https://www.stonewall.org.uk/lgbt-britain-work-report. Acessado em 05 de junho de 2019 às 11:03.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0